GNU/Linux, um projeto de sucesso (parte 1)

Quero agradecer ao portal VOL (Viva o Linux) por essa grande oportunidade. Esse artigo tem por objetivo divulgar o software livre e ao mesmo tempo mostrar que ele é funcional, quebrando paradigmas anti-software livre gerado pela oposição na sociedade. Aqui veremos desde a história do sistema operacional Linux como também os comandos e dicas. Seja bem vindo ao mundo do software livre.

[ Hits: 11.252 ]

Por: TITUX em 03/05/2010


Projeto GNU, um agente concentrador



GNU, o agente concentrador

Projeto formado pelo querido amigo do Software livre Mr. Richard Matthew Stallman em 1984 (http://pt.wikipedia.org/wiki/Projeto_GNU). Seu objetivo era criar um sistema operacional totalmente livre e compatível com Unix, onde qualquer pessoa teria o direito de usar, alterar e distribuir sem ter que pagar licenças de uso.

Essa filosofia passou a ter mais valia ainda quando ele solicitou o código fonte do driver de uma impressora (Xerox) para consertar o problema clássico onde os papeis enroscavam, mas pessoa o negou alegando que o código propriedade exclusiva do fabricante.

Algo demasiadamente estranho para Richard, pois a filosofia hacker da época era o desenvolvimento aberto e comunitário.

Surgimento da GNU

GNU quer dizer (GNU not is Unix) ou traduzindo (GNU não é Unix). Esse nome que parece estranho é uma analogia ao mamífero GNU, o qual corre solto em liberdade pela floresta, acabou sendo um perfeito acrônimo recursivo. Bela comparação com liberdade de uso de softwares.

Referências:
O Linux em si, é só um kernel. Linus Torvalds, na mesma época que escrevia o código-fonte do kernel, começou a usar programas da GNU para fazer seu sistema. Gostando da ideia, resolveu deixar seu kernel dentro da mesma licença. Kernel é a parte mais importante, pois é o núcleo e serve de comunicador entre o usuário e o computador. Interfaceando o visual com o não-visual (hardware). Por isso, com o uso de variantes dos sistemas GNU junto com o kernel, o Linux se tornou um sistema operacional definitivamente.

Conclusão

O projeto GNU é um dos responsáveis pelo sucesso do Linux, pois graças à mistura de seus programas com o kernel desenvolvido por Linus Torvalds, o Linux vem mostrando porque é um sistema operacional digno de habilidades insuperáveis por qualquer outro sistema. Inclusive se você é um amante da linguagem C/C++ (como eu) convido-o a conhecer o compilador da GNU, o GCC (GNU C COMPILER). Ele é multiplataforma e roda em qualquer sistema operacional.

E se você quer programar em Windows nessa linguagem maravilhosa (C/C++) pode usar essas ferramentas de desenvolvimento que usufruem do GCC, elas são gratuitas (Software Livre).
Ambas ambientes de desenvolvimento para C/C++, chamada em inglês de IDE (Integrated Development Environment) ou ambiente de desenvolvimento integrado.

Por enquanto é só, mas já estamos trabalhando para a sequência deste artigo, onde trataremos sobre distribuições, o modo texto (shell) e interfaces gráficas.

Um abraço a todos.

Edson Alves de Oliveira Lourenço
(TITUX)

Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. A história do Linux
   2. Projeto GNU, um agente concentrador
   3. Sobre o autor
Outros artigos deste autor
Nenhum artigo encontrado.
Leitura recomendada

Rede de telefonia móvel e a popularização da internet

Editor de textos / IDE Geany

Instalando o GNU/Linux numa máquina virtual (e aprendendo sem correr riscos)

Biometria: Processamento de imagens capturadas em leitores de impressão digital

Software Manivela VS Software Modinha

  
Comentários
[1] Comentário enviado por brian_ch em 04/05/2010 - 01:19h

Bom artigo para quem está chegando ao mundo do GNU\Linux, mas só fazendo uma correção, na 1ª pagina você diz :
"Linux foi patenteado sob licenciamento GPL (General Public License), isso significa que ele é de domínio público",
na verdade, os softwares livres não estão em domínio público,(segundo Stallman no documentário Revolution OS, isso acontece justamente para que alguém não pudesse mudar um pouco o software e o tornar proprietário) eles são licenciados pela GPL, ou seja, tem uma licença.
E na seção "Afinal, o que é Linux" você disse que era um S.O., e na verdade ele é só o kernel, como você explicou depois no artigo, acho que aí já devia estar explicito isso.

[2] Comentário enviado por Teixeira em 04/05/2010 - 12:17h

Confirmando as palavras do colega Brian, é necessário conhecermos a diferença entre as diversas modalidades de licenciamento:

Shareware: trata-se de uma forma de distribuição de um determinado software pago que poderá ser testado pelo usuário (e eventual comprador) durante algum tempo.
Alguns produtos shareware têm limitações ou expiram após algum tempo, enquanto outros não;

Trial: Versão limitada de um produto, distribuída para finalidades de teste, e geralmente com um prazo de validade muito curto.

Freeware: Produto distribuído gratuitamente pelo desenvolvedor, mediante declaração nesse sentido. Um freeware pode ser usado livremeente, porém ainda assim mantém seu cpyright e não pode ser modificado por terceiros.

Licença GPL: Trata-se de uma licença pública geral onde o código pode ser baixado, usado, modificado e passado adiante desde que sob a mesma modalidade de licença. Tem como objetivo disponibilizar um projeto e permitiar que o mesmo seja aperfeiçoado em bem de uma coletividade.

Domínio Público: Um produto entra em Domínio público de duas formas: Automaticamente, após a caducidade de suas patentes. Isso no caso de marcas e patentes de indústria e comércio. No caso da propriedade intelectual, o autor deverá declara publicamente que tal prouto passa a ser de domínio público, podendo ser usado - mas não modificado, etc. - por todos.

Abandonware: Essa modalidade supõe-se que seja associada aos produtos pretensamente "abandonados" por seus desenvolvedores.
No entanto, isso não existe legalmente.
Por exemplo, o MS-DOS e o Windows 3.x são tidos como "abandonware" (pelo fato de não terem mais o suporte de parte de seus desenvolvedores).
Mas esses produtos, como tantos outros, NÃO FORAM DISPONIBILIZADOS PAA DOMÍNIO PÚBLICO.
Potanto a sua utilização sem uma licença (que eles simplesmente não concedem) pode ser considerada como pirataria.

Existem até produtos (bastante raros) que foram tão detonados pela pirataria, que seus desenvolvedores resolveram abandoná-los de fato, porém disponibilizando-os para uso e domínio público.

[3] Comentário enviado por edson.vetorial em 05/05/2010 - 08:29h

Olá Pessoal, agradeço a cooperação de todos, ao contrário de uma pessoa que entrou para me ofender mas o moderador tirou o comentário dele, Obrigado moderador.
Gostaria de arrumar esses erros que cometi, confesso que não sei muito mas estou aqui para aprender com vocês, existe uma forma de re-editar o artigo?


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts