Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox de maneira que ele assuma as máquinas virtuais como se fossem uma rede, onde inclusive a máquina hospedeira faça parte da mesma, possibilitando a simulação de uma rede convencional para testes de serviços dos mais variados tipos.

[ Hits: 144.787 ]

Por: Rodrigo Mendes Pasini em 13/08/2009


Instalação e configuração das máquinas virtuais



Para criar uma máquina virtual no VirtualBox, abra-o e clique em novo (ou dê um ctrl+n) que abrirá o assistente de criação de máquina virtual.
Linux: Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores.
O primeiro passo é dar um nome a máquina virtual, assim como escolher qual será o sistema operacional que será instalado e sua versão. Com isso o VirtualBox cria um ambiente mais adequado para cada sistema operacional, melhorando a compatibilidade e desempenho.
Linux: Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores.
A seguir será escolhido o tanto de memória RAM que a máquina virtual poderá usar.

Este ponto é muito importante, pois vai influenciar diretamente o funcionamento de todo o sistema, então é muito importante saber exatamente a média de uso de memória RAM do sistema hospedeiro e ter uma base de consumo de RAM do sistema que será virtualizado para não ter problemas de falta de memória. No caso de ser apenas uma máquina virtual para testes de serviços e estudos, será configurada para usar apenas 256MB de RAM.
Linux: Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores.
Chegamos no ponto de criação do disco rígido virtual. O assistente dá a opção de criar um disco novo ou usar um já existente. Será criado um disco novo com a opção "Disco Rígido de Boot (Primário Master)" ativada, esta opção serve para marcar o disco como primário, pois posteriormente temos a possibilidade de adicionar a uma máquina virtual outro disco rígido virtual para trabalhar como slave.
Linux: Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores.
Será aberto um novo assistente para a criação do novo disco virtual.

A primeira opção a ser configurada é a maneira que o disco irá se comportar com a relação de espaço em disco do sistema hospedeiro. Ele fornece duas opções:
  • Armazenamento Dinamicamente Expansível: Nesta opção o disco é criado com um tamanho inicialmente pequeno, que de acordo com o uso da máquina virtual (utilização de disco da máquina virtual) ele vai expandindo até o tamanho máximo configurado;
  • Armazenamento de tamanho fixo: Cria um disco e já aloca todo espaço configurado, mesmo que não utilizado pela máquina virtual, no disco do hospedeiro.

Esta opção fica a critério de cada um, porém deve-se tomar muito cuidado com a opção de armazenamento dinâmico para evitar falta de espaço em disco futuro.
Linux: Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores.
Agora terá de ser configurado o tamanho máximo do disco e o nome que será dado a ele. Configure de acordo com os limites do sistema hospedeiro e com a necessidade de disco da máquina virtual que será instalada.
Linux: Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores.
A criação da máquina virtual está concluída, será exibido um resumo das configurações do assistente, confira e confirme para o assistente concluir a criação.
Linux: Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores.
Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Instalação e configuração das máquinas virtuais
   3. Instalação do sistema operacional
   4. Configurações após a instalação do S.O.
   5. Configurações de rede
   6. Testes e serviços
Outros artigos deste autor

Convertendo sistemas físicos em máquinas virtuais

Mosix - Instalação e configuração de um cluster de balanceamento de carga

Como ver as informações de rede no Linux

Virtualização - VirtualBox em modo texto e acesso remoto

Ovos de Páscoa no GNU/Linux

Leitura recomendada

Configurando o CACIC (parte 3)

Conexões redundantes à Internet utilizando Linux

Sound Blaster 128 PCI Ensonic - Modulo es1371

Linux Terminal Server - LTS

Facilitando o acesso a disquetes e memory keys (PenDrives) no Kurumin

  
Comentários
[1] Comentário enviado por paulorvojr em 13/08/2009 - 01:02h

belo artigo, parabens

adoro virtualização, principalmente para testes e aprender, tenho até uma imagem de um servidor linux que montei com mais de 50 serviços dentro,

mas ainda sou fã do vmware workstation e vmware esx server, nossa pegar um dell power edge com 32gb de ram e botar um esx server e criar 20 maquinas virtuais é show, da até tesão eauheahuaeuhea, brincadeiras a parte virtualizar é sempre bom.

mas na ordem:

1- vmware esx server
2 - sun virtualbox
3 - Xen
4 - VirtualPC


[2] Comentário enviado por maran em 13/08/2009 - 07:00h

Cara show de bola o artigo, favoritos fácil!

[3] Comentário enviado por dbahiaz em 13/08/2009 - 10:29h

Muiito bom,parabéns!

[4] Comentário enviado por edkiller em 13/08/2009 - 10:35h

Muito bom seu tutorial, gostei de suas dicas com o Virtual box.
Más prefiro a vmware esx server mesmo :D.

[5] Comentário enviado por luizvieira em 13/08/2009 - 11:18h

Parabéns pelo artigo!
Mas ainda continuo afirmando: VMware no Window$ e VirtualBox no Linux hehehehe
[ ]'s

[6] Comentário enviado por Miguel Arcanjo3 em 13/08/2009 - 12:18h

ai cara eu pensei que que este teu artigo ensinaria a criar uma rede virtual mesmo, ou seja maquinas virtuais interconectadas atraves de uma lan virtual, como se faz com vmware, mas o teu artigo esta fixe, mas o titulo nao deveria ser este.

[7] Comentário enviado por rodrigo8819 em 13/08/2009 - 12:46h

Na parte de configurações de rede tem falando a maneira de se fazer essa rede virtual entre as máquinas virtuais, porém acho essa maneira mais interessante, pois é integrada com a rede local da máquina hospedeira dando muito mais possibilidades. Acredito que o título é questão de interpretação de cada um, para isso tem a descrição mais abaixo.

Obrigado pelos comentários.

[8] Comentário enviado por karlinfo em 13/08/2009 - 13:21h

Excelente artigo!!!!!

[9] Comentário enviado por rafaelferroni em 13/08/2009 - 13:59h

Cara vc me deu a luz que tava faltava pra eu usar a maquina virtual para alguns testes em casa e nao sabia como ligar meu note junto com a rede apesar de ser uma coisa simples.
vlw t+

[10] Comentário enviado por kalachinikov em 13/08/2009 - 14:05h

Muito bem bolado seu artigo, bem arumado, tudo explicado, detalhando e ainda com os SS.

vlw amigo,

só uma pergunta?

qual a configuração ideal para um maquina HOST???

[11] Comentário enviado por rodrigo8819 em 13/08/2009 - 14:24h

A resposta a respeito da configuração ideal para a máquina Host é: Depende.

Por exemplo, no meu caso eu só queria testar alguns serviços sem ter que adiquirir várias máquinas, então fiquei limitado ao uso de memória, sendo que não utilizei nada que exigisse muito processamento. Então para achar a configuração ideal do Hospedeiro deve-se fazer um estudo detalhado de que serviços precisará usar e o uso aproximado de memória pelos Sistemas Operacionais e se exigirá muito processamento.

Abraços!

[12] Comentário enviado por femars em 13/08/2009 - 14:56h

bom artigo. mas acho que falto falar do "peso" que cada máquina virtua sobrecarrega no sistema, configuração mínima pra suporta X máquinas...

[13] Comentário enviado por rodrigo8819 em 13/08/2009 - 15:41h

Não falei sobre o peso das máquinas virtuais pelo motivo que varia muito de acordo com o Sistema operacional e com as configurações e serviços instalados na Máquina Virtual. Cabe a quem for utilizar fazer o levantamento desses pontos antes de utilizar uma máquina virtual.

[14] Comentário enviado por diegomachado em 14/08/2009 - 00:02h

Ótimo artigo Rodrigo, só faltou como já disseram falar do Vmware, que muitos não o sabem mas possui uma versão
gratis, e que é bem mais estável que o Virtual Box.

Falo isso pois fui o responsável pela migração do LIP - Laboratório de Colisões com Íons Pesados do IF-UFF - Instituto de Fìsica da Universidade Federal Flumimense
da plataforma proprietária MS Windows para a plataforma openSource GNU/Linux (Debian).
Porém infelizmente houveram alguns programas que não puderam ser substituídos por uma solução openSource então a solução
adotada foi a virtualização do windows, ainda assim reduzindo os custos enormemente, uma vez que não era mais necessária a aquisição de várias
licenças para os desktops, mas de apenas algumas para os servidores, fora os ganhos de performance (que lá onde são feitos cálculos astronômicos
é essencial) e confiabilidade.

Depois de fazer uma pesquisa, decidi pela VMWare, por estar mais estável no momento.
Mas pelo que pude conferir, a configuração de ambas as soluções é muito traquila, e o seu artigo bastante adaptável a ambas.
Só faltaria uma parte sobre a compilação da VMWare, que dá um pouco mais de trabalho.

Abraço,

[15] Comentário enviado por rafael_k em 14/08/2009 - 10:52h

rodrigo8819

Ótimo artigo.

Também já andei experimentando o VirtualBox, mas agora colocarei em prática com as tuas dicas.


[16] Comentário enviado por roberto_espreto em 14/08/2009 - 14:43h

No que se propos, está ótimo seu artigo.
Acredito que quem realmente vai usar seu artigo seria alguém de nível intermediário. (Apesar, se o iniciante for bem curioso e dedicado também conseguirá).
Nos comentários dizem: Ah, faltou falar sobre isso, faltou falar sobre vmware, e tals, etc, etc, etc... Meu, o autor deixo bem claro na parte de introdução que o artigo é sobre o VirtualBox, a distribuição usada é Ubuntu, deixou claro sua configuração de hardware e etc... Não inventem sobre outras ferramentas, outros SOs, aff, sempre acham falhas nos artigos é impressionante. Volto a dizer, ótimo artigo.

[17] Comentário enviado por Miguel Arcanjo3 em 14/08/2009 - 18:18h

Ai cara foi mal estava dezatento e nao vi a parte

"Rede Interna: Nesse modo será feita uma rede que somente será acessada por outras máquinas virtuais que estiverem configuradas com o mesmo nome de rede. "

Eu tambem uso o VirtualBox, mas sempre passei despercebido a essa opcao, uso sempre a briged.

[18] Comentário enviado por mcnd2 em 14/08/2009 - 19:02h

Muito bom...

Parabéns rodrigo...

[19] Comentário enviado por Lisandro em 17/08/2009 - 07:44h

Ótimo artigo, não acho que tenha faltado falar de outras máquinas virtuais como alguns outros colegas, o objetivo do artigo, na minha opinião, foi plenamente alcançado.
Parabéns, nota 10.

[20] Comentário enviado por removido em 17/08/2009 - 09:37h

muito bom artigo.
parabens

[21] Comentário enviado por manoserpa em 17/08/2009 - 11:38h

Sgundo artigo seu que leio e vejo que ambos são interessantes.

Parabéns!

[22] Comentário enviado por removido em 08/09/2009 - 15:39h

rodrigo8819....

Ótimo.

parabéns pelo artigo.

[23] Comentário enviado por Wos- em 22/09/2009 - 23:16h

Rodrigo, Primeiramente parabéns pelo artigo,
realmente a virtualização é uma mão na roda,
mas eu to com um problema, baixei o virtualbox por apt-get,
e instalei tudo normal, quando fui configurar a rede em modo
bridge, não apareceu a opção, só tenho 4 opções,
todas as que vc citou no artigo, menos a bridge, pode ser
uma pergunta boba, mas vc ou alguém ae já passou por algo parecido,
se puderem ajudar fico agradecido.

[24] Comentário enviado por rafaelferroni em 23/09/2009 - 10:04h

Wos-, com certeza a versao de seu repositorio deve estar desatualizada com alguma versao anterior a 3.0, pois estas nao possuem o modo bridge.Faça o seguinte entre neste link e baixe a versao mais atualizada 3.0.6 http://www.virtualbox.org/wiki/Downloads.
ate +.

[25] Comentário enviado por Wos- em 23/09/2009 - 11:13h

Opa, fico agradecido pelo help
vou fazer isso que vc disse.

[26] Comentário enviado por rodrigo8819 em 23/09/2009 - 17:51h

Realmente, versões mais antigas do VBox o modo bridge tinha que ser configurado na mão, não havia uma opção para isso.

Abraço a todos.

[27] Comentário enviado por civanlobo em 28/10/2009 - 21:47h

Ótimo tutorial. Eu utilizei o Virtualbox e achei bastante intuitivo e é muito bom para quem inicia, dá para fazer bons testes, porém notei algumas instabilidades ao testar recursos de domínio, active directory, ainda prefiro o Vmware.

[28] Comentário enviado por blaiser em 18/01/2010 - 22:57h

Cara... muito bom mesmo.
Agora é o seguinte...

eu pingo na rede fisica um determinado site e o tempo de resposta é rapido, mas quando estou na virtual parece que tem um gargalo que deixa muito lento o mesmo ping.
Tem como ser resolvido essa questão?

Abraços

[29] Comentário enviado por f_Candido em 21/01/2010 - 01:26h

Parabéns. Excelente artigo. Virtualização é realidade. Fato consumado. Agora é desfrutar.

[30] Comentário enviado por aprendiz_ce em 29/03/2010 - 17:35h

Olá,

Agora, como é que se acessa remotamente uma máquina virtual contida no VirtualBox?

O VMWare faz isso,. bastando somente que a máquina hospedeira esteja ligada e o VMWare-Server esteja iniciado. Daí o usuário seleciona a máquina que ele deseja "ligar". Acho fantastico!

No VirtualBox tem como fazer isso?

Parabéns pelo artigo e aguardo retorno.

[31] Comentário enviado por aprendiz_ce em 29/03/2010 - 19:10h

Olá,


[32] Comentário enviado por PauloGP em 16/05/2010 - 11:59h

bom dia, Rodrigo.

Por que minhas máquinas virtuais não conseguem "pingar" minha máquina hospedeira?
[o contrário ocorre].

vlw!

Parabéns pelo artigo!
:D

[33] Comentário enviado por rodrigo8819 em 18/05/2010 - 15:51h

PauloGP, Pode ser seu firewall na máquina hospedeira que esteja impedindo a resposta do ping da VM, mas isso é só uma possibilidade mais provável, sem analisar direito não da pra te falar.

[34] Comentário enviado por alexsabc em 12/03/2011 - 20:04h

Excelente artigo, Rodrigo! Funcionou perfeitamente pra mim, resolveu o problema de ping entre as VMs.

[35] Comentário enviado por manivelas_Brasil em 28/03/2011 - 21:03h

Realmente e modestamente digo ao amigo Rodrigo: Belo artigo!

[36] Comentário enviado por Cabeça de Teia em 03/05/2011 - 16:29h

Belo artigo... parabéns!

[37] Comentário enviado por danilosampaio em 19/05/2012 - 08:04h

Excelente dica! tava querendo fazer alguns testes com o nmap, mas sempre me deparava com a dificuldade de criar um ambiente de testes.

[38] Comentário enviado por M4R10 em 15/08/2012 - 22:49h

OK, depois de ter feito tudo isso como faço pra o mikrotik acessar o modem que está em modo bridge e gerar internet para o pc fisico?

[39] Comentário enviado por rodrigo8819 em 16/08/2012 - 07:58h

M4R10, como as VMs estarão configuradas em modo bridge configure como se fosse uma rede real, como você faria se tivesse diversas máquinas reais em sua rede.

[40] Comentário enviado por M4R10 em 17/08/2012 - 11:09h

Com esses passos é possivel fazer com que o mikrotik virtualizado gere internet com o modem em modo bridge??

[41] Comentário enviado por rodrigo8819 em 17/08/2012 - 11:28h

Sim, é possível fazer isso. Basta você configurar no Mikrotik virtualizado duas placas de rede, uma que receberá a internet e a outra que disponibilizará. Após isso é configuração básica de NAT no Mikrotik e de rede nas outars VMs.

[42] Comentário enviado por alexsabc em 17/10/2013 - 21:26h

O tutorial do Rodrigo foi publicado há mais de 5 anos e mesmo após todo esse tempo continua atual, funcionando e resolvendo o problema de muita gente. Obrigado, colega!


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts