Configurando o Fortune

Este artigo ensina a configurar o Fortune, o programa que exibe mensagens aleatórias no Linux. O leitor aprenderá a executar chamadas personalizadas para ele, além de aprender a criar seus próprios arquivos de mensagens para exibição.

[ Hits: 38.329 ]

Por: José Lopes de Oliveira Jr. em 29/05/2006 | Blog: http://hakspek.blogspot.com


Criando um arquivo de mensagens



Muitos usuários, como o autor deste artigo, gostariam de criar seus próprios arquivos com mensagens para o Fortune. Isto torna possível a criação de, por exemplo, um arquivo só com mensagens de pára-choques de caminhão, outro só com piadas, outro com provérbios, outro com citações de autores famosos, outro com citações bíblicas e etc.

É relativamente fácil se criar um arquivo de mensagens para o Fortune. Para isto, basta que se crie um arquivo texto com as mensagens, separando cada uma com o símbolo de porcentagem '%', em uma linha em branco [Linux.com (2006)].

O autor aconselha que este arquivo seja criado totalmente no próprio Linux, em algum editor de texto raso, como o VIM ou o KWrite. Isto pois, através de testes realizados com um arquivo digitado no Windows, foi verificado que, por causa da codificação utilizada nos arquivos texto daquele sistema operacional, ocorreu um erro no próximo passo desta tarefa.

Uma vez digitado e gravado o arquivo, basta digitar o seguinte comando para indexá-lo:

$ strfile <nomeArquivo>

Será criado um arquivo com o mesmo nome do original, mas com a extensão .dat [Linux.com (2006)]. Então basta movê-los para /usr/share/games/fortunes e eles já poderão ser escolhidos pelo Fortune, mas este passo não é obrigatório. Pode-se ainda obrigar o Fortune a chamar o arquivo criado através da seguinte chamada:

$ /usr/games/fortune <caminho_do_arquivo>/<nomearquivo>

Vale lembrar que, caso o arquivo esteja em /usr/share/games/fortunes, não é necessário inserir o caminho. Vamos a um exemplo prático.

Considere o seguinte arquivo de fortunas:

"Todas as flores do futuro estão nas sementes de hoje" Provérbio Chinês
%
"A gente tropeça sempre nas pedras pequenas, porque as grandes a gente logo enxerga" Provérbio Japonês
%
"Tudo o que acontece uma vez pode nunca mais acontecer, mas tudo o que acontece duas vezes, acontecerá certamente uma terceira" Provérbio Árabe
%
"Ser pedra é fácil, o difícil é ser vidraça" Provérbio Chinês

Considere que este arquivo tenha o nome de proverbios e que esteja no diretório /tmp. Estando dentro deste diretório, basta digitar o comando:

$ strfile proverbios

Será criado um arquivo chamado proverbios.dat. Se for de vontade do leitor e se este tiver permissão para isto, pode-se mover estes arquivos para /usr/share/games/fortunes. Caso não se tenha esta permissão, o autor sugere que se crie um diretório em seu diretório pessoal chamado .fortunes e que se coloque lá estes arquivos.

Agora pode-se testar o funcionamento deste arquivo criado com o comando:

$ fortune proverbios

Ou, caso não se tenha movido os arquivos para /usr/share/games/fortunes:

$ fortune ~/.fortunes/proverbios

Ainda pode-se chamar vários arquivos em seqüência como:

$ fortune ~/.fortunes/proverbios ~/.fortunes/piadas ~/.fortunes/frasesParaChoques

E ainda, se especificar a porcentagem de possibilidade de escolha de mensagens de cada arquivo:

$ fortune 50% ~/.fortunes/proverbios 25% ~/.fortunes/piadas 25% ~/.fortunes/frasesParaChoques

Neste último exemplo, o arquivo ~/.fortunes/proverbios tem 50% de chances de ser escolhido e os outros, 25% de chances cada.

Como última informação, deve-se notar que o Fortune interpreta arquivos com o sufixo "-o" como arquivos que contêm mensagens que podem ser consideradas ofensivas (veja opção -o, seção 2 -Opções do Fortune). Por exemplo: /usr/share/games/fortunes/piadasSogra-o.

Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Chamando o Fortune
   3. Criando um arquivo de mensagens
   4. Conclusão
Outros artigos deste autor

Permissões no Linux

Instalação e configuração do MySQL 4.0.26, Apache 2.0.54, PHP 5.0.4 e PHP-Nuke 7.8 no Slackware 10.1

Instalação e configuração do J2SE

Configuração manual dos ponteiros do mouse

Qual distribuição usar

Leitura recomendada

Fedora 18 - Customização pós-instalação

Aplicando o Layer7 no Fedora Core Linux 6

PuTTY - Release 0.66 - Parte III

Como gerenciar usuários e grupos

Lubuntu, um Ubuntu mais Leve!

  
Comentários
[1] Comentário enviado por removido em 29/05/2006 - 10:34h

?

[2] Comentário enviado por FelipeAbella em 02/06/2006 - 09:55h

Eu não conhecia esses comandos.

Parabéns pelo artigo.

[3] Comentário enviado por tenchi em 15/09/2006 - 11:02h

Ah, excelente mesmo essas mensagens... No slackware elas são executadas sempre quando logamos. Isso deixa o terminal mais 'amigável'...
E existem vários modos de se converter um arquivo criado no DOS para o linux.
Um meio, disponível no slackware, eh o seguinte:
$fromdos < arquivoDOS > arquivoLinux

Ou há também um 'programa' (script, que não deixa de ser um programa) chamado funcoeszz (http://funcoeszz.net/) , que tem uma funcão que pode ser chamada pelo comando:

$zzdos2linux arquivoDOS.txt # que irá gerar um arquivo arquivoDOS.linux

E eh claro, o processo contrário também é possível, com o comando

$zzlinux2dos arquivoLinux # que vai gerar um arquivo arquivoLinux.dos

Eh isso... Sei que não tem muito a ver com a dica, mas isso prova que arquivos editados no windows funcionam normalmente no linux, com um pouco de esforço... rsrrs.

Falow.

[4] Comentário enviado por gpr.ppg.br em 03/10/2008 - 16:06h

eu adoro esse programa.

[5] Comentário enviado por yetlinux em 20/05/2009 - 02:48h

"zzlinux2dos" e "zzdos2linux" não são das funçõeszz do Aurélio? Precisam ser baixadas do site dele.
Existem comandos para converter os arquivos: unix2dos e dos2unix.


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts