Configurando um cluster com o Fedora Core 4 e MPICH-2

Hoje em dia, fala-se muito na utilização de clusters de computadores para a solução de problemas complexos utilizando programação paralela. Neste artigo apresento passo a passo as informações necessárias para configurar um cluster usando o Fedora Core 4 e o MPICH-2.

[ Hits: 39.013 ]

Por: Fernando Simões Junior em 30/01/2008


Apêndice A - Comandos básicos de vi



Sintaxe para executar o vi é a seguinte:

$ vi nome_do_arquivo

Uma vez carregado o vi, veja abaixo uma lista dos principais comandos:

OBS: Para passar para o modo comando pressione ESC.

Comandos básicos de inserção de texto:
  • i Insere texto antes do cursor
  • a Insere texto depois do cursor
  • r Insere texto no início da linha onde se encontra o cursor
  • A Insere texto no final da linha onde se encontra o cursor
  • o Adiciona linha abaixo da linha atual
  • O Adiciona linha acima da linha atual
  • Ctrl + h Apaga o ultimo caracter

Comandos básicos de movimentação:
  • Ctrl+f Move o cursor para a próxima tela
  • Ctrl+b Move o cursor para a tela anterior
  • H Move o cursor para a primeira linha da tela
  • M Move o cursor para o meio da tela
  • L Move o cursor para a ultima linha da tela
  • h Move o cursor um caracter a esquerda
  • j Move o cursor para a próxima linha
  • k Move o cursor para linha anterior
  • l Move o cursor um caracter a direita
  • w Move o cursor para o inicio da próxima palavra (Ignora a pontuação)
  • W Move o cursor para o inicio da próxima palavra (Não ignora a pontuação)
  • b Move o cursor para o inicio da palavra anterior (Ignora a pontuação)
  • B Move o cursor para o inicio da palavra anterior (Não ignora a pontuação
  • 0 Move o cursor para o inicio da linha atual
  • ^ Move o cursor para o primeiro caracter não branco da linha atual
  • $ Move o cursor para o final da linha atual
  • nG Move o cursor para a linha n
  • G Move o cursor para a ultima linha do arquivo

Comandos básicos para localizar texto:
  • /palavra Busca pela palavra ou caracter em todo o texto
  • ?palavra Move o cursor para a ocorrência anterior da palavra
  • n Repete o ultimo comando / ou ?
  • N Repete o ultimo comando / ou ? , na direção reversa
  • Ctrl+g Mostra o nome do arquivo, o numero da linha corrente e o total de linhas

Comandos básicos para alteração de texto:
  • x Deleta o caracter que esta sob o cursor
  • dw Deleta a palavra, da posição atual do cursor ate o final
  • dd Deleta a linha atual
  • D Deleta a linha a partir da posição atual do cursor ate o final
  • rx Substitui o caracter sob o cursor pelo especificado em x (é opcional indicar o caracter)
  • Rx Substitui a palavra sob o cursor pela palavra indicada em x
  • u Desfaz a ultima modificação
  • U Desfaz todas as modificações feitas na linha atual
  • J Une a linha corrente a próxima
  • s:/palavra1/palavra2
  • Substitui a primeira ocorrência de "palavra1" por "palavra2"

Comandos para salvar o texto:
  • :wq Salva o arquivo e sai do editor
  • :w nome_do_arquivo Salva o arquivo corrente com o nome especificado
  • :w! nome_do_arquivo Salva o arquivo corrente no arquivo especificado
  • :q Sai do editor
  • :q!
  • Sai do editor sem salvar as alterações realizadas

Página anterior    

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Exportando diretório para os outros micros do cluster
   3. Configurando as variáveis de usuários e ambientes
   4. Considerações finais
   5. Apêndice A - Comandos básicos de vi
Outros artigos deste autor

Como transformar seu DVD/RW em um disco de backup como se fosse um HD convencional

Fazendo RSH sem senha

Leitura recomendada

Configurando vídeo no Linux usando frame buffer

Configurando corretamente para o Horário de Verão

Instalação e Configuração de Servidor SSH no Debian

Debian Squeeze para Desktops

Sabayon Linux: Migrando KDE4 para KDE5

  
Comentários
[1] Comentário enviado por joseluiz em 30/01/2008 - 21:22h

Qual aplicação você usou para testar seu cluster?
tambem tenho um artigo de cluster...
http://www.vivaolinux.com.br/artigos/verArtigo.php?codigo=7661

[2] Comentário enviado por fernandosj em 31/01/2008 - 09:32h

Oi Jose Luiz
Eu utilizo um programa de simulação de plasma espacial via partículas, basicamente eu resolvo um conjunto de equações eletromagnéticas para cada partícula do plasma e os campos gerados pelo movimento das próprias partículas.
Em um PC dual 4.2Ghz eu tinha que esperar de 20 a 30 dias para ver os resultados... agora no cluster com 16 processadores eu tenho que esperar só uns 5 a 8 dias.
Dependendo do aplicativo o grande gargalo é a rede, mas no meu caso não tenho este tipo de problema.
Vi seu artigo, muito bom... parabéms.
Fernando.

[3] Comentário enviado por y2h4ck em 01/02/2008 - 21:52h

Bom so para deixar registrado, usando rhost nao importa se a senha tem 8 20 ou 100 caracteres, afinao com rhost o trafego é feito em cleartext :)

[]s

[4] Comentário enviado por fernandosj em 02/02/2008 - 12:54h

Concordo com você y2h4ck, mas as senhas que me refiro são as do usuário e não as de rsh, que configuramos para não utilizar senha. Depois que ele estiver logado no cluster ele tem livre acesso aos processadores.
Abraços.

[5] Comentário enviado por wriesco em 22/08/2008 - 16:38h

Qual mpi eu posso usar quando os computadores forem heterogeneos?
Obrigado...

[6] Comentário enviado por fabiobc em 03/10/2008 - 14:23h

Exportar as variáveis de ambiente do mpich2 para os usuarios, como eu faço isso e onde estão as variaveis? e para onde eu copio?

[7] Comentário enviado por fernandosj em 03/10/2008 - 15:04h

Oi Fabiobc, você pode colocar as variáveis de ambiente no profile (.bash_profile, .bashrc dependendo da distribuição) de cada usuário.
Você tem que adicionar:

#!/bin/bash
# PATH ENVIRONMENT TO MPICH2 #
PATH=$PATH:/local-de-instalação-do-mpi/bin
export PATH
# END ENVIRONMENT TO MPICH2 #

Abraços.

[8] Comentário enviado por fabiobc em 20/10/2008 - 10:14h

local-de-instalação-do-mpi como eu faço para saber onde ele instalou? estou utilizando o fedora 9

[9] Comentário enviado por fabiobc em 20/10/2008 - 10:15h

done
make[1]: Entrando no diretório `/root/mpich2-1.0.7/src/pm/mpd'
copying python files/links into /usr/local/bin
make[1]: Saindo do diretório `/root/mpich2-1.0.7/src/pm/mpd'
make[1]: Entrando no diretório `/root/mpich2-1.0.7/src/mpe2'
Installing MPE2 include files to /usr/local/include
Installing MPE2 libraries to /usr/local/lib
Installing MPE2 utility programs to /usr/local/bin
Installing MPE2 configuration files to /usr/local/etc
Installing MPE2 system utility programs to /usr/local/sbin
Installing MPE2 man to /usr/local/man
Installing MPE2 html to /usr/local/www
Installing SLOG2SDK's lib
Installing SLOG2SDK's doc
Installing SLOG2SDK's share
Creating SLOG2SDK's bin
Installed SLOG2SDK in /usr/local
/usr/local/sbin/mpeuninstall may be used to remove the installation
Installed MPE2 in /usr/local
/usr/local/sbin/mpeuninstall may be used to remove the installation
esta menssagem que deu no final da instalação

[10] Comentário enviado por fernandosj em 20/10/2008 - 11:25h

Oi Fábio, os locais onde os arquivos do MPI estão são:
include files to /usr/local/include
libraries to /usr/local/lib
utility programs to /usr/local/bin
configuration files to /usr/local/etc

Os binários ficam em /usr/local/bin

Abraços!!


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts