Permissão de Execução a Arquivo (script ou binário) no GNU/Linux - Abordagem Sistemática

O artigo aborda de modo sistemático e sob diversas maneiras a respeito de como dar permissão de execução a um arquivo, quer seja este arquivo um script ou binário. Veremos, pois, algumas formas de definir sua propriedade com permissão de execução, isso tanto por intermédio do Terminal (em seus Modos Textual e Octal) quanto por intermédio da Interface Gráfica.

[ Hits: 9.355 ]

Por: Rodrigo Albuquerque Serafim em 11/10/2017 | Blog: https://www.vivaolinux.com.br/~raserafim


Considerações Finais



No artigo, vimos a atribuição da permissão de execução em suas várias formas por meio do Terminal e, também, vimos a sua atribuição por meio da Interface Gráfica.

Quando o objetivo é tratar de vários atributos das propriedades do arquivo e sob diversos níveis de permissão, então, o Modo Octal costuma ser mais prático do que o Modo Textual. Por outro lado, quando se trata da alteração de apenas um atributo das propriedades do arquivo, costuma ser mais prático a utilização do Modo Textual na perspectiva da "adição" de permissões.

A Interface Gráfica pode parecer o meio mais prático de atribuir permissão de execução, e em certo sentido o é. Porém, como mencionamos, possui as desvantagens de que nem sempre é um meio que está disponível e as vezes, quando se trata de muitos arquivos, é moroso.

Embora, no conjunto do presente artigo seja possível fazer desdobramentos de conteúdo que contribuem com a compreensão do sistema de permissões como um todo do GNU/Linux, ajudando a compreender a atribuição de permissão para qualquer atributo do arquivo, o artigo mesmo procurou se manter no seu propósito de tratar apenas a respeito da permissão de execução.

Aqui no VOL é possível encontrar artigos e dicas que buscam tratar dos atributos de permissão como um todo. No entanto, para uma abordagem clássica da literatura de língua portuguesa acerca do sistema de permissões no GNU/Linux, ver o Guia Foca:
Nos códigos que expomos ao longo do texto, não colocamos o sinal de $ (cifrão) ou o sinal de # (tralha): o primeiro sendo o representante de comandos executados no modo usuário; o segundo, sendo o representante de comandos executados como root (super usuário). Não os explicitamos uma vez que, como assinalamos na apresentação do artigo, o comando "chmod" pode ser executado tanto a partir do usuário comum quanto a partir do root - a depender de quem é o dono do arquivo alvo.

Nos exemplos ilustrativos, sempre que um arquivo ou uma pasta possuía um nome composto, utilizei o artifício de nomeação com o caractere underline ("_") para que o seu nome não contasse com um espaço em branco. Para os casos de nomes que contenham espaços em branco, entretanto, é imprescindível a utilização de aspas ("") na sua referenciação. Quando se precisa fazer referência a um arquivo ou diretório cujo nome possui algum espaço em branco, então, deve-se referenciá-lo colocando-o entre aspas (exemplo: "nome do arquivo.ext").

Por fim, atento aos leitores para a utilização que fiz de algumas expressões que, no entanto, não sei se são recorrentes na literatura técnica e mesmo se realmente são expressões das mais adequadas; mas, me pareceram razoáveis e didáticas. Me refiro, sobretudo, as expressões "adição", "redefinição", "indicação do escopo", "operador do atributo" e "indicativo do atributo". Espero que com isso não tenha obscurecido a explicação, quando a intenção era clareá-la.

Rodrigo Albuquerque Serafim

Página anterior    

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Terminal: Modo Textual e Modo Octal
   3. Modo Textual em seu código elementar (suficiente quando de um usuário)
   4. Modo Textual em seu código ampliado (recomendado quando de vários usuários)
   5. Modo Textual na sua distinção entre "adição" e "redefinição" de permissões
   6. Modo Octal em sua forma única ("redefinição")
   7. Atribuição em lote (Textual e Octal)
   8. Interface Gráfica: particularidades e layouts de categorização
   9. Considerações Finais
Outros artigos deste autor

Permissão de Execução de Arquivo (Script ou Binário) no GNU/Linux - Elementos Básicos para Compreensão

Leitura recomendada

Clusters de alta disponibilidade (HA - High Availability)

Instalando e configurando um sistema RAID 1 no Debian Lenny

Openfire integrado em uma floresta Active Directory

Configurando modems ADSL (Speedy - Velox - BrTurbo) no FeniX Extreme Linux

Instale/Reinstale/Recupere seu sistema sem perder seus arquivos

  
Comentários
[1] Comentário enviado por Sandson em 17/10/2017 - 15:10h

Nesse comentário:
u → indica permissão {de execução} ao usuário [user] dono do arquivo alvo (proprietário)
g → indica permissão {de execução} ao usuário [user] dono do arquivo alvo (proprietário)
o → indica permissão {de execução} ao grupo [group] do qual o usuário dono faz parte
a → indica permissão {de execução} a todos [all] os usuários (é o mesmo que utilizar a sua supressão)

Não estaria errado não? O certo não seria?
u → indica permissão {de execução} ao usuário [user] dono do arquivo alvo (proprietário)
g → indica permissão {de execução} ao grupo [group] do qual o usuário dono faz parte
o → indica permissão {de execução} ao usuário que não faz parte do grupo do usuário dono
a → indica permissão {de execução} a todos [all] os usuários (é o mesmo que utilizar a sua supressão)

[2] Comentário enviado por raserafim em 18/10/2017 - 11:01h

colega Sandson,

você tem toda razão!

os erros que você indicou procedem sim!

obrigado pela leitura atenta do artigo!

obrigado por apontar os erros!

[3] Comentário enviado por raserafim em 18/10/2017 - 11:07h

ERRATA:

na página de número 4 {Modo Textual em seu código ampliado (recomendado quando de vários usuários)}, há um erro no "quadro sintético de todos os caracteres possíveis referentes ao argumento da "indicação do escopo" de usuários":

segue o "quadro sintético" correto:

u    -->    indica permissão {de execução} ao usuário [user] dono do arquivo alvo (proprietário);
g    -->    indica permissão {de execução} ao grupo [group] do qual o usuário dono faz parte;
o    -->    indica permissão {de execução} aos outros [other] usuários que não são nem o dono nem compõem o grupo de usuários do dono;
a    -->    indica permissão {de execução} a todos [all] os usuários (é o mesmo que utilizar a sua supressão);

[4] Comentário enviado por raserafim em 30/10/2017 - 18:46h

Os erros apontados nos comentários anteriores já foram corrigidos diretamente no artigo pela moderação do VOL!

Obrigado Izaías!

[5] Comentário enviado por izaias em 21/01/2018 - 14:05h


[4] Comentário enviado por raserafim em 30/10/2017 - 18:46h

Os erros apontados nos comentários anteriores já foram corrigidos diretamente no artigo pela moderação do VOL!

Obrigado Izaías!


Ok.
Sempre que precisarem de correções, avisem à moderação para que possamos editar e evitar que nossos leitores cometam erros.


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts