Introdução aos sistemas operacionais

Introdução aos tipos e características dos sistemas operacionais.

[ Hits: 18.450 ]

Por: André em 03/06/2010 | Blog: http://127.0.0.1


Introdução



Neste artigo não estarei falando apenas do sistema Linux, mas sobre os sistemas operacionais em geral, suas características e tipos. Isso é algo muito importante, pois um profissional da área de sistemas, servidores, segurança etc deve conhecer um sistema operacional muito bem. E nada melhor do que começar com começo.

Nada mais justo do que começar esclarecendo: o que é um sistema operacional?

O sistema operacional basicamente é um software bastante próximo ao hardware, com um conjunto de funções e instruções, e nos permite pelo menos 2 (dois) modos de operação, que são:
  • Modo kernel
  • Modo usuário

O sistema operacional oferece uma interface entre o computador e o usuário, permitindo assim uma maior interatividade.

Podemos dizer basicamente que sua estrutura é:
  • Aplicações
  • Compiladores & editores
  • Interpretador de comandos
  • Linguagem de máquina
  • Micro programa
  • Hardware

Agora, um pouco da história, segundo o Wikipédia:

Na primeira geração (aproximadamente 1945-1955), os computadores eram tão grandes que ocupavam salas imensas. Foram basicamente construídos com válvulas e painéis, os sistemas operacionais "não existiam". Os programadores, que também eram os operadores, controlavam o computador por meio de chaves , fios e luzes de aviso. Nomes como Howard Aiken (Harvard), John von Neumann (Instituto de Estudos Avançados de Princeton), John Adam Presper Eckert Jr e William Mauchley (Universidade da Pennsylvania) e Konrad Zuse (Alemanha) formaram, com suas contribuições, a base humana para o sucesso na construção dos computadores primitivos.

Na geração seguinte (aproximadamente 1955-1965), foram criados os sistemas em lote (batch systems), que permitiram melhor uso dos recursos computacionais. A base do sistema operacional era um programa monitor, usado para enfileirar tarefas (jobs). O usuário foi afastado do computador; cada programa era escrito em cartões perfurados, que por sua vez eram carregados, juntamente com o respectivo compilador (normalmente Fortran ou Cobol), por um operador, que por sua vez usava uma linguagem de controle chamada JCL (job control language).

Fonte da história: http://pt.wikipedia.org/wiki/Sistema_operativo

Os tipos de sistemas operacionais e suas características

Vamos agora falar sobre os tipos de sistemas operacionais e suas características respectivamente...

Podemos basicamente dizer que existem 3 (três) tipos de sistemas operacionais. São eles:
  • Time-sharing
  • Real-time
  • Batch

Vamos agora falar um pouco sobre cada um deles.

Time-sharing - O sistema operacional interativo, time sharing, é totalmente ao contrário do sistema batch, onde os longos tempo de resposta são realmente um ponto negativo em desempenho, desenvolvimento e criatividade em tais sistemas. Já no Time-Sharing, é diferente, pois ele interage com o usuário, isso a custo de tempos de processamento mais longos.

PS: Só para esclarecer, Linux e Windows são sistemas time-sharing.

Caso se interessem pelo assunto, dêem uma olhada em:
Real-time - O sistema operacional de tempo real, real-time, tem suas aplicações tipicamente em controle de processos industriais, e precisam de um relógio de tempo real e uma capacidade para converter D/A e A/D, e suas exigências quanto ao tempo de resposta são o que nos podemos chamar de 'rígidas".

Os mecanismos de interrupções de tais sistemas são bastante eficientes, pois podemos dizer que uma rotina de tratamento de interrupção pode ser bloqueada para dar sua vez a outra mais importante.

Caso queiram saber mais:
Batch - Os sistemas operacionais em lote, batch, são super antigos, coisa dos anos 50, tempos dos pré-históricos cartões perfurados. Sua principal característica (boa ou não) é a falta de interação com o usuário (diferente do time-sharing, como eu havia dito), onde as tarefas são executadas em fila, depois são executadas uma a uma. Imaginem que beleza =), falando ironicamente, é claro.

Para quem quiser saber mais sobre essa belezinha:
Conclusão:

Meu objetivo neste artigo foi mostrar a vocês que há algo por traz de Linux, Unix, Windows etc. E é algo que um profissional deve saber, que é o sistema operacional, creio que em quase todas as áreas da informática seja necessário saber, nem que foi um pouco sobre sistemas operacionais.

Espero que tenha ficado claro, qualquer dúvida, poste nos comentários.

att André S. Rosa Junior
www.juniorlinux.com.br

   

Páginas do artigo
   1. Introdução
Outros artigos deste autor

Deixando o Debian redondo após instalação

Recuperando arquivos em um Windows corrompido com Linux

Inteiros e Strings na linguagem C

Trabalhando com classes e métodos em Java (parte 2)

Instalando o Debian em uma máquina virtual (VirtualBox)

Leitura recomendada

A Origem dos Nomes (parte 2)

Host simples no Kurumin

Zabbix 2.4 no CentOS 6.6

Mamãe, quero Slack! (parte 2)

Fundamentos do sistema Linux - Permissões

  
Comentários
[1] Comentário enviado por raulgrangeiro em 04/06/2010 - 10:05h

Muito bom seu artigo!
Parabéns!

[2] Comentário enviado por HER GNU/Linux em 04/06/2010 - 14:58h

Salve, Junior!
Muito interessante. Também concordo que todo profissional deve saber qual a origem o tema estudo.
Parabés!
Por oportuno te passei um e-mail via este site te pergunto algo. Você não recebeu?

[3] Comentário enviado por andrezc em 04/06/2010 - 15:03h

E ai Hermes, beleza ? Não recebi e-mail nenhum.

envia diretamente pra ele:

andre.rosa36@gmail.com

ou melhor, poste sua dúvida quanto ao artigo aqui nos comentários.

[4] Comentário enviado por HER GNU/Linux em 04/06/2010 - 21:42h

Legal! Talvez já tenha comentado com você que já faz uns dois anos que venho usando GNU/Linux na minha residência. No começo houveram resistência por parte de minha mulher Betty e minha filha Rennata. Mas como elas usam aplicativos que são exigem alto conhecimento elas acabaram adorando o Ubuntu. Bem! Tenho um notebook da intelbras i59, com ele o xp pirata. Dois motivos que me levam a usar este monstro xp, um deles é o fato que não tenho uma pessoa experiente como você para configurá-lo pricipalmente com o wine. Se você morasse aqui em Porto Alegre, pagaria para você me dar assistência técnica. segundo motivo, este o meu calcanhar de aquiles, uso o Banco de Dados Microsoft Access 2003, para dinamizar meus seus serviços profissionais e é neste ponto que te pergunto, precisa aprender um banco de dados relacional como este access porém na modalidade de software livre, já andei pesquisando mas precisava de uma dica de você como migrar e qual você acha acessível para um usuário com o meu perfil. Pode contar que sou uma pessoa esforçada.
Obrigado garoto,

[5] Comentário enviado por HER GNU/Linux em 04/06/2010 - 21:46h

Ah! Já vi que tropecei no tc em algumas palavras. Só queria te dizer que votei no teu artigo.

Abraços

[6] Comentário enviado por andrezc em 04/06/2010 - 22:20h

Hermes, o que você pode fazer é o seguinte:

Primeiro ponto:

"Legal! Talvez já tenha comentado com você que já faz uns dois anos que venho usando GNU/Linux na minha residência. No começo houveram resistência por parte de minha mulher Betty e minha filha Rennata. Mas como elas usam aplicativos que são exigem alto conhecimento elas acabaram adorando o Ubuntu. Bem! Tenho um notebook da intelbras i59, com ele o xp pirata. Dois motivos que me levam a usar este monstro xp, um deles é o fato que não tenho uma pessoa experiente como você para configurá-lo pricipalmente com o wine. "

R: O uso do wine (wine is not a emulator) é super simples...

$ wine instalador_programa.exe

ele realizará todos os procedimentos necessários para a instalação dos programas que sempre dão certo. Se o Wine não der conta do recado, OK, temos uma solução chamada CrossOver, que eu já até escrevi um artigo sobre ele (http://vivaolinux.com.br/artigo/CrossOver-Programas-de-Windows-em-seu-GNU-Linux/) ele é pago, porém, a equipe do CrossOver costuma lançar umas promoções bem doidas e saem distribuindo códigos de ativação gratuitamente. Quanto a rodar programas de Windows, creio que você não terá problemas, até porque já existem diversos programas similares para Linux.

E no meu ponto de vista, é legal usar os dois sistemas, tanto que eu uso e aprovo os dois lados, como sei que ambos tbm tem suas desvantagens.

2º Ponto:

"segundo motivo, este o meu calcanhar de aquiles, uso o Banco de Dados Microsoft Access 2003, para dinamizar meus seus serviços "

R: Procure pelo OpenOffice, nele você acha um programa idêntico ao Acess.

Qualquer dúvida estamos aí.

Abraços.

[7] Comentário enviado por Teixeira em 05/06/2010 - 12:41h

Comentário:
No início da "computação a vapor" (na era do byte lascado) não havia "sistema operacional", e sim um programa básico chamado "firmware" que se destinava a dar suporte a todas as tarefas, inclusive o acesso e controle dos periféricos. Esse firmware era sempre escrito em Linguagem de Máquina (LM).
Com o advento da mídia magnética (aqueles "panelões") foi necessário, além do firmware, um subsistema que permitisse o controle da nova mídia.
Assim surgiram os "Disc Operational Systems" - de onde também se origina a sigla "DOS" - que significavam literalmente "sistemas operacionais de disco".
Portanto, os primeiros computadores pessoais não tinham um OS e sim um firmware gravado em ROM.
A partir daí foram evoluindo (usavam os tais disquetes "flexíveis" de 8", depois de 5") até chegar ao que temos hoje em dia (HD, CD, DVD, pendrive, etc.).
Hoje todos os computadores têm esse subssistema chamado "sistema operacional".

[8] Comentário enviado por argentinooo! em 06/06/2010 - 10:17h

introdução perfeita, o começo já foi bem e vai ter meio? xD

[9] Comentário enviado por andrezc em 06/06/2010 - 16:17h

Sim, teremos a 2º parte :)

[10] Comentário enviado por HER GNU/Linux em 07/06/2010 - 14:00h

Olá, Junior!

Muito obrigado pelas dicas. Qualquer coisa te procuro.

[11] Comentário enviado por WhiteHawk em 13/11/2010 - 13:19h

Olá. Ficou bem legal o artigo. Aguardamos a segunda parte.


Contribuir com comentário