Micro curso Samba

Este artigo é focado para as pessoas que estão iniciando em Linux e desejam conhecer um pouco mais sobre o SAMBA de uma forma simples e elucidativa.

[ Hits: 294.446 ]

Por: Odalberto Oliveira Neto em 24/08/2007


Configuração



A configuração do Samba pode ser feita de duas maneiras: Via Web, utilizando um aplicativo distribuído juntamente com o Samba e via arquivo de configuração. Aqui optamos pela configuração via arquivo, este chamado smb.conf e localizado normalmente no diretório /etc ou ainda /etc/samba, dependendo da distribuição.

O arquivo de configuração não é sensível a maiúsculas (case sensitive), então tanto faz a utilização de maiúsculas como de minúsculas. Todas as linhas iniciadas pelo caractere "#" ou ";" são descartadas - para propósito de comentários, que trazem uma melhor organização do arquivo. O símbolo "\" indica continuação de linha, caso o parâmetro a ser configurado possui mais de uma linha.

Frisa-se novamente que o arquivo abaixo contém uma simples demonstração de configuração, compatível com o pouco tempo que temos. Para maiores detalhes, aconselho a leitura de um livro ou mesmo da documentação que acompanha o Samba (Man Pages, FAQs (Frequently Asked Questions), HOWTOs, eBooks, etc).

Seguem as configurações:

[global]
# workgroup = NT-Domain-Name or Workgroup-Name
   workgroup = NOME_DO_GRUPO_DE_TRABALHO
# server string is the equivalent of the NT Description field
   server string = STRING_IDENTIFICADORA_DO_SERVIDOR
   comment = COMENTARIO_DO_SERVIDOR
# This option is important for security. It allows you to restrict
# connections to machines which are on your local network. The
# following example restricts access to two C class networks and
# the "loopback" interface. For more examples of the syntax see
# the smb.conf man page
;   hosts allow = 192.168.1. 192.168.2. 127.
    hosts allow = 127. 192.168.0. 192.168.1.
# if you want to automatically load your printer list rather
# than setting them up individually then you'll need this
   printcap name = /etc/printcap
   load printers = yes
# It should not be necessary to spell out the print system type unless
# yours is non-standard. Currently supported print systems include:
# bsd, sysv, plp, lprng, aix, hpux, qnx
   printing = lprng
# Uncomment this if you want a guest account, you must add this to /etc/passwd
# otherwise the user "nobody" is used
; guest account = pcguest
# this tells Samba to use a separate log file for each machine
# that connects
   log file = /var/log/samba/%m.log
# Put a capping on the size of the log files (in Kb).
   max log size = 0
# Security mode. Most people will want user level security. See
# security_level.txt for details.
   security = user
# Use password server option only with security = server or
# security = domain
;   password server =
# Password Level allows matching of _n_ characters of the password for
# all combinations of upper and lower case.
;  password level = 8
;  username level = 8
# You may wish to use password encryption. Please read
# ENCRYPTION.txt, Win95.txt and WinNT.txt in the Samba documentation.
# Do not enable this option unless you have read those documents
  encrypt passwords = yes
  smb passwd file = /etc/samba/smbpasswd
# The following is needed to keep smbclient from spouting spurious errors
# when Samba is built with support for SSL.
#   ssl CA certFile = /usr/share/ssl/certs/ca-bundle.crt
# The following are needed to allow password changing from Windows to
# update the Linux sytsem password also.
# NOTE: Use these with 'encrypt passwords' and 'smb passwd file' above.
# NOTE2: You do NOT need these to allow workstations to change only
#the encrypted SMB passwords. They allow the Unix password
#to be kept in sync with the SMB password.
; unix password sync = Yes
; passwd program = /usr/bin/passwd %u
; passwd chat = *New*UNIX*password* %n\n *ReType*new*UNIX*password* %n\n
;*passwd:*all*authentication*tokens*updated*successfully*
# Unix users can map to different SMB User names
  username map = /etc/samba/smbusers
# Using the following line enables you to customise your configuration
# on a per machine basis. The %m gets replaced with the netbios name
# of the machine that is connecting
;   include = /etc/samba/smb.conf.%m
# Most people will find that this option gives better performance.
# See speed.txt and the manual pages for details
   socket options = TCP_NODELAY SO_RCVBUF=8192 SO_SNDBUF=8192
# Configure Samba to use multiple interfaces
# If you have multiple network interfaces then you must list them
# here. See the man page for details.
;   interfaces = 192.168.12.2/24 192.168.13.2/24
    interfaces = 192.168.0.1/24
# Configure remote browse list synchronisation here
# request announcement to, or browse list sync from:
#      a specific host or from / to a whole subnet (see below)
;   remote browse sync = 192.168.3.25 192.168.5.255
# Cause this host to announce itself to local subnets here
   remote announce = 192.168.0.255
# Browser Control Options:
# set local master to no if you don't want Samba to become a master
# browser on your network. Otherwise the normal election rules apply
   local master = yes
# OS Level determines the precedence of this server in master browser
# elections. The default value should be reasonable
   os level = 65
# Domain Master specifies Samba to be the Domain Master Browser. This
# allows Samba to collate browse lists between subnets. Don't use this
# if you already have a Windows NT domain controller doing this job
;   domain master = yes
   domain master = yes
# Preferred Master causes Samba to force a local browser election on startup
# and gives it a slightly higher chance of winning the election
   preferred master = yes
# Enable this if you want Samba to be a domain logon server for
# Windows95 workstations.
   domain logons = yes
# if you enable domain logons then you may want a per-machine or
# per user logon script
# run a specific logon batch file per workstation (machine)
;   logon script = %m.bat
# run a specific logon batch file per username
;   logon script = %U.bat
# Where to store roving profiles (only for Win95 and WinNT)
# %L substitutes for this servers netbios name, %U is username
#You must uncomment the [Profiles] share below
logon path = \\%L\%U\Profile
#logon path = \\%L\Profiles\%U
logon drive = x:
# All NetBIOS names must be resolved to IP Addresses
# 'Name Resolve Order' allows the named resolution mechanism to be specified
# the default order is "host lmhosts wins bcast". "host" means use the unix
# system gethostbyname() function call that will use either /etc/hosts OR
# DNS or NIS depending on the settings of /etc/host.config, /etc/nsswitch.conf
# and the /etc/resolv.conf file. "host" therefore is system configuration
# dependant. This parameter is most often of use to prevent DNS lookups
# in order to resolve NetBIOS names to IP Addresses. Use with care!
# The example below excludes use of name resolution for machines that are NOT
# on the local network segment
# - OR - are not deliberately to be known via lmhosts or via WINS.
; name resolve order = wins lmhosts bcast
# Windows Internet Name Serving Support Section:
# WINS Support - Tells the NMBD component of Samba to enable it's WINS Server
   wins support = yes
# WINS Server - Tells the NMBD components of Samba to be a WINS Client
# Note: Samba can be either a WINS Server, or a WINS Client, but NOT both
;   wins server = w.x.y.z
# WINS Proxy - Tells Samba to answer name resolution queries on
# behalf of a non WINS capable client, for this to work there must be
# at least one WINS Server on the network. The default is NO.
;   wins proxy = yes
# DNS Proxy - tells Samba whether or not to try to resolve NetBIOS names
# via DNS nslookups. The built-in default for versions 1.9.17 is yes,
# this has been changed in version 1.9.18 to no.
   dns proxy = no
# Case Preservation can be handy - system default is _no_
# NOTE: These can be set on a per share basis
;  preserve case = no
;  short preserve case = no
# Default case is normally upper case for all DOS files
;  default case = lower
# Be very careful with case sensitivity - it can break things!
;  case sensitive = no
client code page = 850
character set = ISO8859-1
domain admin group = root
admin users = root
#============== Share Definitions =====================
                (Definição de compartilhamentos)

[homes]
   comment = Home Directories
   browseable = no
   writable = yes
[apps]
    comment = Aplicativos
    path = /ftp/
    writeable = no
[cdrom]
    comment = CDROM
    path = /mnt/cdrom
    writeable = no
# NOTE: If you have a BSD-style print system there is no need to
# specifically define each individual printer
[printers]
   comment = All Printers
   path = /var/spool/samba
   browseable = no
# Set public = yes to allow user 'guest account' to print
   guest ok = no
   printable = yes
# This one is useful for people to share files
;[tmp]
;   comment = Temporary file space
;   path = /tmp
;   read only = no
;   public = yes
# A publicly accessible directory, but read only, except for people in
# the "staff" group
;[public]
;   comment = Public Stuff
;   path = /home/samba
;   public = yes
;   writable = yes
;   printable = no
# Other examples.
# A private directory, usable only by fred. Note that fred requires write
# access to the directory.
;[fredsdir]
;   comment = Fred's Service
;   path = /usr/somewhere/private
;   valid users = fred
;   public = no
;   writable = yes
;   printable = no
# a service which has a different directory for each machine that connects
# this allows you to tailor configurations to incoming machines. You could
# also use the %u option to tailor it by user name.
# The %m gets replaced with the machine name that is connecting.
;[pchome]
; comment = PC Directories
; path = /usr/pc/%m
; public = no
; writable = yes
# A publicly accessible directory, read/write to all users. Note that all files
# created in the directory by users will be owned by the default user, so
# any user with access can delete any other user's files. Obviously this
# directory must be writable by the default user. Another user could of course
# be specified, in which case all files would be owned by that user instead.
;[public]
;   path = /usr/somewhere/else/public
;   public = yes
;   only guest = yes
;   writable = yes
;   printable = no
# The following two entries demonstrate how to share a directory so that two
# users can place files there that will be owned by the specific users. In this
# setup, the directory should be writable by both users and should have the
# sticky bit set on it to prevent abuse. Obviously this could be extended to
# as many users as required.
;[myshare]
;   comment = Mary's and Fred's stuff
;    path = /usr/somewhere/shared
;    valid users = mary fred
;    public = no
;    writable = yes
;    printable = no
;    create mask = 0765

Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. O SAMBA
   2. Função do Samba
   3. Entendendo PDC
   4. Onde conseguir
   5. Instalando o Samba
   6. Configuração
   7. Testando as configurações do Samba
   8. Aplicativos
   9. Segurança
Outros artigos deste autor
Nenhum artigo encontrado.
Leitura recomendada

Ambientes mistos e agora?

Samba: Servidor de impressão e introdução a PDC (Primary Domain Controller)

Samba + clamav - compartilhamento livre de vírus

Instalação, configuração do Samba e utilização de quota

Samba3 + LDAP no ArchLinux

  
Comentários
[1] Comentário enviado por fabio em 24/08/2007 - 04:55h

Pra esse tenho que dar os parabéns, conseguiu transformar um assunto batido aqui no site em "novidade" por conta da qualidade da informação prestada. Um dos melhores artigos de Samba do VOL, com certeza.

Um abraço.

[2] Comentário enviado por baloeiro_cps em 24/08/2007 - 11:00h

parabens pelo artigo muito bom mesmo, eu costumo ler muitos artigos sobre samba pois nao manjo muito e sempre procuro saber mais e este artigo explica direitinho a funcionalidade dele. continue assim nos trazendo otimos artigos.

[3] Comentário enviado por luancfalquetto em 24/08/2007 - 16:40h

olá, essa configuração do samba funciona no kurumim que jah vem com ele?
obrigado

[4] Comentário enviado por odalberto em 24/08/2007 - 18:36h

Luan

Essa configuração do samba é apenas uma demonstração do smb.conf, para que aqueles que estudam o Linux em todo seu contexto, possa ter uma idéia da estrutura do mesmo.

Caso necessite de algum auxilio em relação a uma determinada configuração, aqui no VOL existem várias configurações sobre o samba para diversas utilizações.

Se necessitar de alguma ajuda posta ai ou manda um e-mail.

Abraços!!!!!

[5] Comentário enviado por tuxSoares em 27/08/2007 - 09:49h

Parabéns, seu artigo ficou excelente!

[6] Comentário enviado por fer em 27/08/2007 - 20:17h

muito bom ...
parabens meu velho
estou começandu a usar linux e valeu a pena ter lido mais um pouco sobre o samba
abração!!!

[7] Comentário enviado por ebrandos em 27/08/2007 - 20:42h

Valeu meu camarada, otimo seu artigo!!! Tenho procurado material sobre o Samba e este teu artigo venho bem a calhar!!!!

[8] Comentário enviado por rodsil em 28/08/2007 - 15:30h

Parabéns, pelo esforço e dedicação. Mas principalmente pelo modo de escrever, o conteúdo escrito. Muito bom o trabalho.

artigo de nivel excelente !

[9] Comentário enviado por tecobz em 28/08/2007 - 16:47h

Parabéns pelo Artigo... muito bom !!!

[10] Comentário enviado por jakson_kiko em 28/08/2007 - 17:31h

parabens cara, muito bom o artigo mesmo !!!!!!!!

[11] Comentário enviado por Iansem em 28/08/2007 - 17:36h

Boa tarde a todos e parabéns pelo conteúdo, muito legal!

Sou iniciante no mundo Linux e gostaria de saber se existe algo no Open Source que possa vir a substituir as GPO's do AD da M$. Um consultor comentou que o SAMBA 3 poderia realizar esta função, porém discordo dele, mesmo por que esta não é a função do SAMBA. Se alguém souber de uma solução com exceção daquela onde é utilizado o Poledit que não é muito legal e tem um alto custo operacional, favor responder.

Obrigado a todos

[12] Comentário enviado por alanreboucas em 28/08/2007 - 19:54h

Fora de série!
Parabéns! Muito bom mesmo!
Sucesso e obrigado pela contribuição a nós todos!
Abraço!

[13] Comentário enviado por rodolfomedina1 em 21/09/2007 - 00:54h

VALEU AMIGO..PRECISA REALMENTE DE UM APOIO E ESTE CAIU BEM P NOS AQUI! ABR E OBR

[14] Comentário enviado por valterrezendeeng em 06/11/2007 - 12:16h

Muito bom o Artigo

Parabens!!!!


[15] Comentário enviado por thyaguvinny em 14/01/2008 - 07:31h

Não é o melhor tutorial de samba que existe, mas sinceramente, é o que menos deixa lacunas... reúne muita informação com coerência e coesão em um único artigo. Este é o tutorial mais completo de samba que já li...
Se não se importa odalberto, estou lançando um tutorial sobre samba também, e muito do que consta é baseado no seu artigo! Há algum problema nisso?
Mais uma vez, parabéns!

[16] Comentário enviado por odalberto em 14/01/2008 - 10:04h

?comentario=Obrigado por seu comentário, tentei neste artigo abordar o samba de uma forma,como eu disse no inicio (Elucidativa), e não vejo problema algum em você se basear no que foi escrito nele, a vantagem da família Linux é que as idéias não são simplismente expostas, mas sim compartilhada.
Fique a vontade e obrigado pela referência, se puder só te pesso que divulgue também meu artigo, para que outras pessoas possam esclarecer as dúvidas e se aprimorar mais e mais.
Tou devendo novos artigos, mais tou no sufoco no trabalho e em breve retornarei.

Abraços !!!!

[17] Comentário enviado por satangos_w em 14/07/2009 - 11:20h

Essa artigo está muito bom cara. Já que abordou o SAMBA, saberia de alguma ferramenta similar ao PAGODE para administrá-lo?

[18] Comentário enviado por odalberto em 14/07/2009 - 19:06h

Existe o SWAT que você acessa via interface gráfica no browser e ainda pode administrar vários recursos.

Aqui no Vol existem várias dicas de como utilizá-lo.

Abraços


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts