Fontes da Microsoft no Slackware

Publicado por Luís Fernando C. Cavalheiro em 29/11/2013

[ Hits: 6.324 ]

Blog: https://github.com/lcavalheiro/

 


Fontes da Microsoft no Slackware



Pinks e slackers do Viva o Linux, aqui começa mais uma dica do Dino, trazendo pra negada informação tão íntegra quanto...

Hoje, nós vamos falar das fontes da Microsoft que conferem à Internet, aquele jeitão que a gente já conhece e sobre como instalá-las no Slackware.

Em outras distros, aquelas nas quais você vende a alma para algum demônio quebrador de instalações, em troca de um gerenciador de dependências, existe o pacote ttf-mscorefonts, que instala a bagaça toda.

No Slack, não é tão simples, mas não se aflija, não tema, pois você tem esta Dica do Dino.

Então, dê uma baforada firme no seu cachimbo, ofereça a fumaça em tributo a "Bob" Dobbs (ou Stephen Colbert, aquele apresentador do Comedy Central), e vamos nós!

O único passo: um Comando para a todos dominar / um Comando para encontrá-los / um Comando para a todos trazer / e no Slack Original redimi-los / na terra do Slackware / onde as coisas funcionam" (parodiado de Tolkien? Jamais...)

Tão trivial, que dá pena só de pensar que existem slackers que precisem disso...

# lftp -c "open http://slackbuilds.org ; mirror slackbuilds/14.0/system/webcore-fonts" && cd webcore-fonts && chmod +x webcore-fonts.SlackBuild && . webcore-fonts.info && wget ${DOWNLOAD} && ./webcore-fonts.SlackBuild && installpkg /tmp/webcore-fonts-*.tgz && rm -rf /etc/fonts/conf.d/60-liberation.conf

Remover o arquivo /etc/fonts/conf.d/60-liberation.conf é necessário, porque ali contém instruções para usar a família Liberation para simular as fontes da MS.

E como eu disse uma vez antes, a família Liberation é feia que dói!


Concluindo: com tudo pronto, reinicie o computador e seja feliz com mais essa Dica do Dino, ajudando a humanidade desde o tempo que o Slack Original ainda era possuído por todos!

Outras dicas deste autor

Armazene seus arquivos na nuvem com o pCloud - com direito a 50GB de espaço vitalício!

Oneko: tenha um gato na tela do seu computador

Removendo os daemons do Evolution e do Tracker (o indexador de arquivos) da inicialização automática do GNOME 3.x

Criando o comando grub-update no Fedora

Recuperando inicialização do Slackware após atualização do kernel via slackpkg

Leitura recomendada

Configurando corretamente o driver Intel em seu xorg.conf

Netflix no Funtoo

Usando udev alternativo no Slackware 11

Menu do OpenSuSE no Arch Linux

Indicador de NumLock e CapsLock no painel do Linux Mint (Cinnamon)

  

Comentários
[1] Comentário enviado por removido em 29/11/2013 - 02:41h

Luíz, pare de me dar trabalho! Não tive ideia sobre o que colocar após o: quanto...

rsrs
-------

E não é que ficou legal as fontes do Bill no meu Slack!

[2] Comentário enviado por lcavalheiro em 29/11/2013 - 11:52h


[1] Comentário enviado por izaias em 29/11/2013 - 02:41h:

Luíz, pare de me dar trabalho! Não tive ideia sobre o que colocar após o: quanto...

rsrs
-------

E não é que ficou legal as fontes do Bill no meu Slack!


Coloca "a honestidade do pastor Waldomiro". Quanto preconceito com as mocinhas profissionais do entretenimento adulto ;-)

Cara, quanto às fontes é o que eu sempre falo: a família Liberation é feia que dói!

[3] Comentário enviado por removido em 29/11/2013 - 12:04h

O que atrapalha mesmo nas fontes, é o desconforto visual.
Temos que ler sem dificuldade, principalmente se ficamos horas diante do monitor.

[4] Comentário enviado por lcavalheiro em 29/11/2013 - 12:38h


[3] Comentário enviado por izaias em 29/11/2013 - 12:04h:

O que atrapalha mesmo nas fontes, é o desconforto visual.
Temos que ler sem dificuldade, principalmente se ficamos horas diante do monitor.


Exatamente. A família Liberation é estranha, esquisita e não renderiza bem. Logo, não serve pra mim.



Contribuir com comentário