Fontes da Microsoft no Slackware

Publicado por Luís Fernando C. Cavalheiro em 29/11/2013

[ Hits: 5.854 ]

Blog: https://github.com/lcavalheiro/

 


Fontes da Microsoft no Slackware



Pinks e slackers do Viva o Linux, aqui começa mais uma dica do Dino, trazendo pra negada informação tão íntegra quanto...

Hoje, nós vamos falar das fontes da Microsoft que conferem à Internet, aquele jeitão que a gente já conhece e sobre como instalá-las no Slackware.

Em outras distros, aquelas nas quais você vende a alma para algum demônio quebrador de instalações, em troca de um gerenciador de dependências, existe o pacote ttf-mscorefonts, que instala a bagaça toda.

No Slack, não é tão simples, mas não se aflija, não tema, pois você tem esta Dica do Dino.

Então, dê uma baforada firme no seu cachimbo, ofereça a fumaça em tributo a "Bob" Dobbs (ou Stephen Colbert, aquele apresentador do Comedy Central), e vamos nós!

O único passo: um Comando para a todos dominar / um Comando para encontrá-los / um Comando para a todos trazer / e no Slack Original redimi-los / na terra do Slackware / onde as coisas funcionam" (parodiado de Tolkien? Jamais...)

Tão trivial, que dá pena só de pensar que existem slackers que precisem disso...

# lftp -c "open http://slackbuilds.org ; mirror slackbuilds/14.0/system/webcore-fonts" && cd webcore-fonts && chmod +x webcore-fonts.SlackBuild && . webcore-fonts.info && wget ${DOWNLOAD} && ./webcore-fonts.SlackBuild && installpkg /tmp/webcore-fonts-*.tgz && rm -rf /etc/fonts/conf.d/60-liberation.conf

Remover o arquivo /etc/fonts/conf.d/60-liberation.conf é necessário, porque ali contém instruções para usar a família Liberation para simular as fontes da MS.

E como eu disse uma vez antes, a família Liberation é feia que dói!


Concluindo: com tudo pronto, reinicie o computador e seja feliz com mais essa Dica do Dino, ajudando a humanidade desde o tempo que o Slack Original ainda era possuído por todos!

Outras dicas deste autor

Lightspark, o plugin Flash livre - instalação e configuração em Debian-like

Instalação do VLC no openSUSE Tumbleweed usando o repositório da VideoLAN

Convertendo em massa "end-of-line" de arquivos de texto entre Windows, GNU/Linux e Mac OS

Subliminal: buscando legendas via terminal

VLC no openSUSE 13.2

Leitura recomendada

Ubuntu em Computadores Positivo

Ativando as funcionalidades do gerenciador de janelas Compiz no Linux Mint com ambiente gráfico Mate

Modificando encoding de UTF-8 para ISO-8859-1 (Debian e derivados)

Ubuntu 7.10 com aparência de MacOsX

Aplicativos Flatpak no Dmenu

  

Comentários
[1] Comentário enviado por removido em 29/11/2013 - 02:41h

Luíz, pare de me dar trabalho! Não tive ideia sobre o que colocar após o: quanto...

rsrs
-------

E não é que ficou legal as fontes do Bill no meu Slack!

[2] Comentário enviado por lcavalheiro em 29/11/2013 - 11:52h


[1] Comentário enviado por izaias em 29/11/2013 - 02:41h:

Luíz, pare de me dar trabalho! Não tive ideia sobre o que colocar após o: quanto...

rsrs
-------

E não é que ficou legal as fontes do Bill no meu Slack!


Coloca "a honestidade do pastor Waldomiro". Quanto preconceito com as mocinhas profissionais do entretenimento adulto ;-)

Cara, quanto às fontes é o que eu sempre falo: a família Liberation é feia que dói!

[3] Comentário enviado por removido em 29/11/2013 - 12:04h

O que atrapalha mesmo nas fontes, é o desconforto visual.
Temos que ler sem dificuldade, principalmente se ficamos horas diante do monitor.

[4] Comentário enviado por lcavalheiro em 29/11/2013 - 12:38h


[3] Comentário enviado por izaias em 29/11/2013 - 12:04h:

O que atrapalha mesmo nas fontes, é o desconforto visual.
Temos que ler sem dificuldade, principalmente se ficamos horas diante do monitor.


Exatamente. A família Liberation é estranha, esquisita e não renderiza bem. Logo, não serve pra mim.



Contribuir com comentário