O gerenciador de pacotes RPM

Vou falar um pouco sobre o gerenciador de pacotes RPM. Uma ferramenta ótima e extremamente funcional, vital para o uso diário de administradores e usuários de sistemas Red Hat e seus derivados.

[ Hits: 11.013 ]

Por: Kleber de Paiva Siqueira Costa em 18/02/2013 | Blog: http://kleberpaivasiqueiracosta.wordpress.com/


Utilizando as funcionalidades do RPM



Recomendo que baixe através do wget um pacote ".rpm" para praticar os comandos.

Segue uma opção: http://nmap.org/download.html

Para instalar um pacote RPM, faça:

# rpm -i nome_do_pacote.rpm

Para atualizar um pacote de seu sistema para uma versão atual, já baixada em seu sistema:

# rpm -U nome_do_pacote.rpm

Para remover um pacote instalado:

# rpm -e nome_do_pacote

Para pacotes já instalados, não é necessário utilizar sua extensão nos processos de gestão do RPM.

Para verificar a lista de pacotes instalados:

# rpm -qa

Para verificar quais arquivos um pacote irá instalar em nosso sistema:

# rpm -qpl nome_do_pacote.rpm

Para verificar se um pacote específico está instalado:

# rpm -qa | grep nome_do_pacote

Para obter informações sobre um pacote ainda não instalado:

# rpm -qpi nome_do_pacote.rpm ou less nome_do_pacote.rpm

Para saber mais a respeito de um pacote já instalado no sistema:

# rpm -qi nome_do_pacote

Para reinstalar um pacote em seu sistema:

# rpm -i --replacepkgs nome_do_pacote.rpm ou rpm -U –replacepkgs nome_do_pacote.rpm

Para instalar um pacote sem documentação:

# rpm -i --excludedocs nome_do_pacote.rpm

Para instalar um pacote sem que haja verificação de espaço em disco, faça:

# rpm -i --ignoresize nome_do_pacote.rpm

Obs.: Cuidado com essa opção, o pacote pode ser instalado de forma incorreta, caso não tenha espaço no disco.

Para instalar um pacote sem verificar dependências, faça:

# rpm -i --nodeps nome_do_pacote.rpm

Para testar se o pacote será instalado e como será instalado, se ele terá suas dependências satisfeitas, faça:

# rpm -i --test nome_do_pacote.rpm

Para retornar à versão mais antiga de um pacote já instalado, faça:

# rpm -U --oldpackage nome_do_pacote.rpm

Em caso de corrupção do banco de dados do RPM, você, provavelmente, vai receber mensagens de erro do tipo:
Segmentation fault ou (null)-(null)


Neste caso, utilize os seguintes comandos para reconstruir sua base de dados RPM:

# rpm --rebuilddb
# rpm --initdb


Conclusão

Então é isso, pessoal!

O RPM, apesar de não ser perfeito na opinião de muitos, devido à falta de padronização para com outros gerenciadores de pacotes utilizados em distribuições baseadas em Red Hat, mostra-se uma ferramenta digna de elogios, funcional e eficaz.

Em minha opinião, um ótimo, e por que não, excelente gerenciador de pacotes.

Referências:
Grande abraço a todos!
Kleber de Paiva Siqueira Costa.

Página anterior    

Páginas do artigo
   1. O que é RPM
   2. Utilizando as funcionalidades do RPM
Outros artigos deste autor
Nenhum artigo encontrado.
Leitura recomendada

Quem disse que micro velho não presta?

Instalando o Debian Lenny Linux

Palavras, expressões e celebridades do mundo do software livre

openSUSE Evergreen

Instalação básica do Slackware 10 com KDE 3

  
Comentários
[1] Comentário enviado por italotosta em 18/02/2013 - 18:30h

Ótimo artigo, bastante explicativo, parabéns.

[2] Comentário enviado por kleberdepaivasc em 18/02/2013 - 19:04h


[1] Comentário enviado por italotosta em 18/02/2013 - 18:30h:

Ótimo artigo, bastante explicativo, parabéns.


Obrigado Italo.
Grande abraço!

[3] Comentário enviado por jwolff em 19/02/2013 - 08:41h

Bom Artigo cara. Achei interessante,principalmente pelo fato de sempre ter utilizado distros oriundas do Debian e consequentemente não ter contato com o "rpm",se possível poste mais coisas do tipo. Não tem muito material sobre Red Hat comparado a outras Distros,o que é uma pena.

[4] Comentário enviado por kleberdepaivasc em 19/02/2013 - 17:27h


[3] Comentário enviado por jwolff em 19/02/2013 - 08:41h:

Bom Artigo cara. Achei interessante,principalmente pelo fato de sempre ter utilizado distros oriundas do Debian e consequentemente não ter contato com o "rpm",se possível poste mais coisas do tipo. Não tem muito material sobre Red Hat comparado a outras Distros,o que é uma pena.


Muito obrigado Jonathan!

Vou procurar sempre postar algo relacionado a Red Hat, realmente carecemos de material, mas de pouco em pouco chegaremos lá.

Grande abraço meu amigo, obrigado por comentar.

[5] Comentário enviado por paulosalum em 20/02/2013 - 08:36h

Fala ai meu amigo. Deixa eu tirar uma duvida, esse sistema de instalação RPM eu sei que é pro Red Hat, mas existe um meio de instalar em Debian ou derivadas?

[6] Comentário enviado por nicolo em 20/02/2013 - 10:37h

Algumas distros RPM já utilizam o apt-get que gerencia dependências. O Open-SuSE e o FEDORA estão ligados a empresas e são versões livres de Sistemas Operacionais pagos. São maravilhosamente estáveis, mas muito conservadores.

[7] Comentário enviado por kleberdepaivasc em 20/02/2013 - 11:45h


[5] Comentário enviado por paulosalum em 20/02/2013 - 08:36h:

Fala ai meu amigo. Deixa eu tirar uma duvida, esse sistema de instalação RPM eu sei que é pro Red Hat, mas existe um meio de instalar em Debian ou derivadas?


Olá Paulo!
Tudo bem?

Existe sim Paulo.
O RPM é um sistema de gestão de pacotes portável, fazendo parte inclusive da Linux Standart Base (LSB) você pode instalar ele no Debian e derivados através do apt-get ou aptitude, faça um teste, até agora só utilizei este procedimento no Debian.

# aptitude install rpm
Ou
# apt-get install rpm

Ultimamente estou utilizando o CentOS, que é derivado do Red Hat, e como em toda distribuição que deriva do red Hat o RPM é o conjunto de ferramentas nativas para gestão de pacotes em baixo nível ou nível administrativol, então ele não resolve dependências como o apt e aptitude do Debian, para resolver dependências no CentOS e Fedora, ambos derivados do Red Hat, utiliza-se o yum.

[8] Comentário enviado por kleberdepaivasc em 20/02/2013 - 11:49h


[6] Comentário enviado por bakunin em 20/02/2013 - 10:37h:

Algumas distros RPM já utilizam o apt-get que gerencia dependências. O Open-SuSE e o FEDORA estão ligados a empresas e são versões livres de Sistemas Operacionais pagos. São maravilhosamente estáveis, mas muito conservadores.


Concordo com você Edwal, mas vejo uma organização que mutas vezes é necessária, é um pouco mais complexo que o Debian para administração, mas torna o sistema mais forte contra erros, tendo em vista que tudo é dividido, é mais uma questão de adptação.

Abraço meu amigo.

[9] Comentário enviado por celso.domingues em 21/02/2013 - 22:53h

Excelente, muito explicativo!!

[10] Comentário enviado por kleberdepaivasc em 21/02/2013 - 23:17h


[9] Comentário enviado por celso.domingues em 21/02/2013 - 22:53h:

Excelente, muito explicativo!!


Muito obrigado Celso!
Grande abraço.


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts