Gentoo - Instalação partindo de LiveCD/USB do Sabayon LXDE

Neste artigo pretendo mostrar uma maneira simples e prática de instalar o Gentoo. A instalação será feita usando um LiveCD, ou LiveUSB, do Sabayon LXDE.

[ Hits: 25.038 ]

Por: Lucas da Silva Mariano Meneses em 03/05/2013


Download: ISO / Stage e Portage Gentoo



Download: ISO

Antes de começar a brincadeira, baixe um Sabayon LXDE:
Estou indicando o Sabayon LXDE por ser mais leve e porque é uma das minhas distribuições preferidas.

Vale lembrar que você deve baixar a versão correspondente à arquitetura que vai usar no Gentoo. Se você for usar o Gentoo amd64, baixe a ISO do Sabayon amd64. Se baixar uma ISO diferente, provavelmente terá problemas ao usar o chroot.

Depois de baixar e gravar a ISO num pendrive ou num CD, inicie-o e particione usando o GParted. Provavelmente você terá que instalá-lo, use esses comandos:

# equo up
# equo i gparted


O particionamento deve conter uma partição / (raiz), uma SWAP e uma /home. Como na imagem abaixo:
Linux: Gentoo - Instalação partindo de um Live CD ou Live USB

Com o HD particionado, podemos começar a baixar os arquivos para a instalação do Gentoo.

Download: Stage e Portage Gentoo

Antes de começar a baixar o stage3 do Gentoo, crie os locais de montagem assim:

sudo mkdir /mnt/gentoo

Agora baixe o stage3 correspondente à arquitetura de seu processador no link abaixo:
Linux: Gentoo - Instalação partindo de um Live CD ou Live USB
Você pode baixar via terminal, usando o comando:

wget http://www.las.ic.unicamp.br/pub/gentoo/releases/amd64/current-stage3/20130425/stage3-amd64-20130425.tar.bz2

Monte a partição que será a raiz do sistema com o comando:

sudo mount /dev/sda1 /mnt/gentoo

Agora descompacte o stage e copie para /mnt/gentoo assim:

sudo tar -jxpvf stage3-amd64-20130425.tar.bz2 -C /mnt/gentoo

Vamos baixar o Portage, que é o coração do Gentoo. Você pode baixá-lo no seguinte link:
Se for baixá-lo via terminal, pode usar o comando:

wget http://www.las.ic.unicamp.br/pub/gentoo/releases/snapshots/current/portage-latest.tar.bz2

Depois, use esse comando para descompactá-lo e copiá-lo para /mnt/gentoo/usr:

sudo tar -jxvf portage-latest.tar.bz2 -C /mnt/gentoo/usr

    Próxima página

Páginas do artigo
   1. Download: ISO / Stage e Portage Gentoo
   2. chroot / Kernel
Outros artigos deste autor
Nenhum artigo encontrado.
Leitura recomendada

Bash - O interpretador de comandos

Utilizando o Vi - uma introdução

Instalação e configuração básica de um Debian 6 Squeeze para Desktops

O maravilhoso Xandros Linux Desktop

O que você gostaria de saber sobre GNU/Linux mas...

  
Comentários
[1] Comentário enviado por albfneto em 03/05/2013 - 11:44h

é Bom Mesmo esse artigo, é o mesmo basicão que usei a dois anos, exceto que usei genkernel e minha rede foi configurada diferente, eu uso wicd. mas eu usei Sabayon XFCE par instalar.

Meu Gentoo está sendo rolado a dois anos nunca precisei reformatar. Meu Sabayon então, tem muito tempo, era um 5.2 originalmente agora é o 11 atualizado.

Favoritado seu artigo, parabéns, Lucas!

[2] Comentário enviado por removido em 03/05/2013 - 13:10h


[1] Comentário enviado por albfneto em 03/05/2013 - 11:44h:

é Bom Mesmo esse artigo, é o mesmo basicão que usei a dois anos, exceto que usei genkernel e minha rede foi configurada diferente, eu uso wicd. mas eu usei Sabayon XFCE par instalar.

Meu Gentoo está sendo rolado a dois anos nunca precisei reformatar. Meu Sabayon então, tem muito tempo, era um 5.2 originalmente agora é o 11 atualizado.

Favoritado seu artigo, parabéns, Lucas!


Valeu Alberto! Vindo do mestre do Sabayon e do Gentoo vale muito!

[3] Comentário enviado por izaias em 03/05/2013 - 13:43h

Não sabia dessa versatilidade dos Gentoo's.

Muito interessante, esclarecedor e didático.
O Gentoo carrega certos preconceitos/receios, mas você conseguiu simplificar o processo.

Parabéns! Muito bom seu artigo.

[4] Comentário enviado por removido em 03/05/2013 - 13:48h


[3] Comentário enviado por izaias em 03/05/2013 - 13:43h:

Não sabia dessa versatilidade dos Gentoo's.

Muito interessante, esclarecedor e didático.
O Gentoo carrega certos preconceitos/receios, mas você conseguiu simplificar o processo.

Parabéns! Muito bom seu artigo.


Obrigado Izaias! Estou pensando em escrever um artigo no intuito de desmistificar algumas coisas do Gentoo, mas ainda não sei ao certo como escrever.

[5] Comentário enviado por izaias em 03/05/2013 - 14:16h

Sugestão:

Que tal algo como atualizar, instalar navegadores/aplicativos e mante-los atualizados.
Também como personalizar e/ou instalar um ambiente gráfico preferido.
Onde buscar e como compilar: há diferenças entre pacotes referentes a diferentes ambientes escolhidos?

Já leu o artigo do Gedimar sobre o Slackware? É bem por aí.


Se bem que o Gentoo, sem querer exagerar, é sim para usuários avançados.
Há coisas que são realmente mais complicadas e temos que aceitar isso.

[6] Comentário enviado por removido em 03/05/2013 - 14:20h


[5] Comentário enviado por izaias em 03/05/2013 - 14:16h:

Sugestão:

Que tal algo como atualizar, instalar navegadores/aplicativos e mante-los atualizados.
Também como personalizar e/ou instalar um ambiente gráfico preferido.
Onde buscar e como compilar: há diferenças entre pacotes referentes a diferentes ambientes escolhidos?

Já leu o artigo do Gedimar sobre o Slackware? É bem por aí.


Se bem que o Gentoo, sem querer exagerar, é sim para usuários avançados.
Há coisas que são realmente mais complicadas e temos que aceitar isso.


Tenho que concordar com você, mas não diria necessariamente usuários avançados, diria usuários que sabem fazer algumas coisas que não são tão difíceis assim, como: compilar um kernel ou configurar um GRUB. Penso que a parte mais difícil é o primeiro contato com o Portage.

[7] Comentário enviado por removido em 03/05/2013 - 14:26h

O artigo do Gedimar é mesmo um bom exemplo, já tinha começado algo, então vou seguir a linha de raciocínio que tinha iniciado (as provas não me deixaram terminar rsrsrs), mas vou tomar o início do artigo do Gedimar como exemplo.

[8] Comentário enviado por pcsgoncalves em 03/05/2013 - 18:53h

Gostei muito do seu artigo! Também uso Gentoo há cerca de 2 anos e estou muito feliz com essa distribuição! Sem dúvida é uma das mais "trabalhosas", embora não tão difícil assim, de instalar, mas o esforço e a demora (até compilar tudo!! ufa!!) vale a pena. E a documentação, embora em inglês (em português tá muito defasada), é muito completa. Grande abraço!!

[9] Comentário enviado por removido em 03/05/2013 - 18:56h


[8] Comentário enviado por pcsgoncalves em 03/05/2013 - 18:53h:

Gostei muito do seu artigo! Também uso Gentoo há cerca de 2 anos e estou muito feliz com essa distribuição! Sem dúvida é uma das mais "trabalhosas", embora não tão difícil assim, de instalar, mas o esforço e a demora (até compilar tudo!! ufa!!) vale a pena. E a documentação, embora em inglês (em português tá muito defasada), é muito completa. Grande abraço!!


Valeu! Realmente, já faz um tempo que a documentação em português foi deixada de lado. Apesar disso, ainda consegui achar algumas coisas nela, mas a maioria foi na documentação em inglês mesmo.

[10] Comentário enviado por xerxeslins em 03/05/2013 - 22:49h

Nota 10 e favoritado!

Não uso gentoo/funtoo, mas admiro!

Espero um dia usar gentoo ou funtoo normalmente, sem estresse.

Uma dúvida:

Você disse que "Se é a primeira vez que você está tendo contato com o Portage, recomendo deixar as USE Flags originais na variável USE por enquanto, depois você pode configurar a seu gosto. "

Quer dizer que eu posso usar as USE flags originais e usar o sistema normalmente, sem me preocupar com isso, se assim eu quiser?

Abraço!

[11] Comentário enviado por removido em 04/05/2013 - 06:50h


[10] Comentário enviado por xerxeslins em 03/05/2013 - 22:49h:

Nota 10 e favoritado!

Não uso gentoo/funtoo, mas admiro!

Espero um dia usar gentoo ou funtoo normalmente, sem estresse.

Uma dúvida:

Você disse que "Se é a primeira vez que você está tendo contato com o Portage, recomendo deixar as USE Flags originais na variável USE por enquanto, depois você pode configurar a seu gosto. "

Quer dizer que eu posso usar as USE flags originais e usar o sistema normalmente, sem me preocupar com isso, se assim eu quiser?

Abraço!


O que eu quis dizer com isso é que o melhor é ir arrumando as use flags aos poucos, a medida que você vai instalando as coisas, como Xorg, xfce etc. Se você coloca todas as use flags que vai usar no seu Gentoo logo no início da instalação, você terá um Portage muito reclamão e vai acabar perdendo a paciência e desistindo da instalação. Quando eu instalei eu fiz da seguinte forma, editei todas as variáveis menos as use flags, depois que terminei de instalar o sistema básico, ai eu comecei a editar as USE Flags, isso para instalar Xorg, xfce chromium, libreoffice etc.

[12] Comentário enviado por xerxeslins em 04/05/2013 - 08:02h

Ok! Obrigado!

[13] Comentário enviado por albfneto em 04/05/2013 - 08:45h


Quer dizer que eu posso usar as USE flags originais e usar o sistema normalmente, sem me preocupar com isso, se assim eu quiser?


A rigor, Xerxes, vc pode usar as FLAGS originais sim e mesmo um make. conf original Funcionar funciona!

Vamos dar um exemplo, suponha que vc vai instalar um gentoo sem KDE e não quer mexer nas FLAGS, nem no make.conf, então copia
para o gentoo um grande (em tamanho) make.conf de Sabayon, que tenha muitas FLAGS de KDE. Vai funcionar, só que não otimizado e com um monte de deps
de KDE que não serão usadas, mas serão compiladas.

Vai compilar e vai funcionar, só que geral, ex. vai compilar para um 64 bits genérico e não para o seu comp, mas funcionar funciona.

quando o Lucas fala que editar o make.conf e as FLAGS erradas vc quebra seu sistema ou não compila, é por exemplo, ref a isto:
suponha que seu pacote use QT versão 3 e vc não colocou a FLAG qt3support, no make.conf, e ainda compilou assim:

USE="-qt3support" emerge pacote

ou seja, vc abortou o suporte a QT3, se vc tiver esse pacote e ainda outras coisas em QT3, não vai funcionar mais. Outra coisa, não colocou no make.conf, nem no kernel, uma FLAG ou modulo para um hardware que vc tem , dançou!

A Rigor, Na Teoria, não há diferenças entreas FLAGS do Gentoo e as FLAGS do Slackware, pq as FLAGS são do GCC, mas no Gentoo, o Portage é que usa o GCC, ele compila para vc...

Portage é muito bem bolado, e em parte, sabendo olhar as mensagens, o Portage fala com vc, exemplo: " o pacote X não compilou,porque precisa do pacote Y que é mascarado e o pacote Z o bloqueia.....
Solução: Remova o pacote Z, momentaneamente e desmascare o pacote Y, depois instala o X e re instala o Z sem as deps:

emerge -C --nodeps Z
echo "nome inteiro do pacote Y" >> /etc/portage/package.keywords
emerge -av X
emerge -av --nodeps Z



[14] Comentário enviado por iz@bel em 04/05/2013 - 11:40h

Ops!
Isso não é pra mim não,
editar parâmetros de kernel, FLAGS/GCC/Portage... tou fora rsrsrsrs

10 pelo artigo Lucas...

[15] Comentário enviado por removido em 04/05/2013 - 11:55h


[14] Comentário enviado por iz@bel em 04/05/2013 - 11:40h:

Ops!
Isso não é pra mim não,
editar parâmetros de kernel, FLAGS/GCC/Portage... tou fora rsrsrsrs

10 pelo artigo Lucas...


Obrigado Izabel!

[16] Comentário enviado por shotcult em 08/05/2013 - 17:03h

Muito bom o artigo, eu trabalho a 5 anos com gentoo nos servidores aqui, no começo deu um trabalhinho para aprender mas depois foi só alegria, ele da um trabalho porque a maioria das coisas são na mão mesmo, quase nada automático, nada que uns scripts shell não resolva, o gentoo te deixa ir a fundo no sistema e deixar super rápido e customizado, gentoo tem me dado alegria todos estes anos, gentoo configurado e mantendo atualizado e só colocar e esquecer.

[17] Comentário enviado por removido em 08/05/2013 - 19:30h


[16] Comentário enviado por shotcult em 08/05/2013 - 17:03h:

Muito bom o artigo, eu trabalho a 5 anos com gentoo nos servidores aqui, no começo deu um trabalhinho para aprender mas depois foi só alegria, ele da um trabalho porque a maioria das coisas são na mão mesmo, quase nada automático, nada que uns scripts shell não resolva, o gentoo te deixa ir a fundo no sistema e deixar super rápido e customizado, gentoo tem me dado alegria todos estes anos, gentoo configurado e mantendo atualizado e só colocar e esquecer.


Concordo, estou usando a versão estável e está perfeito, só atualizar ele e pronto. A meu ver, depois de instalado ele dá menos trabalho que um Slack e um pouco mais que um Arch.

[18] Comentário enviado por milesmaverick em 11/05/2013 - 10:44h

O sabayon é uma das melhores distros que já usei

[19] Comentário enviado por rudregues em 18/05/2013 - 20:31h

Muito bom artigo Lucas, mas tenho uma dúvida:

Quem já possui o Sabayon instalado no HD pode usar o tutorial sem problemas?
(minha internet é lenta, não quero ter que baixar o Sabayon e gravar em LiveCD...)

Obs.: eu uso apenas o Entropy no meu Sabayon, nada de Portage

[20] Comentário enviado por removido em 18/05/2013 - 20:58h


[19] Comentário enviado por rudregues em 18/05/2013 - 20:31h:

Muito bom artigo Lucas, mas tenho uma dúvida:

Quem já possui o Sabayon instalado no HD pode usar o tutorial sem problemas?
(minha internet é lenta, não quero ter que baixar o Sabayon e gravar em LiveCD...)

Obs.: eu uso apenas o Entropy no meu Sabayon, nada de Portage


Dá para usar o tutorial, é só particionar direito que não tem problema, coloquei livecd/usb para o caso de quem quer fazer uma instalação limpa (sem dual-boot), mas para quem quer ter outra distro além do Gentoo não tem problema usar essa outra distro para instalar. Sobre o Portage, seria bom que você começasse a usa-lo no Sabayon para ir acostumando, mas isso vai de cada um, eu mesmo não tinha o costume de usa-lo quando tinha Sabayon e consegui instalar o Gentoo, porém tive dificuldades e precisei de bastante paciência. Se você entende de USE FLAGs e sabe configurar um make.conf para Gentoo, é tranquilo instala-lo, mas se não... vai ter algumas dores de cabeça rsrsrs. É isso, boa sorte!

[21] Comentário enviado por rudregues em 19/05/2013 - 01:54h

Segui seu tutorial até a parte de instalar o grub, como já tenho um grub no sabayon, simplesmente rodei "grub-mkconfig -o /boot/grub/grub.cfg" para atualizar o grub. Mas ele não achava o gentoo. Tentei alterar o nome do kernel na pasta /boot pra diversos nomes e num funcionou. Então desloguei do chroot e desmontei a partição do gentoo pra tentar de novo. Nada. Mas surpresa: por algum motivo, quando montei novamento gentoo, não havia mais nada ali... apenas uma maldita pasta chamada "lost+found", como se eu tivesse acabado de formatar ou coisa do tipo.... Que eu faço?

EDIT: refiz tudo de novo, exatamente da forma que descrevi e dessa vez num sumiu nada, deve ser um bug louco, sei lá...

[22] Comentário enviado por HerrSchafer em 20/06/2013 - 17:27h

Deu erro ao emergir o gentoolkit:

localhost linux # emerge gentoolkit

* IMPORTANT: 5 news items need reading for repository 'gentoo'.
* Use eselect news to read news items.

Calculating dependencies... done!

>>> Verifying ebuild manifests
>>> Running pre-merge checks for dev-python/pypy-1.9-r2
openpty failed: 'out of pty devices'
* Checking for at least 4 gigabytes RAM ... [ !! ]
* There is NOT at least 4 gigabytes RAM
*
* Space constrains set in the ebuild were not met!
* The build will most probably fail, you should enhance the space
* as per failed tests.
*
* ERROR: dev-python/pypy-1.9-r2 failed (pretend phase):
* Build requirements not met!
*
* Call stack:
* ebuild.sh, line 93: Called pkg_pretend
* pypy-1.9-r2.ebuild, line 35: Called check-reqs_pkg_pretend
* check-reqs.eclass, line 107: Called check-reqs_pkg_setup
* check-reqs.eclass, line 98: Called check-reqs_output
* check-reqs.eclass, line 239: Called die
* The specific snippet of code:
* [[ ${EBUILD_PHASE} == "pretend" && -z ${I_KNOW_WHAT_I_AM_DOING} ]] && \
* die "Build requirements not met!"
*
* If you need support, post the output of `emerge --info '=dev-python/pypy-1.9-r2'`,
* the complete build log and the output of `emerge -pqv '=dev-python/pypy-1.9-r2'`.
* The complete build log is located at '/var/tmp/portage/dev-python/pypy-1.9-r2/temp/build.log'.
* The ebuild environment file is located at '/var/tmp/portage/dev-python/pypy-1.9-r2/temp/die.env'.
* Working directory: '/usr/lib64/portage/pym'
* S: '/var/tmp/portage/dev-python/pypy-1.9-r2/work/pypy-1.9'



[23] Comentário enviado por Pylm em 05/10/2013 - 19:56h

"Agora vamos atualizar o sistema, para isso execute (e vá dar uma volta):

# emerge --update --deep --newuse world "
Deveria ter seguido o conselho de ir dar uma volta, visitar umas pessoas, zerar Dark Souls, pq, é tenso mesmo.


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts