Quebrando o Gelo...3!!!

1. Quebrando o Gelo...3!!!

Eduardo Paim Silveira
eduardo

(usa Linux Mint)

Enviado em 02/02/2009 - 15:18h

Olá pessoal,

Todos sabem que o tópico Quebrando o Gelo fez um grande sucesso, e realmente dá para relaxar naqueles momentos de "ócio" do trabalho. Pois bem, o Quebrando o Gelo ficou grande, passou para o Quebrando o Gelo 2, que também ficou grande.

Agora estou criando o Quebrando o Gelo 3, com um diferencial. Este será moderado, isto é, piadas repetidas serão deletadas, e comentários também. Assim teremos um espaço mais limpo e com apenas pidas.
Alguns poderão não gostar disso, mas isso é porque há pessoas que aessam para apenas passar o tempo e acabam tendo que ficar trocando páginas e páginas de comentários e piadas repetidas. E já foi solicitado uma moderação.

Então vamos lá, está aberto o novo tópico de piadas. Quem atira a primeira pedra?


  


2. Re: Quebrando o Gelo...3!!!

Perfil removido
removido

(usa Nenhuma)

Enviado em 02/02/2009 - 15:31h

A MALDIÇÃO DO FEIJÃO


Um homem tinha verdadeira paixão por feijão, mas ele lhe provocava muitos
gases, criando situações embaraçosas sempre que o comia.

Um dia ele conheceu uma garota e se apaixonou.

Mas pensou:
Ela nunca vai se casar comigo se eu continuar desse jeito.
'Então fez um sacrifí­cio enorme e deixou de comer feijão.

Pouco depois os dois se casaram.

Passados alguns meses, quando ele voltava para casa, seu carro quebrou.

Ele telefonou para a esposa e avisou que ia chegar mais tarde, pois
voltaria
a pé.
No caminho de volta para casa, passou por um restaurante e o aroma
maravilhoso do feijão lhe atingiu em cheio.
Como ainda estava distante de casa, pensou que qualquer efeito negativo
passaria antes de chegar.
Então entrou e comeu três pratos fundos de feijão.

Durante todo o caminho, foi para casa peidando, feliz da vida.
E quando chegou já se sentia bem melhor.
A esposa o encontrou na porta e parecia bastante excitada.
Ela disse:

'Querido, o jantar hoje é uma surpresa.'Então ela lhe colocou uma venda
nos
olhos e o levou até a mesa, fazendo-o sentar-se na cabeceira.

Nesse momento, aflito, ele pressentiu que havia um novo peido a caminho.

Quando a esposa estava prestes a lhe remover a venda, o telefone tocou ela
foi atender, mas antes o fez prometer que não tiraria a venda enquanto não
voltasse.

Ele, claro, aproveitou a oportunidade.
E, assim que ficou sozinho, jogando seu peso para apenas uma perna, soltou
um senhor peido.

Não foi apenas alto, mas também longo e picotado.
Parecia um ovo fritando.
Com dificuldade para respirar, devido a venda apertada, ele tateou na mesa
procurando um guardanapo e começou a abanar o ar em volta de si, para
espantar o cheiro.

Mas, logo em seguida, teve vontade de soltar outro.
Levantou a perna e...
RRRRRRRRRRRROOOOOOOOOOOOUUUUUU UUUUMMMMMMM!!...
Esse, então, soou como um motor a diesel pegando e cheirou ainda pior!...

Esperando que o odor se dissipasse, ele voltou a sacudir os braços e o
guardanapo, frenéticamente, numa animada e ridí­cula coreografia.

E quando pensou que tudo voltaria ao normal, lá veio a vontade outra vez.

Como ouvia a mulher, lá dentro, continuando a falar no telefone, não teve
dúvidas: jogou o peso sobre a outra perna e mandou ver.

Desta vez merecia medalha de ouro na categoria.

Enxofre puro.

As janelas vibraram, a louça na mesa sacudiu, e em dez segundos as flores
no
vaso sobre a mesa estavam mortas.

Ouvido atento a conversa da mulher no telefone, e mantendo a promessa de
nãoo tirar a venda, continuou peidando e abanando os braços por mais uns
três minutos.
Quando ouviu a mulher se despedir no telefone, já estavatotalmente
aliviado.

Colocou o guardanapo suavemente no colo, cruzou as mãos sobre ele e chegou
a
sorrir vitorioso, estampando no rosto a inocencia de um anjo.

Então a esposa voltou a sala, pedindo desculpas por ter demorado tanto ao
telefone, e lhe perguntou se ele havia tirado a venda e olhado a mesa de
jantar.

Quando teve a certeza de que isso não havia acontecido, ela própria lhe
removeu a venda e gritou:

'SURPRESAAAA! '

*'E ele, finalmente, deu de cara com os doze convidados sentados a mesa
para comemorar seu aniversário!!!!!!!!!!!!!!!!


3. Re: Quebrando o Gelo...3!!!

Andre (pinduvoz)
pinduvoz

(usa Debian)

Enviado em 02/02/2009 - 15:59h

Manoel Joaquim dos Santos, nascido em Trás-os-Montes, no extremo bem extremo Leste de Portugal, ganhou seu primeiro lápis de colocar na orelha quando Tinha 7 anos.

Aos 15 anos, já no primário, ganhou sua primeira caneta-tinteiro de Orelha.

Aos 32 anos, descobriu que caneta também servia para escrever.

Hoje, já informatizado, está com orelha de abano, por causa do peso do mouse.



4. Re: Quebrando o Gelo...3!!!

Rafael Silva de Santana
fulllinux

(usa Slackware)

Enviado em 02/02/2009 - 16:03h

O pirralho estava brincando pelo apartamento com um destes balõezinhos de festa de aniversário.

Chutava prá cá, chutava prá lá, até que o balão acabou entrando no banheiro e foi cair justamente dentro da privada. Ele chegou, espiou a
bola molhada, ficou com nojo e deixou a danada ali mesmo.

Pouco tempo depois seu pai entrou para se 'desocupar' e nem notou a bola. Ficou ali, lendo, enquanto fazia o serviço. Ao terminar, olhou horrorizado para o vaso sanitário. Suas fezes haviam coberto o balão e a impressão que se tinha era de um imenso, um absurdo, um gigantesco bolo fecal! Sem acreditar naquilo, ligou dali mesmo, pelo celular, para o seu amigo que era médico:

- 'Geraldo, eu enchi a privada de bosta. Nunca vi tanta assim na minha vida! Tá quase passando do limite do vaso! Acho que eu devo estar com um
algum problema sério!'

- 'Que isso, Anselmo, cê tá exagerando!'

- 'Que exagerando, o quê, meu!!! Eu tô olhando pra esse 'merdel' todo agora! É um absurdo ! Eu devo estar doente!!!'

- 'Bom, eu já tava indo pra casa; aproveito e passo aí que é caminho!'

O médico chega e vai direto ao encontro do amigo, que estava na porta do banheiro esperando.

-'Olá, Anselmo, cadê o negócio que vo... NOSSA MÃE DO CÉU!!! O que é isso??! O que você comeu, criatura?!'
- 'Não falei?! Agora tá acreditando, né?!'

- 'Nossa! Isso é inacreditável!'

- 'E então, será que eu tenho algum problema sério?!'

- 'Olha, o melhor é eu pegar uma amostra desse cocozão e mandar para análise!'

O médico saca uma pequena espátula e um frasco esterilizado de sua maleta e quando espeta o 'bolo' para coletar uma amostra do material
e..., BUMMM!! A bexiga estoura e voa [*****] pra tudo que é lado! Seguem-se instantes de absoluto silêncio. Os dois, embosteados, se
olham e, estupefato, o médico berra:

- '[*****] que o pariu! Eu achava que já tinha visto de tudo nesta vida, mas peido com casca, nunca!!'.


5. Re: Quebrando o Gelo...3!!!

Vinicus S Moraes
vsmoraes

(usa Arch Linux)

Enviado em 02/02/2009 - 17:38h

Após ambos precisarem ficar na empresa até um pouco mais tarde, o diretor oferece uma carona à secretária.

- Vamos, eu deixo você em casa. É o mínimo que eu posso fazer, além de ser muito perigoso para você ir pra casa a essa hora.

Ao chegar no apartamento, a secretária pergunta:

- Não quer subir pra tomar um drink? É o mínimo que eu posso fazer...

Bom, como é de se imaginar, os dois subiram, tomaram alguns drinks e acabaram na cama. Lá pelas três da manhã o "garanhão" se dá conta que tem mulher e casa. Desesperado por não saber o que fazer, pergunta:

- Minha mulher vai me matar! O que eu faço?

A secretária retruca:

- Faz o seguinte, chega em casa e diz a verdade - enquanto ela fala isso, pega um pedaço de giz e coloca na orelha dele. - só isso.

- Mas como?! - Diz ele - Minha mulher vai me matar!

- Vai por mim, ela não vai nem sonhar. - Diz a secretária parecendo confiante.

Ao chegar em casa, tremendo, vai subindo a escada e dá de cara com a esposa:

- Seu pilantra, vagabundo, isso é hora de chegar em casa?! Onde você estava até essa hora? - Pergunta a esposa visivelmente espumando pela boca.
- Ah, tive que ficar até mais tarde no trabalho. Saindo de lá deixei minha secretária em casa e acabamos fazendo sexo a noite toda. - Responde o marido suando.

- Deixa de ser mentiroso, seu cachaceiro. Você estava no bar bebendo e jogando sinuca, olha o giz ainda na sua orelha. Passa pra dentro e vai tomar banho!


6. O que é um peido para quem já está todo cagado?!

Edson Jr
Eds_Jr

(usa Ubuntu)

Enviado em 02/02/2009 - 17:39h

Pessoal aqui vai uma história do Luís Fernando Veríssimo. "O que é peido para quem já está todo cagado?!" é uma história aparentemente verídica que ocorreu com o escritor....



A expressão do título é conhecida de todos, mas o texto que a originou é menos. É uma obra de Luis Fernando Veríssimo sobre a obra veríssima que ele fez numa viagem para Miami.

Aeroporto Santos Dumont, 15:30.

Senti um pequeno mal-estar causado por uma cólica intestinal, mas nada que uma urinada ou uma barrigada não aliviasse. Mas, atrasado para chegar ao ônibus que me levaria para o Galeão, de onde partiria o vôo para Miami, resolvi segurar as pontas. Afinal de contas são só uns 15 minutos de busão.

"Chegando lá, tenho tempo de sobra para dar aquela mijadinha esperta, tranqüilo, o avião só sairía às 16:30".

Entrando no ônibus, sem sanitários. Senti a primeira contração e tomei consciência de que minha gravidez fecal chegara ao nono mês e que faria um parto de cócoras assim que entrasse no banheiro do aeroporto. Virei para o meu amigo que me acompanhava e, sutil falei:

"Cara, mal posso esperar para chegar na [*****] do aeroporto porque preciso largar um barro".

Nesse momento, senti um urubu beliscando minha cueca, mas botei a força de vontade para trabalhar e segurei a onda...

O ônibus nem tinha começado a andar quando, para meu desespero, uma voz disse pelo alto falante: 'Senhoras e senhores, nossa viagem entre
os dois aeroportos levará em torno de 1hora, devido a obras na pista.'

Aí o urubu ficou maluco querendo sair a qualquer custo. Fiz um esforço hercúleo para segurar o trem [*****] que estava para chegar na estação [*****] a qualquer momento. Suava em bicas. Meu amigo percebeu e, como bom amigo que era, aproveitou para tirar um sarro.

O alívio provisório veio em forma de bolhas estomacais, indicando que pelo menos por enquanto as coisas tinham se acomodado. Tentava me distrair vendo TV, mas só conseguia pensar em um banheiro, não com uma privada, mas com um vaso sanitário tão branco e tão limpo
que alguém poderia botar seu almoço nele. E o papel higiênico então: branco e macio, com textura e perfume e, ops! senti um volume almofadado entre meu traseiro e o assento do ônibus e percebi,consternado, que havia cagado.Um cocô sólido e comprido daqueles que dão orgulho de pai ao seu autor. Daqueles que dá vontade de ligar pros amigos e parentes e convidá-los a apreciar na privada.

Tão perfeita obra, dava pra expor em uma bienal...

Mas sem dúvida, a situação tava tensa. Olhei para o meu amigo, procurando um pouco de piedade, e confessei sério:

"Cara, caguei!"

Quando meu amigo parou de rir, uns cinco minutos depois, aconselhou-me a relaxar, pois agora estava tudo sob controle.

'Que se dane, me limpo no aeroporto', pensei.

'Pior que isso não fico'.

Mal o ônibus entrou em movimento, a cólica recomeçou forte. Arregalei os olhos, segurei-me na cadeira mas não pude evitar, e sem muita cerimônia ou anunciação, veio a segunda leva de [*****]. Desta vez, como uma pasta morna. Foi [*****] para tudo que é lado, borrando, esquentando e melando a bunda, cueca, barra da camisa, pernas, panturrilha, calças, meias e pés. E mais uma cólica anunciando mais [*****], agora líqüida, das que queimam o fiofó do freguês ao sair rumo a liberdade. E depois um peido tipo [*****], que eu nem tentei segurar. Afinal de contas, o que era um peidinho para quem já estava todo cagado...

Já o peido seguinte, foi do tipo que pesa. E me caguei pela quarta vez. Lembrei de um amigo que certa vez estava com tanta caganeira que
resolveu botar modess na cueca, mas colocou as linhas adesivas viradas para cima e quando foi tirá-lo levou metade dos pêlos do rabo junto. Mas era tarde demais para tal artifício absorvente. Tinha menstruado tanta [*****] que nem uma bomba de cisterna poderia me ajudar a limpar a sujeirada.

Finalmente cheguei ao aeroporto e saindo apressado com passos curtinhos, supliquei ao meu amigo que apanhasse minha mala no bagageiro do ônibus e a levasse ao sanitário do aeroporto para que eu pudesse trocar de roupas.

Corri ao banheiro e entrando de boxe em boxe, constatei falta de papel higiênico em todos os cinco.Olhei para cima e blasfemei: 'Agora chega, né?'

Entrei no último, sem papel mesmo, e tirei a roupa toda para analisar minha situação (que concluí como sendo o fundo do poço) e esperar pela minha salvação, com roupas limpinhas e cheirosinhas e com ela uma lufada de dignidade no meu dia.

Meu amigo entrou no banheiro com pressa, tinha feito o 'check-in' e ia correndo tentar segurar o vôo. Jogou por cima do boxe o cartão de embarque e uma maleta de mão e saiu antes de qualquer protesto de minha parte 'Ele tinha despachado a mala com roupas'.
Na mala de mão só tinha um pulôver de gola 'V'.

A temperatura em Miami era de aproximadamente 35 graus.

Desesperado comecei a analisar quais de minhas roupas seriam, de algum modo, aproveitáveis.Minha cueca, joguei no lixo. A camisa era história.
As calças estavam deploráveis e assim como minhas meias mudaram de cor tingidas pela [*****]. Meus sapatos estavam nota 3, numa escala de 1 a 10.
Teria que improvisar.A invenção é mãe da necessidade, então transformei uma simples privada em uma magnífica máquina de lavar.
Virei a calça do lado avesso, segurei-a pela barra, e mergulhei a parte atingida na água. Comecei a dar descarga até que o grosso da [*****] se desprendeu. Estava pronto para embarcar.

Saí do banheiro e atravessei o aeroporto em direção ao portão de embarque trajando sapatos sem meias, as calças do lado avesso e molhadas da cintura ao joelho (não exatamente limpas) e o pulôver gola 'V', sem camisa.

Mas caminhava com a dignidade de um lorde.

Embarquei no avião, onde todos os passageiros estavam esperando o 'RAPAZ QUE ESTAVA NO BANHEIRO' e atravessei todo o corredor até o meu assento, ao lado do meu amigo que sorria.

A aeromoça aproximou-se e perguntou se precisava de algo.

Eu cheguei a pensar em pedir 120 toalhinhas perfumadas para disfarçar o cheiro de fossa transbordante e uma gilete para cortar os
pulsos, mas decidi não pedir:

'Nada, obrigado.'

Eu só queria esquecer este dia de [*****]. Um dia de [*****]...



7. O conto de fadas mais curto do mundo.

Vinicus S Moraes
vsmoraes

(usa Arch Linux)

Enviado em 02/02/2009 - 18:12h

Era uma vez...

Um homem que era super apaixonado por uma das suas colegas de trabalho. Certo dia ele cria coragem e pergunta se ela não quer se casar com ele.
Ela recusa e diz que não existe a menor possibilidade disso acontecer.

Com o passar dos anos o homem ia jogar futebol com os amigos, "caia" na noite, ficava com diversas mulheres, bebia o quanto ele aguentasse. Resumindo:

Viveu feliz para sempre. =D


8. Re: Quebrando o Gelo...3!!!

Paulo Ricardo Campello
xpaulinhox

(usa Ubuntu)

Enviado em 05/02/2009 - 10:36h

Dois amigos conversando e um pergunta para o outro.
pedrinho: se eu comer a sua namorads você vai ficar bravo comigo?
joãozinho: não
pedrinho: vai ficar chateado?
joãozinho: não
pedrinho: vai ficar feliz?
joãozinho: não
pedrinho: Ué, vai ficar o que então?
joãozinho: vamos ficar quites.


9. Re: Quebrando o Gelo...3!!!

Paulo Ricardo Campello
xpaulinhox

(usa Ubuntu)

Enviado em 05/02/2009 - 10:44h

Uma mulher mal encarada e muito, mas muito feia, entra nas Lojas Amaricanas com duas crianças.
O Gerente da Loja pergunta para a Mulher:
- São gêmeos?
A mulher, agora fazendo uma careta que faz com que fique ainda mais feia disse:
- [*****], o mais velho tem 9 e a mais nova tem 7. Porquê?...... Você realmente acha eles parecidos, seu [*****]?
No que diz o cara:
- Eu só não posso acreditar que você foi comida duas vezes.


10. Re: Quebrando o Gelo...3!!!

Paulo Ricardo Campello
xpaulinhox

(usa Ubuntu)

Enviado em 05/02/2009 - 10:47h

O PAULISTA:
Encontra a mulher com o outro na cama e vai fazer terapia. Pó meu, num tô entendendo.

O CARIOCA:
Encontra a mulher com o outro na cama, junta-se a eles e se diverte.

O MINEIRO
Encontra a mulher com o outro na cama, mata o homem e continua casado com a mulher, exatamente como manda a TFM, Tradicional Família Mineira.

O CATARINENSE
Encontra a mulher com o outro na cama e, ao contrário do mineiro, mata a mulher fica com o marmanjo só pra ele.

O CEARENSE:
Encontra a mulher com o outro na cama e, sendo o cabra da peste que é, mata os dois e arruma outra no dia seguinte.

O GOIANO
Encontra a mulher com o outro na cama, entra em depressão, pega a viola e vai para rua à procura de outro corno pra montar mais uma dupla sertaneja.

O BAIANO:
Encontra a mulher com o outro na cama, vai sentar na sala até que os dois terminem o que estão fazendo, pra ele poder dormir um pouco.

O BRASILIENSE:
Sempre que pega a mulher com outro na cama, de raiva vai para o
Congresso e inventa mais um imposto.

O CURITIBANO
Quando pega a mulher com outro na cama, não faz nada, pois curitibano
não
fala com estranhos.

O CUIABANO
Quando pega a mulher com outro na cama, agradece a Deus, pois vê que não é só ele que pega mulher feia.

O GAÚCHO
Mulher de gaúcho não vai pra cama com outro, porque está satisfeita com o homem que tem.
Mas ahhhh!!! galo véio!!

PS:é só uma piada, não se ofendam


11. Re: Quebrando o Gelo...3!!!

Paulo Ricardo Campello
xpaulinhox

(usa Ubuntu)

Enviado em 05/02/2009 - 10:51h

Numa faculdade de medicina, o professor diz:
-Os Médicos têm que aprender duas coisas importantes:
1º - Ter muita atenção;
2º - Nem um pouco de nojo.
-Por isso, vamos fazer um teste.
Trouxeram um cadáver e o professor enfiou o dedo no ânus do morto, lambeu e mandou todos fazerem o mesmo.
Todos se entreolharam, com cara de nojo, mas fizeram o mesmo.
Depois que todos lamberam o dedo, o professor disse:
- “Ótimo! Nojo vocês não têm. Agora só falta a atenção, pois eu enfiei um dedo e lambi o outro!”


12. No avião...

Eduardo Paim Silveira
eduardo

(usa Linux Mint)

Enviado em 05/02/2009 - 23:08h

A aeromoça oferece bebida a um gay que está sentado ao lado de uma freira dentro de um avião. O gay (chique, lógico) pede uísque escocês com gelo.
- A senhora aceita o mesmo que ele, irmã? - Pergunta a aeromoça à religiosa.
A freira fica indignada:
- Prefiro ser agarrada selvagemente e estuprada por um negão do Pelourinho, daqueles de dois metros de altura, do que botar uma gota desse álcool na boca!
O gay escuta e devolve o uísque à aeromoça dizendo:
- Desculpe! Eu não sabia que tinha essa outra opção. Também quero o negão!






Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts