Bug de áudio - Pulseaudio [Resolvido]

Publicado por Andre (pinduvoz) em 07/11/2017

[ Hits: 11.749 ]

Blog: http://casadopinduvoz.wordpress.com/

 


Bug de áudio - Pulseaudio [Resolvido]



O bug em questão me pegou no Ubuntu 17.10 e no atual Debian estável, que instalei após desistir do Ubuntu. Isso porque a solução até pode ser encontrada com uma boa pesquisa, mas o problema é que o bug retorna (e ainda não descobri o porquê).

Após muita pesquisa, uma instalação do Ubuntu e duas do Debian (mudei de DE para ver se resolvia), descobri por tentativa e erro que a solução inicia com executar:

sudo apt-get install --reinstall linux-image-`uname -r`
$ sudo modprobe snd-hda-intel
$ rm -r ~/.config/pulse*
$ pulseaudio -k


E o que esses comandos fazem? Como "root/sudo" (Ubuntu), o primeiro reinstala o kernel e o segundo sobe o módulo correto do som; como usuário comum, o terceiro remove a configuração do pulse e o quarto reinicia esse mesmo programa.

Os comandos acima servem para o Ubuntu (sudo). Com o Debian, onde não há "sudo" por padrão (nada impede que você o configure como no Ubuntu), é preciso executar como "root" os dois primeiros, via "su", e como usuário comum os dois últimos (daí o "exit").

su
(senha do root)
# apt-get install --reinstall linux-image-`uname -r`
# modprobe snd-hda-intel
# exit
$ rm -r ~/.config/pulse*
$ pulseaudio -k


Após isso reinicie e veja se você já tem som (lembre-se de verificar os volumes com o "alsamixer", que você pode rodar no terminal).

Se você tiver som, vai precisar usar um truque para não perdê-lo em novo boot (o bug é chato e volta do nada). Essa foi a parte da "tentativa e erro".

O que resolveu de vez o problema para mim foi travar os arquivos de configuração do pulse, via retirada da permissão de escrita de três arquivos na "minha" pasta de usuário, ou seja, em "~/.config/pulse". Isso pode ser feito graficamente, como na imagem abaixo, via clique direito do mouse no arquivo a alterar e escolha da opção "propriedades". Basta deixar as três opções em "permissões" como "apenas leitura". Quem sabe fazer isso pelo terminal pode ficar à vontade para utiliza-lo.
Linux: Bug de áudio
E os três arquivos que devem ser alterados são os que têm a etiqueta do cadeado na imagem abaixo, ou seja, os que terminam com "default-sink", "default-source" e "card-database.tdb".

Espero ter ajudado.

P.S.: lembre-se de escolher a opção necessária para ver os arquivos ocultos na sua pasta de usuário.

Outras dicas deste autor

Gosta de temas? Então veja isso

Corrigindo Funcionamento do Ícone do Dropbox (acertando atributos e permissões)

Instalar DockBarX no Debian

Novo Greybird para Xfce

Indeciso entre o Fedora e o Ubuntu? Teste o Fuduntu

Leitura recomendada

Chrome Extensions: Arch Linux Package Search

Produção de audio profissional no GNU/Linux

Instalando ou atualizando vários reprodutores de mídia no Gentoo Linux ou Sabayon

Tilda - Console semelhante aos de jogos em primeira pessoa

Clone do RHEL 6.4 já disponível

  

Comentários
[1] Comentário enviado por albfneto em 07/11/2017 - 22:00h

Dica interessante, favoritei, caso necessária.
o PulseAudio está melhor mais ainda prega peças.
Legal que está de volta, Pinduvoz!
¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
Albfneto,
Ribeirão Preto, S.P., Brasil.
Usuário Linux, Linux Counter: #479903.
Distros Favoritas: [i] Sabayon, Gentoo, OpenSUSE, Mageia e OpenMandriva[/i].

[2] Comentário enviado por pinduvoz em 07/11/2017 - 22:34h

O meu problema com o pulseaudio deve estar relacionado ao fato de que nenhum Linux reconhece meu monitor. É um Samsung full hd que quebrou na garantia e retornou da AT com o problema de não ser reconhecido, nem mesmo pelo Windows.

Sou obrigado a usar um xorg.conf ou o xrandr (melhor a primeira opção), e acho que isso leva a esse bug da saída de som por conta do HDMI. E eu nem tenho HDMI.

[3] Comentário enviado por jaucity em 06/10/2018 - 14:20h

Deu certo aqui. Valeu!

[4] Comentário enviado por invernosantigos em 27/02/2021 - 14:20h

Tinha que ser dica do Pinduvoz, com a eficiência e confiabilidade de sempre, mas dessa vez, tem uma falhinha, e não é do pulseaudio : A idéia de travar os arquivos como apenas leitura não funciona nas versões atuais ( 20 ) do Ubuntu, Mint e Elementary; ou qualquer distro-e-versão baseada em Ubuntu 18 para cima. Isso, ou porque os arquivos atuais de configuração do pulseaudio são dinâmicos ( o sistema os usa apenas para configurar a próxima inicialização, mas aí, na inicialização do aúdio do sistema, os sobrescreve às vezes ), ou talvez seja porque a pasta home é notoriamente intolerante a permissões que não sejam 644, não sei ao certo, mas se mudar as permissões dos arquivos de configuração do diretório config, principalmente da pasta .pulse, o pulse pode não iniciar na próxima inicialização. Eu mesmo testei, já que eu imaginava pela minha experiência ( já tentei isso antes, em outros anos ) que não ía dar certo, mas era uma dica do Pinduvoz, que nunca vi errar, e não custava tentar mesmo. Bom, não é que falhou mesmo ? Em outros tempos, se o pulse não conseguisse acessar suas configurações na pasta pulse, ele simplesmente criava arquivos novos, como faz com o dmrc, quando você não está com azar... Só que ele não faz mais isso. Mas eu achei uma solução melhor até que a do Pinduvoz ( sobre travar os arquivos tirando permissões de escrita ) que é travar eles com o chmod -s ( sudo chmod -s ). Para quem não conhece, o chmod impede a mudança das permissões de um arquivo, e boa parte das pastas de sistema ( usr, bin, essa galera... ), e as de configuração na Home, estão protegidas contra alterações pelo chmd. Todo usuário veterano sabe isso, mas o que poucos conhecem é o atributo -s do chmod, que não altera nenhuma das permissões preexistentes, mas impede a reescrita dos arquivos protegidos de forma peculiar : Você tem permissão de escrita normal, mas não pode alterar o arquivo original, então se voce rescrevê-lo, o sistema cria outro arquivo com o mesmo nome, e renomeia o original como ~/file ( ele fica com um ícone amarelo de reciclagem ). Isso garante que reescrever o arquivo original não corrompa as suas suadas configurações de restauro do pulse ( que continua uma caca instável, como sempre e pra sempre ), e permite que o sistema possa utilizá-las como está programado para fazer, sem improvisos. O único problema é que com o tempo pode acumular-se vários arquivos reescritos, mas é só apagar os que não sejam os originais. Agora, cá entre nós, essa bagunça é culpa do desleixo dos desenvolvedores, que deviam usar arquivos de confile ( .cfg ), isto é, aqueles arquivos de configuração que configuram outros arquivos de configuração ( como o grub.cfg ). Se tivesse confile para gerenciar os arquivos de configuração que o Pinduvoz mencionou, teríamos bem menos instabilidades no pulse. Em tempo : pela minha experiência de quem já apanhou muito do pulse audio, as falhas do pulse em geral ou são badblocks no disco, ou falha de permissão da pasta ( as permissões de arquivos no Linux continuam ruins e são historicamente instáveis. Creio que enquanto não usarmos um pseudosistema de arquivos tipo proc e sys para administrar as permissões, o Linux vai continuar com muitas instabilidades )



Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts