Programação (III) - Programação Orientada a Objetos (POO)

Este é o terceiro artigo da série sobre programação e vamos falar aqui sobre POO, que não é a melhor coisa do mundo, mas é o melhor que já vi para a programação nestes meus 25 anos no ramo.

[ Hits: 49.144 ]

Por: Edvaldo Silva de Almeida Júnior em 04/07/2008 | Blog: http://emeraldframework.net


Instância (Objetos, finalmente!)



Talvez você fique surpreso se eu disser que até agora não falamos em objetos, apesar de estarmos falando de POO o tempo todo.

É que muitas pessoas confundem o conceito de classe com o conceito de objeto, mas nós acabar com essa confusão agora mesmo!

A classe define uma categoria de elementos. É uma generalização. Quando falamos em objeto, porém, estamos falando em um item específico daquela classe.

Quando é que um objeto aparece em nosso código? A resposta é: quando instanciamos uma classe, ou seja, criamos um objeto pertencente a ela.

Num programa C++ que usasse a nossa classe Sentável acima, criaríamos objetos assim:

Sentavel cadeira = new Sentavel( 1, 4 );
Sentavel banco_de_praca = new( 3, 4 );

Na primeira declaração estamos definindo uma cadeira como sendo um objeto da classe Sentável, com um assento e quatro pernas. Claro que isso é limitado, pois cadeiras tem outras propriedades, como encosto, por exemplo. Mas por hora o exemplo serve para ilustrar o conceito de instância.

Na segunda declaração estamos criando um banco de praça, que tem assento para três pessoas e quatro pernas. Da mesma forma poderíamos escrever:

Sentavel tamborete = new Sentavel( 1, 3 );

Para quem não está acostumado com o termo, tamborete é um banquinho bem baixo de apenas três pernas.

A palavra chave para criar um objeto, uma instância de uma classe, é new. Com esse "comando" o construtor é invocado e a memória necessária para o objeto é alocada.É com o new que os objetos passam a existir!

É importante notar que o construtor não é chamado explicitamente. Mas como ele é chamado implicitamente pelo new, ele sempre deve ser declarado como public.

Como sentar foi declarada como public, podemos escrever:

   tamborete->sentar();

para colocar uma pessoa no tamborete.

Mas se escrevermos:

   tamborete->get_sentantes();

Teremos uma mensagem de erro do compilador, pois get_sentantes foi declarada como private e portanto só pode ser usada dentro do escopo da classe.

Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. O Gênesis
   2. Um pouco de Filosofia
   3. POO
   4. Classe
   5. Implementação
   6. Revisando a implementação
   7. Escopo e Encapsulamento
   8. Instância (Objetos, finalmente!)
   9. Herança
   10. Polimorfismo
   11. Referências e conclusão
Outros artigos deste autor

Programação (II) - Modularização

Instalando Slackware "na marra"

Afinal, qual a melhor distribuição?

Instalando o Fedora Core 5 via NFS

O "Linux Tinha Chapéu"

Leitura recomendada

Pirataria - Como prejudica desenvolvedores, cria monopólios e facilita ações de crackers

Promoção RedBug + Viva o Linux

Terceira experiência com o Basic Linux

A Vida no Shell

Wake-on-LAN (WOL) utilizando Netcat - Dissecando o protocolo

  
Comentários
[1] Comentário enviado por gabriel.av em 05/07/2008 - 20:30h

Olha eu achei isso muito importante flw

[2] Comentário enviado por ssdeassis em 05/07/2008 - 21:56h

esperei muito pela terceira parte do artigo continua muito bom como os dois primeiros tenho aprendido muito com a sua série de artigos. Agora vamos ao proximo. Meus parabems.

[3] Comentário enviado por k4mus em 05/07/2008 - 22:37h

Parabens Amigo!!

..vc conseguiu explicar a POO de uma forma agradavel e simples de entender.

Parabens!

[4] Comentário enviado por f_Candido em 06/07/2008 - 14:46h

Muito bom. Parabéns. Bem Simples e Direto.

Abraços


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts