Questão de LPIC - Manipulação de dispositivos

Este artigo tem como objetivo orientar aos mais novos Pingüins (iniciantes em GNU/LINUX), de forma simples, como manipular e acessar seus dados em disquetes, discos de CD-ROM/DVD-ROM, discos rígidos, pendrives, dispositivos USB e partições DOS, NTFS e do próprio GNU/Linux. Alguns trechos deste artigo podem ser cobrados na prova da LPIC I.

[ Hits: 29.767 ]

Por: Arlindo Martins Corrêa em 30/01/2008 | Blog: http://aprendizagemlpi.blogspot.com/


Acessando os dispositivos de armazenamento



Para que o sistema operacional GNU/LINUX apresente os dados contidos nos dispositivos (disquete, cd, hd, pendrive, etc.) de forma legível, é necessário solicitar ao sistema um processo de tradução chamado montagem de dispositivos. Para montarmos um dispositivo e acessá-lo precisamos de um ponto de montagem que pode ser qualquer diretório, porem, existem algumas convenções:

Dispositivos removíveis devem ser montados em /media (em outras épocas em /mnt).

Ex:

Uma unidade de cd, representado por /dev/hdX ou /dev/cdrom, pode ser montado em:

/media/cdrom

Um leitor de disquetes, representado por /dev/fd0, pode ser montado em:

/media/floppy

No caso de discos rígidos, uma partição é montada diretamente na raiz do sistema de arquivos ou em um diretório diretamente abaixo da raiz.

Após conectar a mídia ao seu leitor correspondente utilizamos o comando mount para montar o dispositivo.

# mount

Se não for passado nenhum parâmetro após o comando será mostrado os dispositivos de armazenamento que estão montados em seu computador junto com a configuração que foi usada para montá-los.

Para montar um dispositivo de armazenamento em seu ponto de montagem, podemos usar a seguinte syntax:

mount -t <tipo do sistema de arquivos> <dispositivo> <ponto de montagem>

Por exemplo, para montar um cdrom segue a linha de comando abaixo:

# mount -t iso9660 /dev/cdrom /media/cdrom

E para desmontar:

# umount /media/cdrom

O sistema de arquivos universalmente usado em CD-ROMs de dados é o iso9660, graças a ele que não existe problemas para ler o mesmo CD no Linux, Windows ou outro sistema operacional. Nos ambientes gráficos como GNOME e o KDE, nas versões mais atualizadas é claro, este processo de montagem é automatizado, colocando até um atalho no desktop para acessar o conteúdo da mídia. Para montarmos compartilhamentos de rede ou acessar qualquer outro sistema de arquivos do tipo, Linux e Windows, Windows e Linux, Linux e Linux, temporariamente é recomendando utilizar o diretório /mnt.

O comando mount é muito útil para acessar dispositivos removíveis ou algum compartilhamento de rede mas, no GNU/LINUX existe um arquivo para facilitar o controle, processo de montagem de dispositivos e definir regras e opções pré-definidas, para isso é utilizado o arquivo de configuração /etc/fstab.

fstab - static file system information ou tabela de sistema de arquivos.

Neste artigo não irei aprofundar nos assuntos referentes a partições e sistemas de arquivos mas, para conhecer mais e entender como funciona as partições e os sistemas de arquivos no GNU/LINUX recomendo a leitura do Chapter 5 - Discos e Partições do Guia Foca Gnu/Linux que pode ser baixado em http://www.guiafoca.org.

Continuando com o fstab...

Sistema_de_arquivos - Ponto_de_Montagem - Tipo - Opções - dump - ordem

/dev/hda1-----------------/--------------------ext2-defaults---0----1
/dev/hda2-----------------/boot---------------ext2-defaults---0----2
/dev/hda3-----------------/dos--------------msdos-defaults,noauto,rw-0-0
/dev/hdg------------------/cdrom----------iso9660-defaults,noauto-0-0

Ao digitar o comando "cat /etc/fstab" e pressionar ENTER podemos encontrar informações como estas mostradas acima, onde o conteúdo pode variar de acordo com a configuração de cada computador, porem, utilizaremos este exemplo, retirado do Guia Foca Linux, para facilitar o entendimento.

Sistema de arquivos - Partição, do disco rígido, que desejamos montar.

Ponto de Montagem - Diretório de acesso onde a partição será montada.

Tipo - Tipo de sistema de arquivos usado na criação da partição.

Opções - Parâmetros de controle usados com o sistema de arquivos.
  • defaults - Utiliza valores pré-definidos para montagem
  • noauto - Desativa a montagem automática durante a inicialização (útil para CD-ROMS e disquetes).
  • ro - Montagem como somente leitura.
  • user - Permite que o usuário corrente monte o sistema de arquivos (não recomendado por motivos de segurança).
  • sync é recomendado para uso com discos removíveis (disquetes, pen-drives, etc) para gravação imediata na unidade (caso não seja usada, você deve sincronizar os dados manualmente com o comando sync antes de retirar mídia da unidade).

dump - Parâmetro que o programa dump utiliza para controlar a freqüência de backup no sistema de arquivos. 0 desativa o backup.

ordem - Ordem de verificação dos sistemas de arquivos pelo programa fsck. Se estiver com o valor 0 não será verificado.

A partir de um arquivo fstab bem configurado podemos utilizar uma forma mais simples o comando mount ex:

# mount /media/cdrom (ocultando uma série de parâmetros já declarados no fstab).

# umount /media/cdrom (para desmontar o dispositivo e retirar a mídia).

Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. GNU/Linux - Hardware e dispositivos
   2. Desvendando o diretório /dev
   3. Dispositivos de armazenamento
   4. Acessando os dispositivos de armazenamento
   5. Conclusão
Outros artigos deste autor
Nenhum artigo encontrado.
Leitura recomendada

Aos que estão começando...

Criando, monitorando e terminando processos

Completando o Ubuntu (para principiantes)

Instalação básica do Slackware 10 com KDE 3

Instalando o Fedore Core 4

  
Comentários
[1] Comentário enviado por hiroyuki em 30/01/2008 - 15:36h

Boa Boa... gostei da materia..apesar de não ter lido na integra. Mas vale resaltar questão de lpi, ajuda no estudo =)

[2] Comentário enviado por manser em 30/01/2008 - 20:22h

Desculpem a franqueza, mas ao sujeito que pretende a certificação LPI-I e ainda não domina o assunto aqui abordado e melhor procurar outra coisa pra fazer. Digo isso pois esse é um assunto tão básico e facilmente encontrado na internet como no própio Guia Foca (excelente por sinal) que seria melhor colocar penas o link para o Guia e não chover no molhado. Não estou desmerecendo a sua intenção de ajudar aos iniciantes apenas acho que ficou redundante pelos motivos que apresentei.

[3] Comentário enviado por brunorns em 31/01/2008 - 10:15h

"manser"
Desculpa cara, mais vc foi um iniciantes um dia né? o que está fazendo no vol? parece que vc naum gosta de passar conhecimentos, pelo que vi na sua descrição vc só tem comentários e ainda vem da uma de expert, ninguem nasceu sabendo tudo.
ok?
antes de comentar lembre-se que existem pessoas que estão querendo dominar o assunto, e é iniciante como vc foi um dia...

Parabens Arlindo Martins
ficou muito bom

[4] Comentário enviado por maran em 02/02/2008 - 22:42h

Manser, simplesmente inutiu seu comentario...
O que fazemos aqui no VOL é exatamente isso, contribuir, talvez quando se cadastrou aqui, não entendeu muito o que a comunidade oferece...
Para você nem gasto palavras....

Seu artigo esta muito bom=, cobre com perfeição o que se propos a fazer...

Te Mais...

[5] Comentário enviado por cybershark em 05/11/2009 - 15:05h

Amigo o seu artigo foi de grande importancia para mim, mas não ficou clara uma coisa...

no diretorio de armazenamento de dispositivos o /dev:

Eu não entendi a diferença do tipo de armazenamento IDE entre:

/dev/hda =
/dev/hda1 =


Você poderia me explicar direito, por favor!


Obrigado!

[6] Comentário enviado por Buri em 28/12/2015 - 15:01h

/dev/hda=

/dev= diretório onde estão armazenados os dispositivos existente no sistema
hd= Identifica o tipo de disco. Se é Sata, IDE,CDrom, disket .....
a= A letra a, identifica o 1º disco rigido, se for letra b, será o segundo disco rigido e assim vai


Contribuir com comentário