Introdução a CGI com a RFC 3875

Esta é uma tradução livre, com alguns comentários sobre CGI do ponto de vista da RFC 3875. Espero que seja útil para alguém, assim como foi para mim.

[ Hits: 14.109 ]

Por: Perfil removido em 18/05/2012


Introdução



CGI é a abreviação de Common Gateway Interface, é uma interface simples para execução de programas, Softwares ou Gateways sob um Servidor de informações de modo independente de plataforma.

A interface está em uso por Servidores HTTP desde 1993. O texto a seguir, é um resumo, com livre tradução da RFC 3875, que define os padrões para o CGI/1.1 em sistemas do tipo UNIX.

CGI permite que um Servidor HTML e um script CGI, compartilhem a responsabilidade pela resposta a uma requisição de um cliente HTTP. Uma requisição HTTP é formada por uma URI - Uniform Resource Identifier - um método e várias informações auxiliares fornecidas por um protocolo de transporte.

CGI define parâmetros abstratos, conhecidos como meta-variáveis que descrevem a requisição do cliente. Junto com uma interface concreta de programação, isso especifica uma API independente de plataforma entre o script e o Servidor HTTP.

O Servidor é responsável por manter a conexão, a transferência de dados, o transporte e as características de rede relacionadas com a requisição do cliente, entretanto, o script CGI manipula as funções do lado da aplicação, como o acesso aos dados e o processamento do documento.

A especificação CGI utiliza alguns termos herdados da definição de HTTP/1.1, entretanto, alguns termos podem não ter o exato sentido original.

Por exemplo:
  • meta-variáveis : Um parâmetro que transporta a informação a partir do Servidor para o script. Necessariamente não é uma variável de ambiente, apesar de ser implementada comumente deste modo.
  • Script : O software que é invocado por um Servidor baseado na interface CGI. Necessariamente não precisa ser um programa stand-alone, mas uma biblioteca dinamicamente carregada, ou compartilhada, ou ainda, uma sub-rotina do Servidor. Pode ser um conjunto de instruções interpretadas em tempo de execução, tradicionalmente chamado de script por programadores.
  • Servidor - O programa que invoca o script, a fim de atender às solicitações do cliente.


    Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. RFC 3875 e Comentários de Tradução - I
   3. RFC 3875 e Comentários de Tradução - II
   4. Acknowledgements
Outros artigos deste autor

Minimalismo em ambientes gráficos

Navegando com privacidade com Tor e Firefox

Instalando o modem Onda MSA110UP em distribuições Linux que utilizam o NetworkManager

Um tour pelos programas de gravação de CD/DVD no Linux

Diferentes áreas de trabalho com diferentes wallpapers

Leitura recomendada

URL amigável com Perl

Catalyst Framework Perl - Parte III

Catalyst Framework Perl - (parte 2)

Phperl, minha gambiarra para usar Perl como se fosse PHP

Catalyst Framework Perl (parte 1)

  
Comentários
[1] Comentário enviado por surfinhu em 27/05/2012 - 13:57h

Sensacional a explicação dada. Parabéns, amigo, pela paciência e boa vontade para compartilhar o seu conhecimento!
Meus sinceros agradecimentos.

[2] Comentário enviado por tonyrecife em 27/05/2012 - 19:28h

Olá,
Gostaria de um passa-a-passo que como fazer meu PC rodar shell scripts pelo Browser.
Obrigado


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts