Introdução a CGI com a RFC 3875

Esta é uma tradução livre, com alguns comentários sobre CGI do ponto de vista da RFC 3875. Espero que seja útil para alguém, assim como foi para mim.

[ Hits: 14.220 ]

Por: Perfil removido em 18/05/2012


Introdução



CGI é a abreviação de Common Gateway Interface, é uma interface simples para execução de programas, Softwares ou Gateways sob um Servidor de informações de modo independente de plataforma.

A interface está em uso por Servidores HTTP desde 1993. O texto a seguir, é um resumo, com livre tradução da RFC 3875, que define os padrões para o CGI/1.1 em sistemas do tipo UNIX.

CGI permite que um Servidor HTML e um script CGI, compartilhem a responsabilidade pela resposta a uma requisição de um cliente HTTP. Uma requisição HTTP é formada por uma URI - Uniform Resource Identifier - um método e várias informações auxiliares fornecidas por um protocolo de transporte.

CGI define parâmetros abstratos, conhecidos como meta-variáveis que descrevem a requisição do cliente. Junto com uma interface concreta de programação, isso especifica uma API independente de plataforma entre o script e o Servidor HTTP.

O Servidor é responsável por manter a conexão, a transferência de dados, o transporte e as características de rede relacionadas com a requisição do cliente, entretanto, o script CGI manipula as funções do lado da aplicação, como o acesso aos dados e o processamento do documento.

A especificação CGI utiliza alguns termos herdados da definição de HTTP/1.1, entretanto, alguns termos podem não ter o exato sentido original.

Por exemplo:
  • meta-variáveis : Um parâmetro que transporta a informação a partir do Servidor para o script. Necessariamente não é uma variável de ambiente, apesar de ser implementada comumente deste modo.
  • Script : O software que é invocado por um Servidor baseado na interface CGI. Necessariamente não precisa ser um programa stand-alone, mas uma biblioteca dinamicamente carregada, ou compartilhada, ou ainda, uma sub-rotina do Servidor. Pode ser um conjunto de instruções interpretadas em tempo de execução, tradicionalmente chamado de script por programadores.
  • Servidor - O programa que invoca o script, a fim de atender às solicitações do cliente.


    Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. RFC 3875 e Comentários de Tradução - I
   3. RFC 3875 e Comentários de Tradução - II
   4. Acknowledgements
Outros artigos deste autor

Convertendo novos usuários ao Linux

Gerando gráficos para interfaces de rede com MRTG

Emuladores para seu sistema operacional

Como garantir compatibilidade entre Kylix e Delphi

Consegue guardar um segredo?

Leitura recomendada

Catalyst Framework Perl (parte 1)

Twittando com o Perl (parte 1)

Catalyst Framework Perl - Parte III

Programando uma Intranet com Apache, MySQL e Perl (parte 1)

URL amigável com Perl

  
Comentários
[1] Comentário enviado por surfinhu em 27/05/2012 - 13:57h

Sensacional a explicação dada. Parabéns, amigo, pela paciência e boa vontade para compartilhar o seu conhecimento!
Meus sinceros agradecimentos.

[2] Comentário enviado por tonyrecife em 27/05/2012 - 19:28h

Olá,
Gostaria de um passa-a-passo que como fazer meu PC rodar shell scripts pelo Browser.
Obrigado


Contribuir com comentário