Monitorando interfaces virtuais com MRTG e IPFM

Este artigo descreve os passos básicos para a monitoração de interfaces virtuais usando o MRTG e IPFM, espero que gostem e boa leitura.

[ Hits: 43.515 ]

Por: Jefferson Aranha dos Santos em 20/04/2007


Introdução



OBS.: Este artigo subentende que você possua um servidor web rodando e funcional, não abordarei este passo por ser bastante simples e haver milhares de tutoriais falando sobre isso, para mais informações sobre a configuração do servidor web consulte :
Monitorar interfaces reais usando o MRTG é considerado uma tarefa fácil, já que elas possuem contadores de bytes e pacotes, para isto é necessário apenas consultarmos o /proc/net/dev e teremos as estatísticas, mas como monitorar interfaces virtuais, já que elas não possuem tais recursos? Tal medição tem que ser feita a nível de rede utilizando um monitor de fluxo (IPFM).

O que seria o IPFM?

O IPFM é uma ferramenta que mede o fluxo ip em um determinado link. Ou seja, ele nos dá estatísticas com relação a quantidade de bytes que entraram, saíram e total de um determinado endereço IP.

O que seria o MRTG?

(esse já é conhecido de vocês, creio eu =D)

O MRTG é uma ferramenta responsável aqui por gerar os gráficos sobre a largura de banda usada por determinada interface virtual.

Agora estamos prontos para começar =D

Vamos ao próximo passo, obtendo e instalando os pacotes.

    Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Obtendo e instalando os pacotes
   3. Diretórios e arquivos de configuração (MRTG)
   4. Diretórios e arquivos de configuração (IPFM)
   5. Executando e vendo os resultados
Outros artigos deste autor
Nenhum artigo encontrado.
Leitura recomendada

Personalizando o tema do usplash nos Ubuntu-like

Bootsplash no Slackware - HowTo

Instalando e configurando desktop 3d no Debian Etch 64 bits

Compiz Fusion: Compilando e instalando em 5 minutos

Unity Desktop no Arch Linux

  
Comentários
[1] Comentário enviado por guttoballa em 23/04/2007 - 18:47h

Fala cara, achei até fácil fazer tudo acima... mas o q ficou mal explicado, foi depois q copia o arquivo ipfm.conf, quando vamos fazer a edição deste arquivo, la tem várias linhas... complica. da uma dica aê...

[2] Comentário enviado por V3rM3 em 23/04/2007 - 19:16h

dá uma olhada aqui : http://www.vivaolinux.com.br/artigos/verArtigo.php?codigo=6400&pagina=4

[3] Comentário enviado por thiagojr em 25/04/2007 - 09:30h

e ae.. cara.. blz..
muito bom seu artigo, parabens.. mas acho que na hora que vc copiou o ipfm vc inverteu lá no artigo.. nhé..

Lá ta assim:

cp ipfm.conf.new ipfm.conf

E seria assim:

cp ipfm.conf ipfm.conf.new

Abração t+..

[4] Comentário enviado por V3rM3 em 25/04/2007 - 09:35h

Não não thiagojr , quando voê baixa o pacote .tgz por padrão o arquivo de configuração vem como .conf.new havendo a nescessidade de renomealo para .conf

até mais

[5] Comentário enviado por alexandre.master em 08/05/2007 - 10:00h

eu tive um erro com o mrtg.
Estou usando o Debian Etch 4.0. O erro foi o seguinte:
ERROR: Mrtg will most likely not work properly when the environment variable LANG is set to UTF-8. Please run mrtg in an environment where this is not the case. Try the following command to start:

env LANG=C /usr/bin/mrtg /etc/mrtg/mrtg.cfg

[6] Comentário enviado por fabinho08 em 10/06/2008 - 20:40h

oi amigo, primeiramente parabens pelo artigo,
estou apenas com uma duvida neste ponto no IPFM :

#Faixa de endereços que o ipfm irá monitorar e logar no arquivo ipfm.log
LOG 192.168.0.0/255.255.255.0


como que fica se eu quiser monitorar + de 1 faixa exemplo

10.1.27.x
200......x
192......x

at+

[7] Comentário enviado por jbm5688 em 23/06/2008 - 01:59h

Camarada Parabens pelo seu Tutorial, muito bom... só gostaria de saber se vc tem alguma dica para eu resolver esse prob. que ta dando na hora de startar o mrtg...

perl: warning: Setting locale failed.
perl: warning: Please check that your locale settings:
LANGUAGE = (unset),
LC_ALL = (unset),
LC_COLLATE = "C",
LANG = "en_US"
are supported and installed on your system.
perl: warning: Falling back to the standard locale ("C").
Daemonizing MRTG ...


Contribuir com comentário