Uma breve introdução ao Hydrogen

Uma das dificuldades (entre muitas) na hora de criar um CD é a gravação da bateria. Ela por si só já é uma dor de cabeça para o técnico que fará a mixagem. O ambiente, os microfones e muitos outros fatores podem causar um atraso ou mesmo tornar o trabalho final inadequado. Neste artigo teremos nosso primeiro contato com o Hydrogen, um interessante sequenciador de baterias.

[ Hits: 30.780 ]

Por: hermes nunes pereira junior em 21/08/2008


Introdução



Uma alternativa viável para pequenos estúdios e até mesmo para apresentações de bandas é usar um sequenciador de bateria que fará as vezes da dita cuja no momento da gravação. Posteriormente, nas apresentações ao vivo, o sequenciador pode ser posto de lado e a bateria acústica ser tocada pelo baterista da banda, mas nada impede de ter ambos, acústico e sequenciador numa apresentação ao vivo (trataremos disto em um próximo artigo).

Existem inúmeros teclados que tem dentre seus recursos a bateria eletrônica. Normalmente são baterias já pré-configuradas que são compostas por um path (caixa, bumbo, chimbal, prato) e uma ou mais "viradas" (tom-tons e pratos de corte). Todo mundo já viu aqueles célebres "fulano e seus teclados" não é mesmo? Um teclado normalmente Yamaha, da linha PSR, usando um destes presets de bateria mais um baixo, também automático e um som para fazer o solo da música. Só de pensar nisso me dá arrepios.

Os sequenciadores de bateria são mais maleáveis que os usados nestes teclados, pois é possível criar um path e, a qualquer momento da música, inserir algum jogo de peças, contra tempos, cortes, muito além daquele tá-tum-tum que normalmente acompanha a marcação da música.

Um bom sequenciador de baterias que tem recursos suficientes para compor uma boa base é o Hydrogen. Nesta série de artigos estudaremos seus recursos para se fazer um bom sequenciamento de bateria.

Conhecendo sua interface

A primeira impressão que se tem do Hydrogen é que a interface é enxuta demais, apenas três itens no menu. Observe a imagem abaixo:
Uma breve introdução ao Hydrogen
Realmente enxuta não é mesmo? Isto acontece porque o Hydrogen coloca as opções e recursos dentro de cada uma das janelas. Ao invés de fazer como o Audacity, que mostra todos os recursos disponíveis, habilitando ou não de acordo com o contexto, no Hydrogen cada janela terá suas próprias funções associadas. Portanto, como diria chapolim colorado: "não priemos cânico".

Eu diria que a parte mais importante do Hydrogen está no item de menu "Exibir". Neste item estão todas as janelas disponíveis, cada uma com suas funções e recursos.
Uma breve introdução ao Hydrogen
Na parte inferior da interface, observe o conjunto de controles. Eles são os controles básicos do Hydrogen.
Uma breve introdução ao Hydrogen
Sua função é:
  1. Marcar o tempo decorrido da sequência;
  2. Inicia, avança a execução da sequência;
  3. Intercala o modo de execução entre modo padrão e modo música; (veremos suas características adiante)
  4. Velocidade do compasso/bateria. É marcado em BPM (Batimentos por minuto). É neste controle que fazemos a sequência mais rápida ou mais lenta;
  5. Conexões do Hydrogen com sistemas de áudio, o jack e o MIDI; (veremos estes sistemas em artigos posteriores).

No item de menu Exibir, como visto anteriormente, temos então as janelas que efetivamente nos darão a interação com o programa. Vamos conhecê-las.

    Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Conhecendo os recursos do Hydrogen
   3. Mais recursos do Hydrogen
Outros artigos deste autor

Instalando e configurando um sistema RAID 1 no Debian Lenny

Usando o Linux como um studio de gravação (parte 1)

Criando um mirror do Conectiva para uma rede interna

Uma breve introdução ao Audacity

Usando o NIS/NFS como ferramentas de centralização de controle de rede

Leitura recomendada

O fantástico mundo dos instrumentos MIDI (parte 1)

Kshutdown e suas funções

Instalação do Software de Monitoramento Zabbix

Criação de DVDs com o videotrans

DSpace no Ubuntu 12.04 - Instalação via Banco de Dados Oracle 11g

  
Comentários
[1] Comentário enviado por eduardo em 21/08/2008 - 13:55h

Muito bom o seu artigo cara. Estou gostando dos seu artigos sobre programas de estúdio. Será de grande valia os seus artigos para mim, que sou músico.

Parabéns.

Abrçs

[2] Comentário enviado por diegofsouza em 22/08/2008 - 08:23h

Um ótimo programa pra músicos... vlw mesmo!

[3] Comentário enviado por eduardo em 22/08/2008 - 08:53h

Estava vendo seus artigos no GNU-lia. Muito bons. Pelo visto esse hydrogen é o terror dos bateras ehehe Mas um programa nunca vai nos substituir. Mas é bom. Principalmente para fazer arranjos.

Já vi um programa para Mac, só não lembro o nome. É parecido. Você pode escolher vários tipos de kits, mas ele aparece a imgame do kit e você pode "tocar" nas peças para ver se o som corresponde. Uns amigos meus gravaram uma música com isso. Nem parece que é bateria eletrônica. Eu só percebi porque sou baterista, e vi que o som da caixa estava muito perfeito. Fora que estava certinho no tempo.

[4] Comentário enviado por dailson em 25/08/2008 - 10:26h

Parabéns meu amigo! Muito bom!
Sucesso nos seus artigos...

[5] Comentário enviado por grandmaster em 25/08/2008 - 20:49h

Interessante :D Curto também música e vai entrar para minha lista de softwares :D

Renato de Castro Henriques
CobiT Foundation 4.1 Certified ID: 90391725
http://www.renato.henriques.nom.br

[6] Comentário enviado por rogerio_gentil em 11/07/2011 - 13:37h

Boa introdução... Parabéns pela iniciativa!


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts