Datagramas IP (Protocolo Internet)

Neste artigo, gostaria de fazer uma recapitulação do Datagrama IPv4 e mostrar as principais especificações do Datagrama IPv6, que foi originalmente oficializado em 06 de Junho de 2012.

[ Hits: 52.501 ]

Por: Perfil removido em 10/10/2012


Datagrama IPv4



Um datagrama IP, consiste de duas partes: cabeçalho e o campo de dados que transporta o IP de origem e o IP de destino.

O cabeçalho possui uma parte fixa de 20 bytes e um campo "Options" de tamanho variável. O formato do datagrama IPv4 é mostrado na figura abaixo:
Linux: Datagramas IP (Protocolo Internet)
O campo "Version", armazena a versão do protocolo a que o datagrama pertence, na versão 4 possui tamanho de 4 bits (0100).

O segundo campo, de quatro bits, é o "IHL" (acrônimo para Internet Header Length, ou seja, Comprimento do Cabeçalho da Internet), com o número de palavras de 32 bits no cabeçalho IPv4.

Como o cabeçalho IPv4 pode conter um número variável de opções, este campo essencialmente especifica o offset para a porção de dados de um datagrama IPv4.

O campo "Type of service", representa os 8 bits seguintes. A intenção original era para um nó (roteador) especificar uma preferência para como os datagramas poderiam ser manuseados assim que circulariam pela rede. Na prática, o campo ToS não foi largamente implementado.

O campo "Total Length" é o campo seguinte de dezesseis bits do IPv4, define todo o tamanho do datagrama, incluindo cabeçalho e dados, em bytes de oito bits. O datagrama de tamanho mínimo é de vinte bytes, e o máximo é 64 Kb.

O tamanho máximo do datagrama que qualquer nó requer para estar apto para manusear são 576 bytes, mas os roteadores mais modernos manuseiam pacotes bem maiores.

O campo "Identification" é um campo de identificação de 16 bits. Este campo é usado principalmente para identificar fragmentos identificativos do datagrama IP original.

Flags → O campo é utilizado para identificar e controlar fragmentos, o campo é composto por três (3) bits.

Offset → O campo é constituído por 13 (treze) bits, o offset permite que o receptor do datagrama determine o local do fragmento do pacote IP original.

TTL → O campo (time to live) ou tempo de vida do pacote, é composto por oito (8 bits), o campo tem a funcionalidade de evitar que o pacote fique percorrendo em loop sem encontrar o destino final, evitando que o datagrama IP persista. Sem o campo TTL, teríamos muitas requisições na rede mundial (Internet), o que causaria uma enorme lentidão da rede (delay), ou até mesmo, o travamento de alguns dispositivos de borda (roteadores ). O campo TTL limita a vida útil do pacote em segundos, onde cada roteador que o datagrama atravessa, é decrementado o valor do TTL que se inicia no número cento e vinte e oito (128), quando o valor chega a 0 (zero), o pacote é descartado, o TTL é considerado como uma contagem de hops (saltos).

Protocol → O campo é constituído por oito (8) bits, é neste campo que é realizado a definição de qual é o protocolo usado na porção de dados de um pacote IP. Existe a possibilidade de ser o TCP, mas há também o UDP e outros. A numeração que se aplica a todos protocolos da Internet é definida na RFC 1700.

Checksum → O campo é responsável por detectar inconsistência no datagrama IP, realizando uma checagem cíclica de todos os campos de um datagrama e identificar se nos HOPS (saltos), onde o datagrama percorreu, se não houve nenhuma falha.

Um pacote em trânsito é alterado por cada ponto (roteador) na rede por onde passa, e um destes pontos pode comprometer a integridade do pacote e o campo checksum é uma forma mais simples de detectar falhas no pacote IPv4.

Endereço de origem e destino → O campo é responsável em trafegar os endereços IPv4 de origem e destino composto por 32 bits cada, segmentado em quatro octetos de oito bits. No caso do IPv6, o campo é composto por 128 bits cada endereço.

A seguir, mostrarei as especificações do novo datagrama IPv6 e comentar as mudanças.

    Próxima página

Páginas do artigo
   1. Datagrama IPv4
   2. Datagrama IPv6
   3. Cabeçalhos de extensão
Outros artigos deste autor

FreeBSD Release 10.0 - Introdução ao sistema

Outros recursos no OpenOffice: colunas, fundo e bordas

Montando uma rede GSM

Ingressando estações de trabalho Ubuntu no AD com Closed In Directory

Gerando gráficos para interfaces de rede com MRTG

Leitura recomendada

Hotspot com Ubuntu Server 11.04 32-Bits

Texto puro - BitchX - cliente IRC

Compartilhando internet via rádio entre um servidor Linux e clientes Windows

Servidor IM interno em 5 minutos (jabber)

Aircrack-ng e sua família para quebrar WEP e WPA1

  
Comentários
[1] Comentário enviado por danniel-lara em 11/10/2012 - 09:57h

Parabéns pelo artigo
bah todo o administrador de redes teve saber essas informações, mas infelizmente muitos
nem sabe o que é isso


[2] Comentário enviado por removido em 25/03/2013 - 18:56h


[1] Comentário enviado por danniel-lara em 11/10/2012 - 09:57h:

Parabéns pelo artigo
bah todo o administrador de redes teve saber essas informações, mas infelizmente muitos
nem sabe o que é isso



valeu obrigado.

[3] Comentário enviado por xslackx em 28/03/2013 - 17:05h

Me tirou algumas duvidas, muito obrigado ficou de forma simples e exata.

[4] Comentário enviado por removido em 01/04/2013 - 10:43h


[3] Comentário enviado por xslackx em 28/03/2013 - 17:05h:

Me tirou algumas duvidas, muito obrigado ficou de forma simples e exata.


obrigado,

mas uma ótima fonte sobre o assunto principalmente da versão IPV6 é este site:

http://ipv6.br/

[5] Comentário enviado por lmenssor em 26/10/2013 - 18:15h

Parabéns pelo artigo !!!


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts