Instalando fontes da Microsoft em distribuição RPM

Publicado por Luís Fernando C. Cavalheiro em 22/01/2013

[ Hits: 5.513 ]

Blog: https://github.com/lcavalheiro/

 


Instalando fontes da Microsoft em distribuição RPM



Prezados, aqui vai mais uma dica do dino turrão lcavalheiro para os usuários de distribuições RPM.

A dica de hoje fala sobre as fontes da Microsoft, aquelas que deixam a Internet com a "cara dela". Falo de Arial, Times New Roman e outras tantas que a gente vê por aí nos principais sites de hoje em dia.

Para os puristas, sinto muito, mas a família Liberation é feia que dói.

Nas Debian-like, tudo se resume a instalar um pacotinho chamado (normalmente) ttfmscorefonts, mas nas distribuições RPM não é tão simples assim. Graças ao projeto Core fonts, temos como chegar a um nível de facilidade parecido com esse aí.

Vamos começar com a instalação do que você vai precisar:

# yum install rpm-build* cabextract ttmkfdir wget

Após instalar tudo isso, e ainda como root, vamos baixar o spec para a criação do pacote ".rpm" necessário para a instalação:

# wget http://corefonts.sourceforge.net/msttcorefonts-2.5-1.spec

Obs.: Verifique, de vez em quando, o site do projeto para ver se houve atualizações no arquivo ".spec".

Após pegar o spec e ainda como root, para criar o pacote de instalação rode:

# rpmbuild -bb msttcorefonts-2.5-1.spec

Espere um pouco e depois disso, instale o pacote com o comando:

# yum install ~/rpmbuild/RPMS/noarch/msttcorefonts-2.5-1.noarch.rpm

Não importa a pasta em que você baixar o ".spec", o pacote sempre será criado no diretório rpmbuild no diretório de usuário do root (/root).

Depois disso, é correr pro abraço!

Outras dicas deste autor

Configurando o controle do Xbox no Fedora 21

Configurando Claws Mail para acessar sua conta do Gmail

Use o Vim no Slackware

Corrigir erro de DNS no NetworkManager

Fazendo o right-click do touchpad funcionar no GNOME

Leitura recomendada

Plugin Java no Banco do Brasil para Ubuntu 64 bits

Linux Mint 12: inicialização com mensagens

Criando pendrive para instalação do seu GNU/Linux

Debian 8 - Configurando setas do teclado para voltar/avançar seção de pastas

Telnet automático com LTSP 4.2

  

Comentários
[1] Comentário enviado por eldermarco em 22/01/2013 - 15:55h

É uma boa prática de empacotamento construir pacotes com privilégios de usuário comum e não de root. Afinal, se alguma coisa der errada (como um rm -rf em um lugar errado), o sistema inteiro não irá para o brejo. No mais, está tudo beleza! Essas fontes fazem bastante falta. Sem elas, as páginas da web ficam feias pra burro.

[2] Comentário enviado por lcavalheiro em 22/01/2013 - 16:42h

Infelizmente o rpm-build só roda como root, então nem tem como ;-)

[3] Comentário enviado por eldermarco em 22/01/2013 - 16:58h

Tu tentou rodar ele como usuário comum e deu algum erro? Se sim, poderia postar aqui?

[4] Comentário enviado por lcavalheiro em 22/01/2013 - 18:51h

Ele reclama que só podo rodar como root

[5] Comentário enviado por eldermarco em 22/01/2013 - 19:34h

Isso é estranho, já que vai contra as boas regras de empacotamento. Talvez seja necessário criar um ambiente para a criação de pacotes com o rpmdev-setuptree, mas não irei ir além disso, já que este não é esse o objetivo da dica. Eu só queria mesmo fazer uma observação. :)
Assim que me sobrar um tempo maior, irei tentar escrever uma dica ou artigo sobre a criação e reempacotamento de software para o fedora.

Ótima dica! =)

[6] Comentário enviado por pinduvoz em 22/01/2013 - 19:53h

No Debian temos o "fakeroot" para criar pacotes. Não tem algo parecido para rpm?

[7] Comentário enviado por lcavalheiro em 22/01/2013 - 19:57h

Eu também achei estranho, eldermarco, mas como no Slack você só cria pacote como root mesmo então eu não me melindrei. Valeu o aviso, vou procurar e qualquer coisa eu posto por aqui. Nas Debian-like tem o fakeroot, como o André lembrou, mas não sei o equivalente nas .rpm.

[8] Comentário enviado por eldermarco em 22/01/2013 - 20:34h

@pinduvoz,

Tem sim. O fakeroot é uma dependência para o pacote rpmdevtools, que contém várias ferramentas úteis para a criação e verificação de pacotes rpm criados. Mas o rpmbuild em si não necessita de privilégios de root, já que ele instala os arquivos do pacote num diretório onde o usuário possui privilégios de leitura e escrita (normalmente o diretório ~/rpmbuild/BUILDROOT, gerado pelo rpmdev-setuptree, que citei mais acima). Depois disso, ele seta as permissões de maneira adequada e gera o rpm a partir da árvore criada.


@lcavalheiro,

Pois é, assim que instalar o fedora 18 eu irei testar isso. Aqui no fedora 17 ele não dá esse erro. Por default, ele cria o diretório ~/rpmbuild e faz todo o serviço lá dentro. Sinistro... :)



Contribuir com comentário