Conheça a MLED: distro com base em Slackware

Publicado por Xerxes em 06/06/2016

[ Hits: 3.337 ]

Blog: https://static.vivaolinux.com.br/imagens/dicas/comunidade/300.jpg

 


Conheça a MLED: distro com base em Slackware



Fiquei sabendo da existência da distribuição Microlinux Enterprise Desktop (MLED) através do Lcavalheiro.

Trata-se de uma distro com base em Slackware, que exige a instalação do Slackware primeiro. Depois, através de alguns passos e execução de um script, obtém-se o MLED.

O ambiente é o Xfce. De acordo com o site, MLED não é apenas uma distro derivada do Slackware. O objetivo é oferecer coisas que fazem falta no Slackware, como alguns aplicativos, codecs, plugins, fonts, traduções.

Para mais informações, acesse:
Para instalar, leia a documentação em:
Até!

Outras dicas deste autor

Instalação da impressora Canon mg2900 no Fedora

Adicionar menu de contexto "Abrir no terminal" no Fedora Workstation

Autostart no GNOME

Assistir no Hulu fora dos Estados Unidos

Gravação nativa do Gnome com som e outras opções

Leitura recomendada

Teclado Acer Aspire One com acentos e cedilha

Safe Port por site específico

Causando BufferOverflow em servidores rodando o FreeFloat

Instalando o ns-2 no Ubuntu 7.10

Deletar kernel antigo para não aparecer no GRUB2

  

Comentários
[1] Comentário enviado por pherde em 06/06/2016 - 23:58h

Estou usando o Slackware 14.1 com o MLED atualmente, realmente é muito bom. Instalei o MLED justamento porque o Lcavalheiro em alguma resposta do fórum comentou sobre.

O processo de instalação é um pouco demorado, porém tranquilo, a exigência é apenas uma: ser um usuário de Slackware mesmo, ou seja, ler não deve ser problema.

O XFCE tem várias configurações de layout que deixam tudo muito mais agradável, roda tudo de primeira, vários aplicativos para desktop prontos pra uso.

O bacana é que na documentação de instalação são feitas várias configurações finas do sistema, como por exemplo configurar e habilitar o kernel genérico com os módulos corretos, inclusive das placas de vídeo mais em voga no mercado, nvidia, amd e intel.

É um Slackware versão usuário final. E claro, a estabilidade se mantém intacta. Pra quem curte e sabe usar o Slack, recomento.

P.S.: pra quem está acostumado com ubuntus, elementarys e kalis da vida e nunca instalou um pacote que não seja via apt-get, conseguir instalar o Slackware com o MLED seria uma coisa que faria você repensar um pouco sobre S.Os e mudaria um pouco sua visão sobre Linux, pra melhor, claro.

[2] Comentário enviado por spylinux em 07/06/2016 - 10:48h

Neste caso o MLED seria como um post-install, e não uma distro em si, correto?

Tipo o fedy-installer e o easylife para o Fedora, q após instalar a distro, vc instala ele, q facilita instalação de plugins, editores, browser, drivers, fonts, etc?

[]'s spylinux
Comunidade Manjaro Geek -www.manjaro-geek.org

[3] Comentário enviado por pherde em 07/06/2016 - 11:31h

Então @spylinux , podemos considerar isso. Porém, no meu entender, de quando fiz o processo, parecia mais um side-install. Eu não fiz uma instalação completa do slack e depois comecei a rodar o MLED. Lembro que durante a instalação do slack eu rapei várias coisas da instalação padrão e fui ajeitando e completando a instalação de acordo com a documentação do MLED. Concordo com você: passa longe de ser uma distro em si.

[4] Comentário enviado por lcavalheiro em 07/06/2016 - 11:43h

De acordo com o Niki Kovacs, o mantenedor do MLED, a proposta não é ser uma distro em si, mas oferecer uma experiência mais user-friendly aos usuários do Slackware incluindo personalizações que a maioria dos clientes dele (que moram no sul da França) gosta. Nas palavras dele, não há a necessidade de criar uma distro nova apenas para distribuir um Slackware modificado, basta ter um repositório adicional com as modificações. Com isso ele oferece um desktop Xfce claro e limpo, com várias ferramentas não nativas no Slackware mas cuja inclusão são um adianto e tanto. Para quem quer um Slackware sem as complicações do negócio, vale a pena.
--
Dino®
[i]Vi veri universum vivus vici[/i]
Public GPG signature: 0x246A590B
Só Slackware é GNU/Linux e Patrick Volkerding é o seu Profeta
[code][b]Mensagem do dia[/b]: Satã representa conhecimento sem limites e não auto-ilusão hipócrita.[/code]

[5] Comentário enviado por pherde em 07/06/2016 - 13:41h


[4] Comentário enviado por lcavalheiro em 07/06/2016 - 11:43h

De acordo com o Niki Kovacs, o mantenedor do MLED, a proposta não é ser uma distro em si, mas oferecer uma experiência mais user-friendly aos usuários do Slackware incluindo personalizações que a maioria dos clientes dele (que moram no sul da França) gosta. Nas palavras dele, não há a necessidade de criar uma distro nova apenas para distribuir um Slackware modificado, basta ter um repositório adicional com as modificações. Com isso ele oferece um desktop Xfce claro e limpo, com várias ferramentas não nativas no Slackware mas cuja inclusão são um adianto e tanto. Para quem quer um Slackware sem as complicações do negócio, vale a pena.


Ou seja, a cultura do refisefuqui passou longe do Niki Kovacs, ainda bem. Um belo exemplo a se seguir.

[6] Comentário enviado por lcavalheiro em 08/06/2016 - 11:09h


[5] Comentário enviado por pherde em 07/06/2016 - 13:41h


[4] Comentário enviado por lcavalheiro em 07/06/2016 - 11:43h

De acordo com o Niki Kovacs, o mantenedor do MLED, a proposta não é ser uma distro em si, mas oferecer uma experiência mais user-friendly aos usuários do Slackware incluindo personalizações que a maioria dos clientes dele (que moram no sul da França) gosta. Nas palavras dele, não há a necessidade de criar uma distro nova apenas para distribuir um Slackware modificado, basta ter um repositório adicional com as modificações. Com isso ele oferece um desktop Xfce claro e limpo, com várias ferramentas não nativas no Slackware mas cuja inclusão são um adianto e tanto. Para quem quer um Slackware sem as complicações do negócio, vale a pena.


Ou seja, a cultura do refisefuqui passou longe do Niki Kovacs, ainda bem. Um belo exemplo a se seguir.


A comunidade ao redor do Slack abomina a cultura do refisefuquis, e é por isso que a gente divulga tanto os trabalhos que visam oferecer novas formas de experimentar o Slackware, e não um refisefuquis qualquer. Veja o trabalho de Eric Hameleers (mais conhecido como AlienBOB) e seu repositório imenso, além do esforço dele para criar um live-CD do Slackware. Niki Kovacs não criou uma refisefuquis, mas um repositório que permite introduzir as personalizações dele no Slackware. Willy Raharjo Sudiarto poderia ter criado uma refisefuquis, mas preferiu tocar o projeto slackbuilds.org para disponibilizar mais de 3k pacotes pro Slackware.

Nada mal para uma distro que nasceu como um remaster para corrigir bugs de outra distro, não?

--
Dino®
[i]Vi veri universum vivus vici[/i]
Public GPG signature: 0x246A590B
Só Slackware é GNU/Linux e Patrick Volkerding é o seu Profeta
[code][b]Mensagem do dia[/b]: Satã representa conhecimento sem limites e não auto-ilusão hipócrita.[/code]

[7] Comentário enviado por spylinux em 09/06/2016 - 01:03h

Obrigado pelas explicações @pherde e @lcavalheiro, vou acessar o site do MLED e me informar mais sobre ele, visto q uso slack com xfce, acho q me ajudará nisso, testarei ele.
Obrigado pela dica!

Abraço
[]'s spylinux
Comunidade Manjaro Geek -www.manjaro-geek.org

[8] Comentário enviado por 4pr0p02 em 26/06/2016 - 17:32h

Irmão, obrigado pela dica!!



Contribuir com comentário