A ferramenta Nagios aplicada a IPv6

Aplicando monitoramento da ferramenta Nagios sob túnel IPv6.

[ Hits: 5.547 ]

Por: Kleber da Silva Rodrigues em 31/10/2016


Configuração



Fazendo login na interface web do Nagios

Por padrão, para acessar o Nagios, é necessário ter um usuário e senha. Estes usuários ficam cadastrados no arquivo texto "htpasswd.users", localizado no diretório /etc/nagios3/.

O arquivo "htpasswd.users" e gerado através do programa htpasswd.

Este programa é utilizado para criar uma base de dados simples no formato "usuario:senha".

Esta base é usada, então, pelo servidor web Apache como uma das formas de proteger o acesso a um determinado site ou página web.

Para que haja uma melhor compreensão de como funciona o htpasswd vamos criar um novo usuário para acesso ao Nagios:

# htpasswd -c /etc/nagios3/htpasswd.users nagios

Obs.: após o comando, irá pedir um senha e sua confirmação.

Conforme a linha de comando acima, adicionamos no arquivo "htpasswd.users", o usuário de nome "nagios" com a senha "nagiosipv6".

Arquivos de Configuração do Nagios

cgi.cfg: assim como todos os arquivos de configuração, este arquivo está localizado no diretório /etc/nagios3/.

Este arquivo é invocado pelo programa CGI para o funcionamento propriamente dito do Nagios. Neste arquivo são configurados diversos parâmetros, dentre os quais, destacam-se:
  • arquivo de configuração principal;
  • arquivos html;
  • autenticação;
  • usuário administrador;
  • usuário padrão;
  • padrão de acesso;
  • background do mapa de status.

Muitos outros parâmetros estão configurados neste arquivo. Como o arquivo e por padrão todo comentado, basta abri-lo com o editor de sua preferência para obter detalhes de todos os parâmetros que estão disponíveis para uso. Isto vale para todos os outros arquivos de configuração.

contacts.cfg: (/etc/nagios3/) neste arquivo são definidos os parâmetros utilizados no processo de notificação. O arquivo contem dentre outras definições:
  • nome de contato;
  • período de notificação (24x7);
  • e-mail de quem ser notificado.

nagios.cfg: este é o principal arquivo de configuração do Nagios.

Neste arquivo encontram-se dentre outras, definições quanto:
  • arquivo de log;
  • arquivos de configuração de objetos (comandos, contatos, per odos, templates);
  • arquivos de configuração de hosts (localhost, windows, switch, impressoras).

resources.cfg: este arquivo contém a definição de macros que podem ser utilizadas por outros arquivos de configuração; de maneira que, ao invés de usar em algum arquivo o caminho /usr/local/nagios/libexec, pode-se simplesmente utilizar o macro "$USER1".

Além destes arquivos, o Nagios utiliza outros localizados no subdiretório "objects".

O conteúdo destes arquivos podem ser concentrados em apenas um, porém, por padrão eles são separados a fim de facilitar o processo de configuração que costuma ser algo bastante trabalhoso.

commands.cfg: ficam dentro deste arquivo, as definições relativas à execução de comandos de verificação que serão utilizados para monitorar os hosts e os serviços.

contacts.cfg: trata-se de um segundo arquivo com o e-mail das pessoas ou grupos, que deverão ser notificados quando um host, serviço ou grupo de host ou grupo de serviço ficar inoperante.

localhost.cfg: arquivo que contém a máquina local e serviços locais a serem monitorados, este arquivo pode ser utilizado, como exemplo, para criar outros arquivos para a monitoração de qualquer outro host ou grupo de hosts.

printer.cfg, switch.cfg, routes.cfg: arquivos de exemplo de monitoração.

templates.cfg: arquivo que contém exemplos de configuração para hosts, serviços, contatos etc.

timeperiods.cfg: este arquivo contém os períodos em que o monitoramento deve estar ativo.

Outra questão a ser considerada, é a de que o nome dos arquivos não tem muita importância, pois o que for colocado dentro do diretório "objects" será lido pelo Nagios e, consequentemente, posto em execução/monitoração, bastando que o arquivo seja declarado no arquivo "nagios.cfg".

Definir um host para monitorar

Como explanado anteriormente, são vários os arquivos que podem ser utilizados para definir a monitoração de um host, como não é objetivo deste artigo esgotar as possibilidades de configuração do Nagios, veremos a seguir, a forma mais simples de se colocar um host em monitoração.

1. Definimos a categoria de monitoração hosts acrescentado no arquivo /etc/nagios3/nagios.cfg a linha:

cfg_file=/etc/nagios3/hosts.cfg

2. O arquivo "hosts.cfg" deve ser criado dentro do diretório /etc/nagios3/, como no exemplo abaixo:

define host {

use               linux-server
host-name   servidor-01
alias             servidor-01
address       ipservidor-01
}

define hostgroup {

hostgroup_name    remote-linux-servers
alias                         Remote Linux Servers
members                 servidor-01
}

define service {

use generic-service
host_name        servidor-01
service_description PING
check_command check_ping!100.0,20%!500.0,60%
}

Observe que, conforme o exemplo acima, além do novo host que foi definido para monitorar, foi definido um novo grupo, "remote-linux-servers". Para que o Nagios verifique ao menos se o servidor está ativo ou não, também precisa ser definido junto com o host o serviço de ping.

As novas configurações do Nagios são colocadas no "ar", reiniciando o sistema com o comando:

# /etc/init.d/nagios3 restart

Os arquivos de grupos de hosts e serviços, também podem ser definidos em arquivos em separado, bastando apenas referencia-los no arquivo "nagios.cfg". Como dito anteriormente, há varias formas de configurar os métodos no Nagios, ficando a critério do administrador do sistema escolher como.

Para ficar mais claro esta situação, vamos definir um grupo onde todos os hosts serão incluídos.

1) Definimos a categoria de monitoração hostgroup acrescentado no arquivo /etc/nagios3/hostsgroup.cfg.

2) Criamos o arquivo "hostgroup.cfg" dentro do diretório /etc/nagios3/ como no exemplo abaixo:

define hostgroup {

hostgroup_name all-host
alias All Hosts of System
members localhost,servidor-01
}

3) Reiniciamos o Nagios para colocar as novas configurações "no ar":

# /etc/init.d/nagios3 restart

DICA: alternativamente ao processo de reinicialização do Nagios, para que as novas configurações tenham efeito, pode-se apenas forçar a releitura dos arquivos de configuração substituindo a opção "restart" por "reload".

Como resultado da criação do novo grupo de servidores, acessando o menu "Current Status > Host Groups", teremos algo como apresentado na figura a seguir:
Linux: A Ferramenta Nagios Aplicado a IPv6
Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Instalação utilizando pacotes prontos
   3. Configuração
   4. Aplicação do Nagios para IPv6
   5. Configuração do Nagios3
Outros artigos deste autor
Nenhum artigo encontrado.
Leitura recomendada

Implementando Servidor NTP no Debian

Configurando Zabbix Server no Debian

Docker - Containers em Linux (parte 2)

Instalando DNS Server (BIND) no CentOS 7

Problemas encontrados na adoção do IPv6

  
Comentários

Nenhum comentário foi encontrado.


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts