Ajeitando o blackbox

Sei que o Blackbox é muito usado, mas para um iniciante o Blackbox parece aterrorizante. Pensando nisso resolvi escrever esse artigo, que traz dicas sobre como deixar o Blackbox com sua cara.

[ Hits: 27.188 ]

Por: Carlos Roberto M. Medeiros junior em 19/06/2006


Editando o menu do Blackbox



Vou tentar explicar como fazer o seu próprio menu do Blackbox. Para personalizar o menu do Blackbox temos que editá-lo:

# joe /usr/X11/share/blackbox/menu

[begin] - nome do menu, caso queira que o menu tenha o nome de Slackware, essa opção ficaria assim:

[begin]        (Slackware)

[submenu] - o próprio nome já diz, é um submenu. Claro que temos que colocar um nome nele, caso contenha terminais, poderia ter o nome de terminais, isso ficaria assim:

[submenu]      (Terminais)

Todo fim de submenu tem que ter um "end" ou então você colocará todos os próximos comandos dentro do mesmo submenu.

[exec]        (Firefox)          {firefox}

A linha acima iria criar um botão chamado Firefox que executaria o "firefox".

[exec] - seria para executar o comando que está dentro de chaves {}; (firefox) - tudo que estiver dentro de parênteses () é nome; {firefox} - comando a ser executado.

Darei um exemplo de um menu que tem três botões funcionando e tem o nome de VOL:

[begin]   (VOL)

[exec]    (AMSN)     {amsn}
[exec]    (Firefox)  {firefox}
[exec]    (gkrellm)  {gkrellm}

Aconselho olhar com atenção o menu antes de alterá-lo.

Bom, é isso aí, agradeço a todos do VOL, pois sem vocês eu não usaria Linux. Comecei a usá-lo e em 2 dias conheci o VOL, muito obrigado por me livrarem do Windows.

Caso haja dúvidas sobre alguma coisa, ficarei feliz em responder. Também responderei criticas, reclamações, elogios e etc, é só me mandar por e-mail: [email protected]

Espero ajudar alguém com o artigo. Até mais. ;-p

Página anterior    

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Personalizando o Blackbox
   3. Instalando o Superkaramba
   4. Editando o menu do Blackbox
Outros artigos deste autor

Configurando Apache + MySQL + PHP no Slackware

Leitura recomendada

Fontes com filtros LCD no Arch Linux

Configuração de teclado e dispositivos de entrada em geral a partir do HAL no Xorg 1.5 e superiores

50 toques antes de instalar o Slackware 14.1

Arquivos de configuração de rede - Parte I - /etc/hosts

Debmirror: Criando um repositório Debian na rede local

  
Comentários
[1] Comentário enviado por jose_maria em 19/06/2006 - 21:36h

O kdesktop se não me engano é o programa do kde que faz o fundo dele, os ícones do desktop e tudo, acho que é lá que o superkaramba fica "pregado". Parabéns pelo artigo, só faltou uns screenshots.

[2] Comentário enviado por pacman em 20/06/2006 - 00:09h

sobre o vi:
w salva
q fecha o arquivo
! eu acho que executa.

o '!' força a ação 'salvar' caso o arquivo não tenha permissão de escrita. basicamente o bit 'w' é setado (se necessário), o arquivo é salvo e depois o bit volta ao normal.

Realmente faltou uns screenshots ai, sera que não podes incluir??

[3] Comentário enviado por f360c4 em 20/06/2006 - 10:25h

muito bom artigo, agora fica a Duvida . . . . FLUX OU BLACK??????

sei lá, mas usei o black um tempinho, o flux é a evolução dele concerteza, mas os 2 são os melhores

[4] Comentário enviado por those em 20/06/2006 - 11:01h

Fluxbox 'devil ' ;x

[5] Comentário enviado por removido em 20/06/2006 - 12:07h

seria legal, mostrar alternativas ao superkaramba ja que o mesmo depende do kde o que nao seria uma alternativa muito boa pra si usa em outros ambientes

[6] Comentário enviado por medeiros64 em 20/06/2006 - 13:56h

f360c4, bom realmente o flux é a evoluçao do blackbox, ultimamente uso o flux, mas a intençao mesmo foi mostrar um pouco do ambiente blackbox, acho que ele é pouco usado pq quando estamos migrando p/ o linux adimito ser mas facio clickar no menu do kde rsrsr, entao nosso primeiro embiente normalmente se torna o mais agradavel.

icarooo entao sitei o superkaramba no artigo pois é muito dificio rodar o gdesklets com perfeiçao, e pelo q vi o blackbox nao tem a "bandeija" entao nao sei como iria funcionar o gdesklets no blackbox, já q p/ instalarmos um tema no gdesklets temos q clickar no icone q fica na bandeija.
poderia ter falado um pouquinho do adesklets mesmo foi mau, valew a dica.

he he he desculpa faltou o screen mesmo fica p/ proximo entao ....

[7] Comentário enviado por keller em 21/06/2006 - 16:37h

Legal, mas ainda acho que deveria ter sido feito esse artigo utilizando o Fluxbox, visto que o blackbox é um ambiente antigo e não esta mais sendo atualizado. Ja o fluxbox seria tipo uma evolução do blackbox em constante aprimoramento.

[8] Comentário enviado por GnU-Linux em 21/06/2006 - 19:25h

Parabens irmão!

Apesar de fam do Window Maker, acho Blackbox um otimo gerenciador de janelas e o seu artigo foi otimo.

Abraços

[9] Comentário enviado por d1060 em 09/12/2006 - 13:31h

bixo, boa dik, mas tenho algumas objeçoes: tu chama o kde pra rodar em cima do fluxbox.... eu num consigo nem usar os menus do flux assim... como e que tu faz pra navegar? ou tu usa o konqueror tbm.... kara, pra que serve o flux entao se nem usa?... mas ta valendu... flw!

[10] Comentário enviado por medeiros64 em 24/12/2006 - 10:20h

cara consigu usa os menus tudo normalmente como se eu estive-se usando somente o flux só acontece o q tu disse quando eu dou o comando startkde
blz da uma olhadinha ve se nao pulou alguma parte flw
abraço e feliz natal

[11] Comentário enviado por evilrick em 17/01/2007 - 10:47h

d1060:
Usar o Konqueror no Blackbox não é tão legal assim, já que ele teria que carregar as lib do KDE (seria mais lento e mais pesado).

Para navegar entre os arquivos recomendo o Thunar.
O Thunar, além de não ser feioso é bem rápido e prático. Eu, que já o usava no Flux, o estou usando no Gnome tb. E, como roda no Fluxbox, deve funfar no Blackbox tb.

Experimente. acredito que vc vai gostar.

[]s mano.

[12] Comentário enviado por __KERNEL__ em 09/11/2009 - 08:40h

Uma contribuição conceitual...

O Blackbox é um gerenciador de janelas. O KDE é um ambiente gráfico completos, que possui, entre outras coisas, um gerenciador de janelas(o kwin).
O kdesktop é outro componente do KDE, que é, como o nome diz, um desktop.

Mas afinal, o que o blackbox tem que o kwin não tem? Simples, o blackbox é feito para trabalhar sozinho, embora possa fazer parte de um sistema maior. O kwin foi feito para ser utilizado no KDE. O blackbox é um projeto menor, não depende das toneladas de bibliotecas que o kwin utiliza, e portanto é muito mais leve.

Experimente iniciar o blackbox, e dentro dele, abrir um terminal e digitar:
$ startkde

Vocês estarão utilizando o KDE tendo o blackbox como gerenciador de janelas, ao invés do kwin(vocês verão um erro do kwin ao iniciar no output do terminal). Experimentem observar a decoração das janelas, clicar com o direito em suas barras de títulos, entre outras coisas. Logo após, encerre o KDE e o blackbox, e inicie o KDE sem ele. Realize o mesmo teste, observando a decoração das janelas e clicando com o direito em sua barra de títulos, que verão a grande diferença. Eu, particularmente, prefiro o blackbox ao kwin(até porque a barra de títulos do kwin ocupa o dobro do espaço que a do blackbox ocupa).

[]'s


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts