Python para pesquisadores: material didático

Encontrei recentemente este material, com foco didático, na programação em Python para pesquisadores da área de biociências. Além de ser de acesso livre, é rico em detalhes e pode ser usado na elaboração de cursos.

[ Hits: 4.433 ]

Por: Bruno Rafael Santos em 28/09/2016 | Blog: https://cutt.ly/4H7vrPh


Apresentação



Atualmente a habilidade de programar é uma nova capacidade essencial para alguns profissionais e tem se tornado tema de constante discussão. Alguns grupos já defendem que o desconhecimento de linguagens de programação é o novo analfabetismo. A nível de Brasil, um país onde a maior parte da população é analfabeta de fato, eu vejo isso como exagero. Entretanto, temos diante de nós um novo cenário onde interagir diretamente com o sistema, em sua linguagem nativa, torna-se mais que um diferencial.

A velha de discussão de qual linguagem deve ser a primeira a ser ensinada deve passar por uma avaliação das necessidades do aluno. O tradicional "How to Become a Hacker" de Erik Raymond já defende o Python como uma linguagem acessível, fácil de absorver e robusta [1]. Eu particularmente concordo com a interpretação embora eu defenda o uso do Perl por outros motivos como similaridade sintática com o C, PHP e outras linguagens mais antigas e ainda muito presentes.

Recentemente, achei este artigo do Ekmekci et al., 2016 [2] intitulado "An Introduction to Programming for Bioscientists: A Python-Based Primer" e imaginei que se tratava de um modelo de aplicação da linguagem Python em ambiente de pesquisa.

Depois de ler o artigo descobri que se trata de um excelente material didático orientado a pesquisadores, mas aplicável ao grande público. E já é um fato consumado que no mundo da pesquisa e indústria a habilidade de programar se tornou uma necessidade básica amplamente ignorada [3,4] - assim como noções básicas de estatística já o são.

Eu já tive uma experiência com uma amiga minha que trabalha com genômica que teve que lidar com os scripts Perl/Java do projeto Genoma Internacional sem ter a menor ideia de como programar. Já vi amigos penando no Excel para criar gráficos simples porque disseram para eles que R é muito complicado. E o melhor de todos, um amigo perdendo noites no Fortran para o uma das entregas do doutorado porque o professor de engenharia dele só conhece aquela linguagem velha e recusa qualquer outra para implementação.

Eu me impressionei com o grau de detalhamento do material do Ekmekci et al.. Como todo bom artigo ele começa como uma longa introdução sobre os temas que discuti acima: importância das linguagens, porque o Python, novas linhas de pesquisa e etc.

Depois o texto se desenvolve em uma rica discussão sobre as principais implementações da linguagem, das variáveis aos operadores e desenvolvimento de interfaces. E para finalizar o artigo ainda possui dois materiais suplementais: um "companion site" chamado P4B - Programming for Bioscientists [5] com scripts e implementações; e um capítulo suplementar didático com detalhes sobre outras funcionalidades como desenvolvimento de interfaces com o Tkinter e Regexes.

Vale muito a pena conferir pois a forma como ele organizou o material pode ser muito útil para quem está buscando uma referência didática e resumida da linguagem. O material é bastante acessível, mesmo para quem está fora da área de biológicas.

Referências

[1] Raymond, E. S. 2015. How to Become a Hacker. [http://catb.org/~esr/faqs/hacker-howto.html]

[2] Ekmekci, B.; McAnany, C. E.; Mura, C. 2016. An introduction to Programming for Bioscientists: A Python-Based Primer. PLoS Comput Biol 12(6): e1004867. doi:10.1371/journal.pcbi.1004867. [http://journals.plos.org/ploscompbiol/article?id=10.1371/journal.pcbi.1004867]

[3] Guo, P. 2013. Why scientists and engineers mus learn programming. [http://cacm.acm.org/blogs/blog-cacm/166115-why-scientists-and-engineers-must-learn-programming/fulltext]

[4] Kohli, S. 2015. The economic importance of teaching coding to teens. The Atlantic, May 14, 2015. [http://www.theatlantic.com/education/archive/2015/05/the-economic-importance-of-teaching-coding-to-teens/393263/]

[5] 2016. P4B - Programming for Bioscientists. [http://p4b.muralab.org/]

   

Páginas do artigo
   1. Apresentação
Outros artigos deste autor

Defesa pessoal com o GPG, Nautilus Scripts, partições encriptadas e leves doses de paranoia

Guia Rápido do Miniconda para Aplicações Científicas - Instalação e Configuração

Campos no LibreOffice: usos e abusos

Recuperação de arquivos do LibreOffice

Tutorial GIMP: Preparando mapas para artigos científicos

Leitura recomendada

Desenvolvendo aplicações GUI simples em Python & Glade (PyGTK) com banco de dados SQLite

Download de Arquivos com Verificação do Hash SHA 256

Sockets em Python

Programe em Python no jogo Minecraft com seu filho ou sozinho

Esteganografia e Esteganálise: transmissão e detecção de informações ocultas em imagens digitais

  
Comentários
[1] Comentário enviado por sacioz em 30/09/2016 - 18:03h

Muito bom o " A nível de Brasil, um país onde a maior parte da população é analfabeta de fato, eu vejo isso como exagero. Entretanto, temos diante de nós um novo cenário onde interagir diretamente com o sistema, em sua linguagem nativa, torna-se mais que um diferencial. " Duras verdades , o povão tem ódio de PCs , so querem smartphones , e what's app , que é a tralha do momento .
Obrigado pelo artigo ...

[2] Comentário enviado por LaisMD em 03/10/2016 - 11:46h

Muito interessante! Artigo muito bom!

[3] Comentário enviado por pingulin em 04/10/2016 - 23:37h


[4] Comentário enviado por pingulin em 04/10/2016 - 23:38h

oi


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts