Entendendo os scripts de inicialização do Gentoo

Todos já estão acostumados com a estrutura padrão dos scripts de inicialização das maiorias das distribuições (os famosos /etc/rc.d/*), porém quando nos deparamos com um Gentoo a história muda. Este artigo demonstra de forma prática como funcionam os scripts de inicialização do Gentoo Linux.

[ Hits: 21.799 ]

Por: Carlos Eduardo Ribeiro de Melo em 24/11/2004


Introdução



O Gentoo, como sabem seus usuários, possui muitas diferenças com relação às outras distros. Uma delas são os scripts de inicialização. Em distros como o Slackware estes scripts ficam guardados no diretório /etc/rc.d/. Estes nada mais são do que simples shell-scripts que executam tarefas básicas de inicialização quando se utiliza o comando:

# rc.script start

Estes scripts podem ser chamados pelo script de inicialização (rc.local ou rc.S) e também pelo script de destruição de processos (rc.6 ou rc.K), além da linha de comando.

No Gentoo os scripts funcionam de forma diferente. Os scripts são guardados no diretório /etc/init.d e as variáveis utilizadas pelo script ficam em /etc/conf.d. Os scripts funcionam tanto na linha de comando como nos arquivos de inicialização, porém o Gentoo disponibiliza uma ferramenta que adiciona o script na inicialização e no fechamento do sistema, o rc-update.

Por exemplo:
Você acabou de instalar o BIND, servidor DNS. Caso este seja instalado via portage (sistema de instalação automática do Gentoo), o sistema cria automaticamente os scripts de inicialização "named" nos diretórios /etc/init.d e /etc/conf.d. No script encontrado no /etc/init.d pode-se notar que se trata de vários comandos que iniciam o servidor. Note o mais interessante: o interpretador do script. Não se trata nem do bash, muito menos do sh. Este interpretador, runscript, é mais uma ferramenta implementada no Gentoo (não sei se existe em alguma outra distro) especialmente para estes scripts.

Tente agora executar o script. Digite na linha de comando:

# /etc/init.d/named

Irá aparecer na tela um texto semelhante a um manual que mostra as flags que podem ser utilizadas com este script. As principais flags são:
  • start -> Inicia o serviço;
  • stop -> Para o serviço;
  • pause -> Semelhante ao stop. O serviço para de ser executado, porém os comandos dentro da função stop() do script não são executados;
  • ineed -> Mostra as dependências do script;
  • iuse -> Mostra os scripts que são utilizados junto com este;
  • needsme -> Mostra os scripts que necessitam deste para executarem;
  • usesme -> Mostra os scripts que utilizam este para serem executados.

    Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Sintaxe dos scripts
Outros artigos deste autor

Servidor Internet (parte 1)

Configure seu Linux pela Web!

Leitura recomendada

Princípios do APT-GET: Conheça esta fantástica ferramenta do Debian

Linux: Uma ótima opção para sua empresa

Metro, um breve tutorial

Conheça o Guarux Linux

Fontes da Microsoft - Instalação no Ubuntu e Fedora

  
Comentários
[1] Comentário enviado por jllucca em 25/11/2004 - 13:37h

Cara, achei bem interessante o artigo. Mas, precisa se esforçar, pois depois de ler fiquei com a sensação de que falta alguma coisa...

[2] Comentário enviado por Anunakin em 26/11/2004 - 10:58h

Parabens, muito bom o artigo!

Jllucca! O artigo é para quem já usa e conhece o Gentoo.

[3] Comentário enviado por lordello em 26/11/2004 - 20:17h

Aeee.... sou usuário Gentoo e adoro o portage, não existe nada melhor que o portage, a otimização dos pacotes fica em segundo plano, pois o portage é show... O artigo está muito bom sim, mas gostaria de fazer uma observação sobre as sintaxes do VIM, o ideal é fazer isso:

# emerge gentoo-syntax

Pronto! Agora o vim estará com sintaxe para tudo dentro do Gentoo, make.conf rc.conf init.d ebuild etc...

[4] Comentário enviado por dudu_away em 27/11/2004 - 09:21h

Ae lordello, muito boa sua observação!

Eu não sabia disso.... hehehe..... vlw msm!

[]'s
Eduardo

[5] Comentário enviado por telurion em 19/12/2004 - 20:41h

O runscript é um interpretador simples de arquivos de lote, criado para automação do minicom, um "programa de comunicações seriais" do tipo que a gente usava para conectar às BBS. Sei que existe no Slackware, deve existir no Debian (pacote: minicom), e existem menções ao minicom no site da Conectiva.

[6] Comentário enviado por albfneto em 01/07/2008 - 17:43h

Legal. eu coloquei nos favoritos. Uso vários Linux, todos Gentoo ou Gentoo Like.


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts