Criando um banco de dados para obter ajuda do sistema

O Linux possui um recurso de base de dados de arquivos muito mais eficaz que o comando find, usado para buscar arquivos no disco rígido. Saiba mais sobre este recurso lendo este artigo.

[ Hits: 13.729 ]

Por: Breny Ricardo Martins Coelho em 12/11/2003


Introdução



Como já estamos sabendo, o sistema Linux é bastante versátil quando quer nos ajudar, mas nós precisamos fazer a nossa parte e isso quer dizer que, para alguns casos, devemos criar um banco de dados para que o sistema Linux o utilize para fazer pesquisas nesse afim de nos fornecer as informações de que precisamos.

O primeiro comando que devemos usar depois que nossa instalação de um sistema Linux for concluída é o:

# updatedb

Esse comando atualiza um banco de dados que contém o local e o nome de todos os arquivos em seu sistema.

Esse comando poderá criar o banco de dados dos seus arquivos locais ou remotos, porém tome cuidado se você for usá-lo em rede com compartilhamento, pois o seu banco poderá ficar gigantesco e nem sempre (é raro) você precisará ter tanta informação compilada.

Lembre-se também que a sua partição local do Windows não é interessante, pois raramente você precisará via Linux encontrar um arquivo na partição VFAT. Caso isso venha a ocorrer, nada melhor que o bom e velho comando find para ajudá-lo.

Digite:

$ df

O comando df é utilizado para saber quais são os pontos de montagem ativos no sistema e saber qual deverá entrar ou não em seu banco de dados. A seguir, veja o comando df sem argumentos e com os pontos de montagem:

$ df
Filesystem  1k-blocks Used    Available Use% Mounted on
/dev/hda5   505960    334420  145840    70%  /
/dev/hda7   150168    81312   61228     57%  /home
/dev/hda8   2379700   1485292 773524    66%  /usr
/dev/hda1   3136404   1617632 1518772   52%  /mnt/windows
/dev/fd0    1432      1429    3         100% /mnt/floppy
/dev/hdc    247608    247608  0         100% /mnt/cdrom
//m6/net    3120320   2019648 1100672   65%  /root/mnt/m6/net

O que percebemos aqui é que os pontos de montagem:

/mnt/floppy;
/mnt/cdrom;
/mnt/windows;
/root/mnt/m6/net


pela lógica, não devem ser incluídos nesse banco de dados. Então como é que podemos evitar isso? Simples, use assim:

# updatedb --prunepaths="/mnt/floppy, /mnt/cdrom, /mnt/windows"

Mas isso só se esses pontos de montagem estiverem montados, caso contrário não será preciso. O argumento "--prunepaths" é usado para os diretórios que não deverão ser incluídos. O padrão é:

/tmp;
/usr/tmp;
/var/tmp.


Já o argumento "--netpaths" é usado para os diretórios de rede (NFS, AFS, RFS) que deverão ser incluídos. E por fim, o argumento "--output=dbfile" refere-se ao arquivo de base de dados que você quer construir como arquivo alternativo. O padrão usado é:

/usr/local/var/locatedb

Bom, depois de tudo isso, agora você poderá usar o comando:

$ locate

para encontrar os arquivos sobre os quais deseja obter informações (caminho, documentos, manuais e compartilhamento).

A grande vantagem é que a pesquisa não é feita em seu disco rígido e sim no arquivo de base de dados, o que é extremamente veloz.

   

Páginas do artigo
   1. Introdução
Outros artigos deste autor

Implementando um servidor de domínio

OpenLDAP e Samba (redundância)

Política de segurança com o Samba

Configurando uma OpenVPN com o BRMA

Criando disquetes de inicialização

Leitura recomendada

Por que a interface Unity é melhor que as interfaces do Windows 7 e MacOS X

fprint: Biometria livre, completa e total!

História da informática: Um pouco de datas e especificações

Fazendo o Palm/Treo Funcionar no Ubuntu/KUbuntu

Switch HP + Gerenciador Console + VLAN + DMZ + CentOS com VLAN

  
Comentários

Nenhum comentário foi encontrado.


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts