Fedora 18 - Alterando modo de inicialização com systemd

Publicado por Thiago Trancoso De Morais em 29/04/2013

[ Hits: 18.395 ]

Blog: http://mad2ogs.blogspot.com.br/

 


Fedora 18 - Alterando modo de inicialização com systemd



Fala pessoal.

Existem diversas dicas, aqui mesmo no VOL, sobre como alterar o modo de inicialização padrão do GNU/Linux (runlevel).

De uma forma geral, basta editar o arquivo /etc/inittab e realizar a configuração na última linha, de acordo com o que você quer.

Exemplo de um arquivo inittab, padrão Red Hat, para iniciar o sistema em modo gráfico:

# Default runlevel. The runlevels used are:
#    0 - halt (Do NOT set initdefault to this)
#    1 - Single user mode
#    2 - Multiuser, without NFS (The same as 3, if you do not have networking)
#    3 - Full multiuser mode
#    4 - unused
#    5 - X11
#    6 - reboot (Do NOT set initdefault to this)
#

id:5:initdefault:


Bom, mas o que vou falar aqui não é sobre o inittab, e sim sobre o systemd.

O Fedora (a partir da versão 15) vem utilizando um sistema de chamado systemd, que mudou um pouco o jeito de fazer algumas tarefas. Uma delas é a inicialização do sistema GNU/Linux.

Recentemente, instalei o Fedora 18 em uma máquina virtual e precisei alterar o modo de inicialização para modo texto e, ao abrir o arquivo /etc/inittab, vi a seguinte "mensagem":

# inittab is no longer used when using systemd.
#
# ADDING CONFIGURATION HERE WILL HAVE NO EFFECT ON YOUR SYSTEM
#
# Ctrl-Alt-Delete is handled by /etc/systemd/system/ctrl-alt-del.target
#
# systemd uses 'targets' instead of runlevels. By default, there are two main targets:
#
# multi-user.target: analogous to runlevel 3
# graphical.target: analogous to runlevel 5 #
# To set a default target, run:
#
# ln -s /lib/systemd/system/.target /etc/systemd/system/default.target
#


Traduzindo: "inittab" não é mais utilizado quando o systemd é usado. Colocar configurações neste arquivo não terá nenhum efeito sobre o sistema.

Então, como é que agente vai fazer para alterar o modo de inicialização do sistema?

O próprio arquivo informa como devemos fazer isso, mas é bom, sempre bom, fazer uma pesquisa para ter certeza.

Esta página explica como fazer e também dá informações adicionais sobre o systemd:
Antes de tudo (parece idiota), você precisa abrir o arquivo /etc/inittab para ter certeza de que o systemd está instalado. Outra maneira de saber, é verificando se existe os pacotes do systemd instalados no seu sistema:

# rpm -qa | grep systemd
systemd-libs-195-15.fc18.i686
systemd-195-15.fc18.i686
systemd-sysv-195-15.fc18.i686

Se o arquivo /etc/inittab "falar" alguma coisa sobre o systemd, e a saída do comando rpm apresentar estes pacotes, então provavelmente seu sistema usa o systemd.

O systemd funciona através de "targets" (ou destinos) e, segundo o site de referência, é um substituto bem mais flexível para tratar (entre outras coisas) os runlevels.

Então, vamos ao trabalho:
  • O runlevel 3 (modo texto) é emulado pelo arquivo: multi-user.target
  • O runlevel 5 (modo gráfico) é emulado pelo arquivo: graphical.target

Existem links simbólicos para facilitar as coisas:
  • "runlevel3.target" é um link simbólico para "multi-user.target".
  • "runlevel5.target" é um link simbólico para"graphical.target".

Se você quer apenas mudar de runlevel atual, digite os seguintes comandos (testados no Fedora 18):

Para ir para modo texto (runlevel 3):

# systemctl isolate multi-user.target
Ou:
# systemctl isolate runlevel3.target

Para ir para modo gráfico (runlevel 5):

# systemctl isolate graphical.target
Ou:
# systemctl isolate runlevel5.target

Se você quer alterar de forma "definitiva" o modo padrão de inicialização, vai precisar seguir alguns passos. Antes de tudo, é preciso apagar o links simbólico existente.

Para apagar, execute o seguinte comando:

# rm /etc/systemd/system/default.target

Agora, basta criar um novo link simbólico apontando para o destino pretendido. Para usar o modo texto (runlevel 3) como padrão, crie o seguinte link:

# ln -sf /lib/systemd/system/multi-user.target /etc/systemd/system/default.target

Para usar o modo gráfico (runlevel 5) como padrão, o comando é este:

# ln -sf /lib/systemd/system/graphical.target /etc/systemd/system/default.target

Para verificar se tudo está correto, verifique o link criado:

# ls -la /etc/systemd/system/default.target

A saída deste comando deve mostrar para qual arquivo o link está apontando:
...../etc/systemd/system/default.target --> ln -sf /lib/systemd/system/multi-user.target
Ou:
...../etc/systemd/system/default.target --> ln -sf /lib/systemd/system/graphical.target

Agora basta reiniciar o computador e pronto, o modo de inicialização padrão definido estará funcionando.

Abração a todos.
Mad2ogs

Outras dicas deste autor

Acesso a Internet via proxy em servidor GNU/Linux - Configuração via linha de comando

Leitura recomendada

Problemas com GCC no Sabayon Linux [Resolvido]

SSH com chave de autenticação pública

Usando Conky no LXDE com temperatura do processador

Beep do Sabayon - Três maneiras de remover

Como restaurar o Portage no Funtoo

  

Comentários
[1] Comentário enviado por SCHAF em 10/03/2020 - 20:48h

Prezado Thiago, muito obrigado pela dica, muito bem escrita com clareza, concisão e precisão, e que efetivamente "salvou a Pátria".
Gostaria de deixar apenas um comentário, que não refere-se à dica propriamente dita, mas aos desenvolvedores do "systemd", ou aos seus mantenedores, ou ainda aos vários distribuidores Linux, que deveriam criar um sistema (ou ferramentas) mais fáceis para a administração, pois mesmo quem "usa e abusa" do Linux há aproximadamente 20 anos, como é o meu caso, sente dificuldades e perda de tempo na hora de realizar configurações no sistema; quanto mais aos usuários mais novos e iniciantes no mundo Linux, que devem ficar bastante confusos, desorientados e desanimados!
Sinceramente, não sei por que "reinventar a roda", uma vez que o "init" funcionava tão bem, era simples e rápido de configurar, além de ser um sistema robusto e padronizado em todas as distribuições, por anos a fio!
Agora inventaram esse tal de "systemd", sistema complexo, prolixo e difícil de configurar, com muitos arquivos de configuração diferentes espalhados pelo sistema de arquivos da máquina, o que acredito, dificulta até mesmo a gestão do aspecto de segurança.
E o pior, não é padrão em todas as distribuições!
Uma verdadeira afronta à filosofia "KISS" (Keep It Simple, Stupid), e ao padrão POSIX, o que tornou, entre outras inúmeras qualidades, o Linux o sistema operancional livre mais popular do mundo - simples, robusto, estável, seguro e poderoso!
Mas se continuar assim, com cada distribuição inventando suas idiossincrasias e despadronizando o Sistema, não sabemos até quando... Parece até "conspiração do Tio Bill" para acabar com a concorrência...
Simplesmente lamentável !
Um grande abraço, e mais uma vez, muito obrigado pela preciosa dica!



Contribuir com comentário