Criando atalhos (arquivos *.desktop) manualmente no KDE, Gnome e XFCE

Publicado por Rafael Siqueira Telles Vieira em 18/02/2009

[ Hits: 40.759 ]

Blog: http://www.lia.ufc.br/~rafaelstv/

 


Criando atalhos (arquivos *.desktop) manualmente no KDE, Gnome e XFCE



Introdução

Olá pessoal,

Esta dica tem como objetivo ensinar a criar atalhos no desktop do usuário através de arquivos de texto, isto é, criando arquivos do tipo *.desktop.

Este formato de arquivo é livre e vem sendo usado tipicamente pelo KDE e o Gnome para criar atalhos e lançadores de aplicações. Recentemente o formato também foi adotado pelo XFCE.

As especificações do formato podem ser encontradas em: Desktop Entry Specification e são fornecidas pela FreeDesktop.org.

O projeto FreeDesktop tem com objetivo garantir a interoperabilidade e o compartilhamento de tecnologias entre ambientes de janelas existentes no servidor X. Os membros do projeto estão construindo uma plataforma base, que inclui padrões e programas de desktop para o Linux e o Unix.

Estrutura do arquivo

Todos os nossos arquivos deverão ter a extensão *.desktop e poderão ser criados em seu editor de textos favorito. Usarei um exemplo para demonstrar a estrutura básica de um arquivo *.desktop.

Arquivo "eclipse.desktop":

[Desktop Entry]
Exec=/home/rafael/meusProgramas/eclipse/eclipse
Icon=/home/rafael/meusProgramas/eclipse/eclipse.png
Name=Eclipse
Path=/home/rafael/meusProgramas/eclipse/trabalho

Este é o mínimo que você precisa para ter um atalho funcional em seu desktop:
  • Exec => Determina que comando deverá ser executado ao clicar sobre o atalho;
  • Icon => Determina que figura deverá ser exibida no atalho que você acabou de criar;
  • Name => Nome do atalho(*);
  • Path => Caminho usado para a execução do programa ou script.

* Este nome é o que será exibido em seu desktop, repare que o nome do arquivo (eclipse.desktop) não está necessariamente relacionado com este nome. Eu poderia nomear o atalho como Eclipse Azul e isto não invalidaria o arquivo.

Como podemos perceber o processo é bem simples, não é necessário nada mais além disso. Poderíamos inclusive remover os marcadores Icon e Path, se desejássemos.

Se você deseja tornar seu arquivo mais completo, ou sentiu a falta de alguma opção, pode verificar o arquivo de especificação no início desta dica.

Outras opções interessantes

Irei, antes de terminar esta dica, comentar sobre outros campos que o seu arquivo pode conter que são interessantes.

Arquivo "frostwire.desktop":

[Desktop Entry]
Version=1.0
Encoding=UTF-8
Exec="/home/rafael/meusProgramas/frostwire-4.17.1.noarch/runFrostwire.sh"
Icon=/home/rafael/meusProgramas/frostwire-4.17.1.noarch/FrostWire.png
Name=FrostWire
Path=/home/rafael/meusProgramas/frostwire-4.17.1.noarch/
Terminal=true
Comment=Compartilha Arquivos na Web
Type=Application
GenericName=Aplicativo P2P

  • Version => Versão da especificação usada para escrever o arquivo;
  • Encoding => Codificação usada para escrever o arquivo atalho;
  • Comment => Comentários sobre o atalho;
  • Terminal => Determina se o aplicativo será executado através de um terminal ou não;
  • GenericName => Apelido da aplicação;
  • Type => Tipo do atalho criado, os três tipos disponíveis são: Application, Link, FSDevice e Directory, que definem respectivamente atalhos para aplicativos, ligações web, sistemas de arquivos e diretórios.

Palavras finais

É isto pessoal, existem bem mais opções das que eu mencionei aqui. O ideal mesmo é ler o arquivo de especificação no início da dica. Dominando esta criação de atalhos com os arquivos *.desktop você poderá criar atalhos para montar dispositivos remotos (nfs), locais (como pendrives, DVDs, CDs) e quaisquer outros que você possa imaginar, além dos atalhos comuns para aplicações que eu mencionei nesta dica.

Bons estudos.

Para conseguir ícones livres:
Outras dicas deste autor

Traduzindo o seu man

Nokia 6101 no Linux com Gnokii - Configure seu aparelho celular

Problemas com o bootsplash?

Configurando a rede no Linux via linha de comando

Leitura recomendada

Mudar a imagem de background do GDM 3 no Debian Wheezy

Instalando Automatix2 no Ubuntu Feisty Fawn

Limitando taxa de transferência do Slackpkg

Configurando um VirtualHost no Apache

Configuração de acentos no KDE 4.4 do Kubuntu 9.10

  

Comentários
[1] Comentário enviado por rafastv em 18/02/2009 - 14:15h

Adendo:
"Type=Application" é obrigatório para atalhos no KDE. XFCE não precisa do atributo obrigatóriamente.


[2] Comentário enviado por anderson1277 em 28/03/2010 - 20:05h

Vlw pela dica

[3] Comentário enviado por ricardoperera em 28/05/2010 - 00:49h

Legal a sua dica! Sempre quis aprender a fazer isso! add aos favoritos!! Depois vou testar no Xfce!!

[4] Comentário enviado por removido em 05/01/2011 - 16:06h

alem desse normal da para colocar nos atalhos principais,links da rede e personaliza-lo

[5] Comentário enviado por xaropebr em 18/12/2015 - 10:36h

obrigado mas faltou voce colocar as entrada do menu iniciar ex:

hardinfo.desktop
Categories:System;

ou

Categories:System;Benchmark;

[6] Comentário enviado por rommulo9 em 15/06/2016 - 20:21h

Atalhos para arquivos texto não deram certo no meu KDE Plasma 5.6:
Quando crio um atallho (.desktop) para um arquivo texto e especifico:
Type=text/plain

E depois tento acessar o atalho, surge essa mensagem:
"A entrada de ambiente do tipo
text/plain
é desconhecida."

A criação de atalhos no KDE Plasma 5.x deixa a desejar. Não se cria um link diretamente sobre o arquivo alvo, coisa fácil demais no Linux Mint 17 MATE... vou mencionar duas dificuldades:

No painel do KDE Plasma 5.x não descobri como alterar nenhum ícone, tanto de aplicativos quanto de acesso a arquivos pessoais. Quando chamo no botão direito do mouse "Configurações de ícone", a única opção que aparece é para se atribuir uma tecla de atalho.

Idem para o Dolphin: em propriedades do arquivo, não encontro nenhum jeito de personalizar os ícones de arquivos pessoais, e nem agregar emblemas (que no Linux Mint MATE 17 é moleza).

Assim, se eu tiver 10 arquivos texto, cada um ligado a um assunto diferente, tanto no diretório em que foram salvos, quanto nos respectivos atalhos lançados no painel do K - todos terão o mesmo ícone, aquela folhinha branca com a inscrição TXT ao centro, empobrecendo a experiência visual de se distinguir os arquivos por assunto, e não apenas pela extensão.

[7] Comentário enviado por meetgyn em 05/06/2019 - 10:26h

Gostei da dica.
Me surgiu uma duvida, após a criação do arquivo.desktop eu coloco ele onde mesmo? Preciso setar ele no path ou colocar em alguma pasta especifica para que o menu seja chamado?



Contribuir com comentário