google-drive-ocamlfuse - Monte seu Google Drive usando o FUSE

Este artigo ensina como instalar e configurar o google-drive-ocamlfuse, uma alternativa não-oficial ao inexistente cliente do Google Drive para GNU/Linux.

[ Hits: 33.321 ]

Por: Luís Fernando C. Cavalheiro em 16/09/2013 | Blog: https://github.com/lcavalheiro/


Introdução



Alô, garotada.

Aqui começa mais um artigo do Dino, trazendo uma informação tão fresquinha quanto o meu bom senso para vocês. No cardápio de hoje, temos a velha discussão da inexistência de um cliente oficial do Google Drive para GNU/Linux.

Particularmente, eu não uso esse serviço de sincronização de arquivos - afinal de contas, quando Google e PRISM andam de mãos dadas por aí, é meio complicado confiar nesse serviço para armazenar suas coisas pessoais - mas, confesso que não admito que a gigante do mundo das pesquisas e da intromissão na vida alheia, não trate os usuários do sistema do RMS e do Sr. Torvalds mais a sério.

Existem alternativas não-oficiais para resolver o problema. Porém, o Insync é pago e o GDrive parece ter sido abandonado por seus desenvolvedores - além de ser um aplicativo apenas para a linha de comando, o que intimida muito ubuntero por aí.

Pesquisando, o Dino aqui esbarrou em uma coisinha que pode ser de alguma utilidade, e é sobre isso que nós vamos falar hoje. Pegue um papel e caneta e anote aí a receita, nós vamos instalar o google-drive-ocamlfuse, e montar seu Google Drive usando o FUSE!

Este artigo foi desenvolvido tendo em mente o Debian 7.1 64 bits, com base nas diretrizes encontradas na Wiki do google-drive-ocamlfuse:
É claro que esta joça deve funcionar para outras distribuições, mas os detalhes necessários para esse nível de gambiarra, ficam a cargo da inteligência dos senhores.

    Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Instalando as dependências
   3. Instalar e configurar o google-drive-ocamlfuse
Outros artigos deste autor

Narrando sessões de RPG de mesa online usando droll e IRC

Menu de Aplicativos do Window Maker

Empacotando Cliente Copy no Slackware - Como ganhar 20 GB de armazenamento em nuvem

Window Maker 0.95.4 no Debian Testing - Instalação, configuração e dicas

Guia pós-instalação do Slackware - edição 2013

Leitura recomendada

Configurando o monitor no SuSE 10.1

Instalando e configurando cartão PCMCIA da Senao SL-2511CD com adaptador no Slackware 11.0

MikroTik + Squid 2.6 com cache full

Configurando a Sony Cybershot DSC-W1

Modem PCTEL AMR PCI no Slackware 10.1

  
Comentários
[1] Comentário enviado por JJSantos em 16/09/2013 - 08:23h

Gostei demais.
Luis não precisa parecer turrão.
Dino, me remete ao godzilla, pelo que me lembro o Sr está mais próximo do Alien.

[2] Comentário enviado por erickbarros311 em 16/09/2013 - 10:58h

Ótimo post Luis. Agora tem um ppa no Git de Alessandro Strada que mostra mais uma alternativa para nós a galera do Pinguim montar o seu precioso Drive.

adicione o ppa:alessandro-strada/ppa

apt-get update

apt-get install google-drive-ocamlfuse

depois de instalado

no terminal digita: google-drive-ocamlfuse (vai aparecer uma aba no chrome pedindo autorização)

depois google-drive-ocamlfuse /home/usuario/aPastaQueSeraODrive

[]s

[3] Comentário enviado por lcavalheiro em 16/09/2013 - 12:05h

Em primeiro lugar, obrigado pelos elogios, galera. Erick, a proposta era mostrar como fazer sem PPA porque: 1) eu não uso PPAs em meu sistema; 2) uma distro que não seja Debian-like não vai ter um PPA, e ao fazer "à moda antiga" a galera das outras distros acabam tendo pelo menos uma idéia do que precisarão fazer.

[4] Comentário enviado por px em 16/09/2013 - 19:09h


[3] Comentário enviado por lcavalheiro em 16/09/2013 - 12:05h:

Em primeiro lugar, obrigado pelos elogios, galera. Erick, a proposta era mostrar como fazer sem PPA porque: 1) eu não uso PPAs em meu sistema; 2) uma distro que não seja Debian-like não vai ter um PPA, e ao fazer "à moda antiga" a galera das outras distros acabam tendo pelo menos uma idéia do que precisarão fazer.


Belo artigo, e parabéns por não usar os PPAs, como você mesmo disse, isso é coisa pra ubuntero!

[5] Comentário enviado por izaias em 16/09/2013 - 20:33h

E daí se ubuntero usa PPA? Gosta de PPA? Ama PPA? Ke ki vocês tem com o "sources.list" dos otros?
----

E depois que invadiram o Kernel.org, fiquei ressabiado com esse negócio de PPAs.
Tá certo, encurta caminhos e facilita updates, mas não são totalmenrte confiáveis.
E fora o upgrade, que estraga tudo se não forem desabilitados.

Gostei do método, Luís.
Mais uma que aprendemos com você.
-------------


Mas essa eu não poderia deixar passar: como pôde dar o nome de Gatanás à sua gatinha? Coitadinha! rs
É aquela do seu blog?

[6] Comentário enviado por lcavalheiro em 17/09/2013 - 00:23h

Gatanás é ela mesma, Izaías. Ela ganhou esse nome por acaso. Eu fiquei uns três dias pensando em um nome pra ela, sem conseguir me decidir e coisa e tal, até o momento em que eu a encontro sentada em cima do meu altar aqui de casa. Na mesma hora veio o nome, e assim ficou ;-)

[7] Comentário enviado por xerxeslins em 18/09/2013 - 11:13h

Interessante!

e seu avatar poderia alternar entre o logo do slack e a cabeça de um tiranossauro que iria combinar! uahuaha


[8] Comentário enviado por lcavalheiro em 18/09/2013 - 11:19h


[7] Comentário enviado por xerxeslins em 18/09/2013 - 11:13h:

Interessante!

e seu avatar poderia alternar entre o logo do slack e a cabeça de um tiranossauro que iria combinar! uahuaha



É uma idéia... Coisas pra serem feitas no fim de semana ;-)

[9] Comentário enviado por fpc em 09/04/2014 - 00:09h

Muito bom. Vou experimentar a dica! Valeu!

Essa coisa das PPAs e tal... penso assim: O melhor do Linux é essa liberdade de escolha e de seus muitos sabores. Já usei várias distribuições, testei pelo menos a principais. Vejo como opção de uso para mim hoje: Slackware, Redhat Clone, Debian e Ubuntu LTS. O Ubuntu LTS é o que eu ofereço como desktop a meus usuários, acho realmente o melhor para esse fim, é pratico, atraente e suficientemente estável.
Pretendo por exemplo usar o VM server da Oracle, baseado no Oracle Linux (Redhat clone) para uma aplicação que necessito. Enfim, para cada necessidade, uso uma distro que acho mais adequada à necessidade. Bom, uso sim o Slackware como meu desktop além do uso em servers, mas é algo que já não "funcionaria" como desktop para meus usuários.
Só não fujo dessas distros. Usei OpenSuse por um bom tempo e atendeu bem, mas não vejo nele um bom atrativo atualmente para incluir em minhas preferências, talvez fosse opção se não existisse o Ubuntu, para uso em servers prefiro Debian/Redhat por exemplo, caso não consiga obviamente resolver com o Slackware. Então o OpenSuse saiu de minhas preferências, mas acho uma boa distro tb.

Só uso as versões "stable". Simplesmente me atendem em tudo. E nem considero as derivativas. Enfim, muito boa a brincadeira do Dino! ;)

[10] Comentário enviado por lcavalheiro em 11/06/2015 - 17:24h

Atualização: o OPAM não precisa ser compilado mais, ele existe como pacote no Jessie.
--
Luís Fernando Carvalho Cavalheiro
Public GPG signature: 0x246A590B
Só Slackware é GNU/Linux e Patrick Volkerding é o seu Profeta

[11] Comentário enviado por myllaexandy em 29/07/2018 - 15:36h

Isso ainda funciona? Tentei seguir esse artigo mas já no primeiro comando obtive um erro.
Esse erro ~$ apt-get install ocaml ocaml-mode libcurl3-gnutls libfuse2
E: Não foi possível abrir arquivo de trava /var/lib/dpkg/lock - open (13: Permissão negada)
E: Não foi possível criar acesso exclusivo ao directório de administração (/var/lib/dpkg/), é root?

[12] Comentário enviado por xerxeslins em 30/07/2018 - 14:05h


[11] Comentário enviado por myllaexandy em 29/07/2018 - 15:36h

Isso ainda funciona? Tentei seguir esse artigo mas já no primeiro comando obtive um erro.
Esse erro ~$ apt-get install ocaml ocaml-mode libcurl3-gnutls libfuse2
E: Não foi possível abrir arquivo de trava /var/lib/dpkg/lock - open (13: Permissão negada)
E: Não foi possível criar acesso exclusivo ao directório de administração (/var/lib/dpkg/), é root?


Leia a mensagem de erro.
Permissão negada, é root?
Os comandos mostrados precisam ser executados como root.
Sempre que uma linha começar com "#" significa que tem que ser executado como root.



Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts