Uma breve introdução ao Hydrogen

Uma das dificuldades (entre muitas) na hora de criar um CD é a gravação da bateria. Ela por si só já é uma dor de cabeça para o técnico que fará a mixagem. O ambiente, os microfones e muitos outros fatores podem causar um atraso ou mesmo tornar o trabalho final inadequado. Neste artigo teremos nosso primeiro contato com o Hydrogen, um interessante sequenciador de baterias.

[ Hits: 31.629 ]

Por: hermes nunes pereira junior em 21/08/2008


Introdução



Uma alternativa viável para pequenos estúdios e até mesmo para apresentações de bandas é usar um sequenciador de bateria que fará as vezes da dita cuja no momento da gravação. Posteriormente, nas apresentações ao vivo, o sequenciador pode ser posto de lado e a bateria acústica ser tocada pelo baterista da banda, mas nada impede de ter ambos, acústico e sequenciador numa apresentação ao vivo (trataremos disto em um próximo artigo).

Existem inúmeros teclados que tem dentre seus recursos a bateria eletrônica. Normalmente são baterias já pré-configuradas que são compostas por um path (caixa, bumbo, chimbal, prato) e uma ou mais "viradas" (tom-tons e pratos de corte). Todo mundo já viu aqueles célebres "fulano e seus teclados" não é mesmo? Um teclado normalmente Yamaha, da linha PSR, usando um destes presets de bateria mais um baixo, também automático e um som para fazer o solo da música. Só de pensar nisso me dá arrepios.

Os sequenciadores de bateria são mais maleáveis que os usados nestes teclados, pois é possível criar um path e, a qualquer momento da música, inserir algum jogo de peças, contra tempos, cortes, muito além daquele tá-tum-tum que normalmente acompanha a marcação da música.

Um bom sequenciador de baterias que tem recursos suficientes para compor uma boa base é o Hydrogen. Nesta série de artigos estudaremos seus recursos para se fazer um bom sequenciamento de bateria.

Conhecendo sua interface

A primeira impressão que se tem do Hydrogen é que a interface é enxuta demais, apenas três itens no menu. Observe a imagem abaixo:
Uma breve introdução ao Hydrogen
Realmente enxuta não é mesmo? Isto acontece porque o Hydrogen coloca as opções e recursos dentro de cada uma das janelas. Ao invés de fazer como o Audacity, que mostra todos os recursos disponíveis, habilitando ou não de acordo com o contexto, no Hydrogen cada janela terá suas próprias funções associadas. Portanto, como diria chapolim colorado: "não priemos cânico".

Eu diria que a parte mais importante do Hydrogen está no item de menu "Exibir". Neste item estão todas as janelas disponíveis, cada uma com suas funções e recursos.
Uma breve introdução ao Hydrogen
Na parte inferior da interface, observe o conjunto de controles. Eles são os controles básicos do Hydrogen.
Uma breve introdução ao Hydrogen
Sua função é:
  1. Marcar o tempo decorrido da sequência;
  2. Inicia, avança a execução da sequência;
  3. Intercala o modo de execução entre modo padrão e modo música; (veremos suas características adiante)
  4. Velocidade do compasso/bateria. É marcado em BPM (Batimentos por minuto). É neste controle que fazemos a sequência mais rápida ou mais lenta;
  5. Conexões do Hydrogen com sistemas de áudio, o jack e o MIDI; (veremos estes sistemas em artigos posteriores).

No item de menu Exibir, como visto anteriormente, temos então as janelas que efetivamente nos darão a interação com o programa. Vamos conhecê-las.

    Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Conhecendo os recursos do Hydrogen
   3. Mais recursos do Hydrogen
Outros artigos deste autor

Criando um mirror do Conectiva para uma rede interna

O fantástico mundo dos instrumentos MIDI (parte 1)

Usando o NIS/NFS como ferramentas de centralização de controle de rede

Arduino - Uma plataforma open source para desenvolvimento de eletrônica

Instalação e configuração do LTSP 5 no Ubuntu 11.04

Leitura recomendada

Mono - Por que usá-lo?

SoulSeek para Linux

DNS BIND para integração em domínios AD (com Windows Active Directory ou Samba)

SMART Package Manager

GNOME 3 no Slackware 14 com dropline GNOME

  
Comentários
[1] Comentário enviado por eduardo em 21/08/2008 - 13:55h

Muito bom o seu artigo cara. Estou gostando dos seu artigos sobre programas de estúdio. Será de grande valia os seus artigos para mim, que sou músico.

Parabéns.

Abrçs

[2] Comentário enviado por diegofsouza em 22/08/2008 - 08:23h

Um ótimo programa pra músicos... vlw mesmo!

[3] Comentário enviado por eduardo em 22/08/2008 - 08:53h

Estava vendo seus artigos no GNU-lia. Muito bons. Pelo visto esse hydrogen é o terror dos bateras ehehe Mas um programa nunca vai nos substituir. Mas é bom. Principalmente para fazer arranjos.

Já vi um programa para Mac, só não lembro o nome. É parecido. Você pode escolher vários tipos de kits, mas ele aparece a imgame do kit e você pode "tocar" nas peças para ver se o som corresponde. Uns amigos meus gravaram uma música com isso. Nem parece que é bateria eletrônica. Eu só percebi porque sou baterista, e vi que o som da caixa estava muito perfeito. Fora que estava certinho no tempo.

[4] Comentário enviado por dailson em 25/08/2008 - 10:26h

Parabéns meu amigo! Muito bom!
Sucesso nos seus artigos...

[5] Comentário enviado por grandmaster em 25/08/2008 - 20:49h

Interessante :D Curto também música e vai entrar para minha lista de softwares :D

Renato de Castro Henriques
CobiT Foundation 4.1 Certified ID: 90391725
http://www.renato.henriques.nom.br

[6] Comentário enviado por rogerio_gentil em 11/07/2011 - 13:37h

Boa introdução... Parabéns pela iniciativa!


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts