Apagar pasta [RESOLVIDO]

1. Apagar pasta [RESOLVIDO]

Juliano
jubatuba

(usa Linux Mint)

Enviado em 26/06/2008 - 15:22h

Pessoal, ja pesquisei um monte, mas tudo q vejo diz que rmdir apaga um diretorio "vazio".
E se estiver cheio ... como eu faço pra apagar esse diretório ?
obrigado.


  


2. Re: Apagar pasta [RESOLVIDO]

Vinicus S Moraes
vsmoraes

(usa Arch Linux)

Enviado em 26/06/2008 - 15:35h

rm -R <diretorio>


3. Re: Apagar pasta [RESOLVIDO]

Victor Gouveia de Andrade
VictorAndade

(usa Kurumin)

Enviado em 26/06/2008 - 15:36h

rm –r "nome da pasta"
o problema e que vc tem que fica dando yes para todos arquivos...


4. Re: Apagar pasta [RESOLVIDO]

Cristiano
sempreslack

(usa Slackware)

Enviado em 26/06/2008 - 15:52h

pode dar rm -rf nomedapasta
ou remover como root e remover como rm -r nomedapasta, dessa forma n te pergunta nada, só remove


5. apagando uma pasta com o diretório cheio

wellington fonseca neto
wfn

(usa Ubuntu)

Enviado em 10/12/2010 - 20:28h

bom estava com a mesma dúvida mas as respostas dos amigos nao estava a contento, e mexendo consegui, entao vou postar aqui para ajudar, o comando para excluir uma pasta com o diretório cheio sem excluir todo o diretório é sudo rm -r /usr/lib/w32codecs no exemplo a pasta que eu havia criado era w32codecs e o lugar onde ela estava era na pasta usr e depois abria a pasta lib e lá estava a pasta w32codecs logo basta encontrar a pasta e indicar o caminho onde ela Esta e por o comando que Esta ai, se quiser copiar e colar no terminal tambem funciona sudo rm -r ... bom é isso espero ter ajudado
abraçao fiquem na paz do senhor!


6. Re: Apagar pasta [RESOLVIDO]

Eduardo
anonymous

(usa Debian)

Enviado em 10/12/2010 - 20:55h

Pode utilizar o rm -r <diretorio> ou rm -rf <diretorio>

Uma referência muito boa para aprender sobre os comandos no Linux, é o Guia Foca. Se tiver interessado é só acessar
http://focalinux.cipsga.org.br
http://focalinux.cipsga.org.br/guia/iniciante/ch-cmd.htm#s-comando-rm

Espero ter ajudado.


7. apagar

Fernando Rambolt
rambolt

(usa Outra)

Enviado em 20/04/2011 - 19:45h

mkdir no da pasta


8. Re: Apagar pasta [RESOLVIDO]

sebastiao araujo de avelar
sebastiao junior

(usa CentOS)

Enviado em 26/08/2011 - 12:28h

rm -rf <diretorio>



9. Re: Apagar pasta [RESOLVIDO]

RAMBO
rambo

(usa Slackware)

Enviado em 18/04/2012 - 16:20h

rambolt escreveu:

mkdir no da pasta



mkdir serve para criar diretórios!

Ex:

mkdir teste
cria um diretório teste no diretório corrente, ou seja, em ./

mkdir /home/linux/documentos
cria o diretório documentos no diretório /home/linux.

mkdir -m 0700 arquivos
cria o diretório arquivos no diretório corrente com a permissão 0700.



10. Re: Apagar pasta [RESOLVIDO]

andre luiz
xiloba

(usa Slackware)

Enviado em 06/04/2013 - 20:12h

Bem, o tópico já foi resolvido, mas deve ser grande o número de pessoas que o encontram quando estão na internet pesquisando como remover arquivos, diretórios etc.
Achei que o post abaixo é um dos melhores sobre o assunto, pois a maioria usa rm para remover arquivos ou diretórios. Não é uma boa solução, se o arquivo for confidencial. Veja só:

http://www.jsena.info/2011/04/18/voce-ainda-apaga-arquivos-com-o-rm-removendo-arquivos-de-maneira-se...


Remover arquivos faz parte da rotina diária de qualquer usuário de um sistema operacional, não é mesmo? Provavelmente você deve fazer isso algumas dezenas de vezes ao longo de um dia de trabalho em frente ao computador. Caso um arquivo qualquer (como uma ISO de um sistema operacional, por exemplo) esteja sendo apagado simplesmente para liberar espaço em seus meios de armazenamento, que mal há utilizar o bom e velho “rm”? Por outro lado, tenho a impressão de que você não gostaria de saber que aquele script que contém todas as suas regras de firewall, por exemplo, ou qualquer outro arquivo com alguma informação sensível pode cair em mãos erradas se você confiar no apenas no “rm”.

Bem, primeiramente, permita que eu me desculpe por ‘descortinar’ essa verdade caso você ainda achasse, até o parágrafo anterior, que um “rm -f” era um comando forte e com tanta ‘personalidade’ ao ponto de mandar pro espaço qualquer arquivo ou diretório. O fato é que ao remover um arquivo com esse comando o sistema operacional, em poucas palavras, simplesmente retira os “ponteiros” para os blocos de dados que formavam o arquivo. Por outro lado, esses blocos estão lá em seu HD e podem, com a ajuda de algumas ferramentas, ser recuperados. Provavelmente esses blocos irão ser sobrescritos apenas quando novos arquivos forem utilizando aqueles mesmos espaços e isso pode demorar um tempo bastante considerável principalmente se o computador em questão não tiver operações um fluxo de gravação de arquivos muito intenso.

E, antes que você se pergunte, mas quem pode ter acesso ao meu HD? Bem, fácil. Seu computador pode ser invadido através da Internet, você pode perdê-lo, você pode ser roubado, você pode vendê-lo ou você pode mandá-lo para uma assistência técnica para consertar um problema, por exemplo. Enfim, são muitas as possibilidade, não é verdade? Pior ainda quando se está falando dos pequenos e portáteis pen drives que carregamos conosco o tempo todo para todo lugar. Quando é possível, pode-se utilizar os sistemas de arquivos criptografados. Entretanto, em situações onde não é possível utilizar essas soluções, é preciso tomar cuidado para garantir que arquivos sensíveis foram, de fato, removidos.


A notícia boa é que existe um “irmão” do rm que pode ser utilizado para fazer a remoção de arquivos cujo conteúdo você deseja manter longe das mãos dos curiosos. Trata-se do shred. E sabe o qué melhor? Provavelmente ele já encontra-se instalado em seu sistema GNU/Linux mesmo que você nunca o tenha utilizado. Vamos, então, dar uma olhada nesse comando?

Suponnha que você tenha um arquivo com algum dado sensível:

$ echo "Esse arquivo possui dados secretos." > /tmp/segredo.txt
$ cat /tmp/segredo.txt
Esse arquivo possui dados secretos.
Em seguida, utilize o comando shred simplesmente indicando o arquivo recém-criado:

$ shred /tmp/segredo.txt
E agora, tente dar uma olhada no conteúdo do arquivo utilizando o comando cat:

$ cat /tmp/segredo.txt
E aí, surpreso com o que você viu?

Caso você deseje que o shred remova o arquivo após “bagunçar” seus dados você pode utilizar a opção “-u”. E ainda, se quiser acompanhar de perto o que o shred está fazendo durante seu período de execução basta acrescentar, como em muitos outros comandos dos sistemas Unix, o parâmetro “-v”. Então, experimente executar o shred com a seguinte sintaxe:

$ shred -u -v /tmp/segredo.txt
shred: /tmp/segredo.txt: pass 1/3 (random)...
shred: /tmp/segredo.txt: pass 2/3 (random)...
shred: /tmp/segredo.txt: pass 3/3 (random)...
shred: /tmp/segredo.txt: removing
shred: /tmp/segredo.txt: renamed to /tmp/00000000000
shred: /tmp/00000000000: renamed to /tmp/0000000000
shred: /tmp/0000000000: renamed to /tmp/000000000
shred: /tmp/000000000: renamed to /tmp/00000000
shred: /tmp/00000000: renamed to /tmp/0000000
shred: /tmp/0000000: renamed to /tmp/000000
shred: /tmp/000000: renamed to /tmp/00000
shred: /tmp/00000: renamed to /tmp/0000
shred: /tmp/0000: renamed to /tmp/000
shred: /tmp/000: renamed to /tmp/00
shred: /tmp/00: renamed to /tmp/0
shred: /tmp/segredo.txt: removed
É interessante notar que durante sua execução, o shred preencheu o conteúdo do arquivo três vezes com dados aleatórios e depois, antes de removê-lo, o comando renomeou o arquivo 11 vezes.

Para promover um processo um pouco mais seguro, você pode ainda selecionar o número de interações que o shred irá fazer substituindo o conteúdo do arquivo utilizando o parâmetro “-n <qtde>”. Por exemplo:

$ shred -n 25 -u -v /tmp/segredo.txt
Observe que, nesse caso, alternou o processo de substituição do conteúdo com alguns padrões fixos e dados aleatórios. Outra opção interessante até para “esconder” a ação do shred é solicitar que depois de todas as interações, ele substitua os dados do arquivo com zeros. Isso pode ser feito por meio da adição do parâmetro “-z”:

$ shred -n 25 -u -v -z /tmp/segredo.txt
Como “tudo” em sistemas GNU/Linux (Unix, na verdade) é representado por meio de arquivos, você pode utilizar o shred como uma ferramenta para apagar HDs ou outros dispositivos de armazenamento inteiros. Isso pode ser útil quando você vai repassar esse equipamento para outra pessoa. Para isso, basta passar como argumento o arquivo que representa o seu dispositivo de armazenamento. Por exemplo:

# shred -n 30 -v -z /dev/sda
Duas observações importantes aqui: primeiro, essa operação, salvo alguma configuração prévia, requer privilégios de root (observe o prompt como “#” no exemplo anterior). Segundo, tome muito cuidado para não passar o dispositivo errado e apagar coisas erradas! Ou seja, esse comando não é recomendado se você não estiver em paz e bem tranquilo!

Sim, é certo que com algum investimento em tecnologias mais avançadas de hardware e software, é possível recuperar dados mesmo que eles tenham sido sobrescritos diversas vezes.


11. como apagar uma pasta

maximuz
atalaia33

(usa Outra)

Enviado em 02/02/2014 - 04:21h

meu amigo eu tive uma esperiência muito grande com esse negocio de apagar alguma pastas:
eu estou usando o ubuntu studio, e na hora de apagar o repositorio não conseguir, então instalei o nautilus ( # sudo apt-get install nautilus) quando digitei ( sudo nautilus ) surgiu uma pagina comum e as pasta que estava chaveada passei a ver os seus conteudos. então cliquei lado direito do mouse e apareceu a opção "mover para lixeira" mas depois não consegui deletar da lixeira...
mas não desistir encontrei uma dica que era assim:
$ rm -r < nome-do-arquivo>
conseguir deletar as pastas comum, as chaveada consegui assim:
$ sudo su
# cd
# ls
# rm -r < nome-do-arquivo>


12. Resolvido

jose carlos roza rebeque
jcrrebeque

(usa Fedora)

Enviado em 27/02/2014 - 10:43h

Obrigado mais uma vez, consegui apagar o diretorio com as informações obtidas aqui.



01 02



Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts