Criando um banco de dados para obter ajuda do sistema

O Linux possui um recurso de base de dados de arquivos muito mais eficaz que o comando find, usado para buscar arquivos no disco rígido. Saiba mais sobre este recurso lendo este artigo.

[ Hits: 14.088 ]

Por: Breny Ricardo Martins Coelho em 12/11/2003


Introdução



Como já estamos sabendo, o sistema Linux é bastante versátil quando quer nos ajudar, mas nós precisamos fazer a nossa parte e isso quer dizer que, para alguns casos, devemos criar um banco de dados para que o sistema Linux o utilize para fazer pesquisas nesse afim de nos fornecer as informações de que precisamos.

O primeiro comando que devemos usar depois que nossa instalação de um sistema Linux for concluída é o:

# updatedb

Esse comando atualiza um banco de dados que contém o local e o nome de todos os arquivos em seu sistema.

Esse comando poderá criar o banco de dados dos seus arquivos locais ou remotos, porém tome cuidado se você for usá-lo em rede com compartilhamento, pois o seu banco poderá ficar gigantesco e nem sempre (é raro) você precisará ter tanta informação compilada.

Lembre-se também que a sua partição local do Windows não é interessante, pois raramente você precisará via Linux encontrar um arquivo na partição VFAT. Caso isso venha a ocorrer, nada melhor que o bom e velho comando find para ajudá-lo.

Digite:

$ df

O comando df é utilizado para saber quais são os pontos de montagem ativos no sistema e saber qual deverá entrar ou não em seu banco de dados. A seguir, veja o comando df sem argumentos e com os pontos de montagem:

$ df
Filesystem  1k-blocks Used    Available Use% Mounted on
/dev/hda5   505960    334420  145840    70%  /
/dev/hda7   150168    81312   61228     57%  /home
/dev/hda8   2379700   1485292 773524    66%  /usr
/dev/hda1   3136404   1617632 1518772   52%  /mnt/windows
/dev/fd0    1432      1429    3         100% /mnt/floppy
/dev/hdc    247608    247608  0         100% /mnt/cdrom
//m6/net    3120320   2019648 1100672   65%  /root/mnt/m6/net

O que percebemos aqui é que os pontos de montagem:

/mnt/floppy;
/mnt/cdrom;
/mnt/windows;
/root/mnt/m6/net


pela lógica, não devem ser incluídos nesse banco de dados. Então como é que podemos evitar isso? Simples, use assim:

# updatedb --prunepaths="/mnt/floppy, /mnt/cdrom, /mnt/windows"

Mas isso só se esses pontos de montagem estiverem montados, caso contrário não será preciso. O argumento "--prunepaths" é usado para os diretórios que não deverão ser incluídos. O padrão é:

/tmp;
/usr/tmp;
/var/tmp.


Já o argumento "--netpaths" é usado para os diretórios de rede (NFS, AFS, RFS) que deverão ser incluídos. E por fim, o argumento "--output=dbfile" refere-se ao arquivo de base de dados que você quer construir como arquivo alternativo. O padrão usado é:

/usr/local/var/locatedb

Bom, depois de tudo isso, agora você poderá usar o comando:

$ locate

para encontrar os arquivos sobre os quais deseja obter informações (caminho, documentos, manuais e compartilhamento).

A grande vantagem é que a pesquisa não é feita em seu disco rígido e sim no arquivo de base de dados, o que é extremamente veloz.

   

Páginas do artigo
   1. Introdução
Outros artigos deste autor

Instalando Oracle 10G

Criando disquetes de inicialização

Política de segurança com o Samba

Configurando uma OpenVPN com o BRMA

Implementando um servidor de domínio

Leitura recomendada

Free Pascal Compiler

Por que Gentoo é diferente?

Slides em PDF com o LaTeX

Convertendo sistemas físicos em máquinas virtuais

Qual o valor de seu trabalho

  
Comentários

Nenhum comentário foi encontrado.


Contribuir com comentário