Auditando senhas com John The Ripper

Senhas são a parte mais fraca de qualquer sistema de segurança, pois pessoas que não conhecem os riscos causados por senhas fracas são responsáveis por criar tais senhas. Auditar as senhas que seus usuários utilizam para acessar os servidores é necessário para se garantir o mínimo de segurança nesse quesito. Com uma ferramenta como o John The Ripper, isso fica muito fácil.

[ Hits: 190.060 ]

Por: Pedro Pereira em 13/06/2007 | Blog: http://www.pedropereira.net


Linha de comando



O John suporta várias opções de linha de comando, geralmente usadas para ativar determinados modos de uso do software. Preste bastante atenção no case das opções, o JtR é case-sensitive! Uma característica muito legal dele é que é possível abreviar as opções da linha de comando desde que não haja ambiguidade (mais ou menos da maneira como ocorre no shell de roteadores Cisco, por exemplo).

Abaixo vou dar uma explicação básica das opções que o John suporta. Se você se esquecer de alguma opção quando estiver utilizando o JtR, é só digitar "john" no terminal e todas as opções serão impressas para você. As opções podem ser definidas utilizando -- ou - e seus parâmetros são definidos utilizando = ou :.
  • --single: Define o modo "single" para quebrar as senhas.
  • --wordlist=ARQUIVO: Define o modo "wordlist" para quebrar as senhas e define o arquivo ARQUIVO como sendo de onde as senhas serão lidas. Aqui você pode utilizar também a opção --stdin para dizer que as palavras virão da entrada padrão.
  • --incremental: Define que será utilizado o modo "incremental" para quebrar a senhas. Opcionalmente você pode definir que tipo de modo incremental será utilizado fazendo --incremental[=MODO].
  • --external=MODO: Define que será utilizado o modo external.
  • --rules: Habilita as regras para wordlist definidas em john.conf quando se utiliza o modo wordlist.
  • --stdout[=LENGTH]: Quando utilizado, faz com que o JtR imprima as possíveis senhas direto na saída padrão ao invés de tentá-las contra um hash. Se você definir o parâmetro LENGTH só serão impressas senhas com caracteres até a quantidade especificada em LENGTH.
  • --restore[=NOME]: Faz com que uma sessão que foi interrompida anteriormente continue de onde parou. Se você definir um nome diferente para a sessão, especifique o nome dela na linha de comando junto com esta opção. A sessão fica gravada na home do John, em um arquivo chamado john.rec.
  • --session=NOME: Define o nome da sessão que pode ser utilizado com a opção restore. A esse nome será automaticamente adicionado a extensão .rec.
  • --status[=NOME]: Mostra o status da última sessão ou, se definido o nome da sessão, da sessão especificada.
  • --make-charset=ARQ: Gera um arquivo charset para ser utilizado no modo "incremental".
  • --show: Mostra as senhas do arquivo que você especificou para o JtR que já foram quebradas. Esta opção é especialmente útil quando você tem outra instância do JtR rodando.
  • --test: Esta opção faz um benchmark de todos os algoritmos compilados no software e os testa para saber se estão funcionando corretamente. Esta opção já foi explicada anteriormente.
  • --users=[-]Nome do usuário ou UID: Com esta opção você pode especificar para o JtR quais usuário você quer tentar quebrar a senha. Você pode utilizar o nome de usuário ou o UID dele e pode separar vários usuários utilizando uma vírgula. Utilizando o "-" antes do nome do usuário, você faz com que o John ignore aquele usuário ou UID.
  • --groups=[-]GID: Faz com que o John tente quebrar apenas as senhas dos usuários participantes de um grupo especificado (ou ignorá-los, se você utilizar o "-").
  • --shells=[-]SHELL: Apenas tenta quebrar as senhas dos usuários cujas shells sejam iguais à que foi especificada por você na linha de comando. Utilizando o "-" você ignora as shells especificadas.
  • --salts=[-]NUMERO: Deixa você especificar o tamanho das senhas que serão (ou não) testadas. Aumenta um pouco a performance para quebrar algumas senhas, porém o tempo total utilizando esta opção acaba sendo o mesmo.
  • --format=FORMATO: Permite a você definir o algoritmo a ser usado para quebrar a senha, ignorando a detecção automática do software. Os formatos suportados atualmente são DES, BSDI, MD5, AFS e LM. Você também pode utilizar esta opção quando estiver utilizando o comando --test, como já foi explicado anteriormente neste texto.
  • --save-memory=1, 2 ou 3: Esta opção define alguns níveis para dizer ao John com qual nível de otimização ele irá utilizar a memória. Os níveis variam de 1 a 3, sendo 1 a mínima otimização. Esta opção faz com que o JtR não afete muito os outros programas utilizando muita memória.

Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. O John The Ripper
   3. Baixando e instalando
   4. Configurando o JtR
   5. Modos
   6. Linha de comando
   7. Exemplos de uso do John
   8. Conclusão
Outros artigos deste autor

OpenVPN se comportando como PPTP

Aplicando patches no kernel

Instalando o Ocomon 1.40 no FreeBSD 6.0

VPN com FreeS/WAN

Leitura recomendada

Security Hacks: Linux & BSD

Proteção utilizando fail2ban contra ataques do tipo

Configurando um servidor Freeradius + openLDAP

Iptraf Sniffer - noções básicas

Construindo um Log Server utilizando Linux, Unix e Windows

  
Comentários
[1] Comentário enviado por y2h4ck em 13/06/2007 - 08:36h

"Definir um tamanho mínimo de senhas de 8 ou 10 caracteres;" Isto é bem relativo, dependendo principalmente do algoritmo utilizado.

Existem métodos para se quebrar senhas de usuários windows no padrão NTLMv1, inclusive comerciais, que conseguem quebrar uma senha de até 15 caracteres em no máximo 10 minutos.

Legal o artigo, parabéns :) nota 10.

[2] Comentário enviado por phelipe em 13/06/2007 - 12:00h

Ótimo artigo... Nota 10.

[3] Comentário enviado por vodooo em 13/06/2007 - 12:10h

Parabéns pelo artigo!

Muito bemn explicado!

Abraços

[4] Comentário enviado por tsanches em 13/06/2007 - 13:58h

Ola pogo,
Parabéns pelo artigo.
TSANCHES

[5] Comentário enviado por acollucci em 13/06/2007 - 17:52h

Otimo artigo. Agora quanto ao comentario do y2h4ck, sim existem metodos para se quebrar senhas fortes, porem senhas fortes dificultam ataques do tipo wordlists, ou de engenharia social.

Nota 10...

abraços

[6] Comentário enviado por marcrock em 14/06/2007 - 16:07h


Excelente artigo!!!!
E seu site também é massa!!!

Parabéns pelo artigo.


[7] Comentário enviado por fjunior em 18/06/2007 - 10:46h

Criar uma senha forte realmente vai dificultar ataques.
Parabéns,
seu artigo é 10

[8] Comentário enviado por manomauricio em 26/10/2007 - 13:10h

Puro CTRL+C CTRL+V desse site http://www.pedroaugusto.eti.br/?q=node/49

[9] Comentário enviado por pogo em 26/10/2007 - 13:38h

huaehueahuehUAHUEHUAEUHAEHUAEHUHU esse site aí é meu cara :) hueahueauhaeuheauhae não copio nada de lugar nenhum :D

[10] Comentário enviado por thorking em 27/11/2007 - 23:31h

hehhe depois de algum tempo acabei caindo aki novamente.

to tentando instalar o john no ubuntu 7.10 porem pelo comando apt-get ele apresenta o erro:

Lendo lista de pacotes... Pronto
Construindo árvore de dependências
Reading state information... Pronto
E: Impossível achar pacote john

e pelo modo tradicional:

rm -f ../run/john ../run/unshadow ../run/unafs ../run/unique ../run/john.bin ../run/john.com ../run/unshadow.com ../run/unafs.com ../run/unique.com ../run/john.exe ../run/unshadow.exe ../run/unafs.exe ../run/unique.exe
rm -f ../run/john.exe *.o *.bak core
rm -f detect bench generic.h arch.h sparc.h tmp.s
rm -f DES_bs_s.c DES_bs_n.c DES_bs_a.c
cp /dev/null Makefile.dep
ln -sf x86-mmx.h arch.h
make ../run/john ../run/unshadow ../run/unafs ../run/unique \
JOHN_OBJS="DES_fmt.o DES_std.o DES_bs.o BSDI_fmt.o MD5_fmt.o MD5_std.o BF_fmt.o BF_std.o AFS_fmt.o LM_fmt.o batch.o bench.o charset.o common.o compiler.o config.o cracker.o crc32.o external.o formats.o getopt.o idle.o inc.o john.o list.o loader.o logger.o math.o memory.o misc.o options.o params.o path.o recovery.o rpp.o rules.o signals.o single.o status.o tty.o wordlist.o unshadow.o unafs.o unique.o x86.o x86-mmx.o"
make[1]: Entrando no diretório `/home/thorking/john-1.7.2/src'
gcc -c -Wall -O2 -fomit-frame-pointer -funroll-loops DES_fmt.c
DES_fmt.c:6:20: erro: string.h: Arquivo ou diretório inexistente
Em arquivo incluído de common.h:14,
do DES_fmt.c:10:
memory.h:13:19: erro: stdio.h: Arquivo ou diretório inexistente
memory.h:14:20: erro: stdlib.h: Arquivo ou diretório inexistente
In file included from common.h:14,
from DES_fmt.c:10:
memory.h:46: error: expected ‘)’ before ‘size’
memory.h:64: error: expected ‘)’ before ‘size’
memory.h:69: error: expected ‘)’ before ‘size’
DES_fmt.c:29: error: ‘NULL’ undeclared here (not in a function)
DES_fmt.c: In function ‘split’:
DES_fmt.c:109: warning: implicit declaration of function ‘memcpy’
DES_fmt.c:109: warning: incompatible implicit declaration of built-in function ‘memcpy’
DES_fmt.c:112: warning: incompatible implicit declaration of built-in function ‘memcpy’
DES_fmt.c: In function ‘get_key’:
DES_fmt.c:300: warning: incompatible implicit declaration of built-in function ‘memcpy’
make[1]: ** [DES_fmt.o] Erro 1
make[1]: Saindo do diretório `/home/thorking/john-1.7.2/src'
make: ** [linux-x86-mmx] Erro 2



q ,aldito erros são esses?

abraço cara!

[11] Comentário enviado por felipezs em 01/02/2008 - 13:57h

eu tenho um processador core 2 duo e o john só usa um processador....o outro fica livre...como eu configuro pra usar os 2?

[12] Comentário enviado por mosoli em 08/10/2008 - 16:20h

Exelente... ja ta nos favoritos = )

[13] Comentário enviado por elgio em 30/01/2009 - 10:50h

A leitura do teu artigo sobre VPN hoje me fez olhar os demais artigos que escreveste. Muito interessante, a gente meio que se interessa pelos mesmos assuntos ;-)

Sobre senhas, reforço o que meu amigo Anderson (y2h4ck: depois de alguns mal entendidos com ele, ambos concordamos em nos tratarmos como amigo! :-D hehehe Forte abraço): para senhas lmpasswd nenhuma senha (NENHUMA NENHUMA) é segura. De nada adianta colocar 14 cars de senha no lmpasswd (e é o máximo que ele aceita. Mais que isto é truncado), pois ele divide a tua senha em duas partes de 7, logo uma força bruta é sobre 7 cars. John the Ripper sempre conseguirá quebrar as senhas e creio que em questão de horas com os processadores domésticos de hoje.

Ntpasswd é melhor pois usa o MD4 e não tem os vícios do LM, mas a falta de salt numbers torna ele também não confiável pois perece ao ataque de Rainbow Tables (muito embora uma tabela de RB completa até 8 cars custe $499 e tem o tamanho de 52G - http://ophcrack.sourceforge.net/tables.php ). A princípio senhas maiores que 9 caracteres para o NTpasswd são seguros pois parece (PARECE) que ninguém ainda conseguiu compilar uma Rainbow tables para tantos cars.

No Linux porém, que usa MD5 com salt numbers, qualquer senha maior do que SEIS cars torna INVIÁVEl o força bruta (cuidado, estou falando de força bruta, não de outros ataques. Mesmo que tu use 15 cars de senha ela será estúpida se for apenas números, como este artigo explica).

A presença de salt numbers torna inviável a técnica de Rainbow tables.

http://www.vivaolinux.com.br/artigo/Armazenamento-de-senhas-no-Linux/
http://gravatai.ulbra.tche.br/~elgio/senhas.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Rainbow_table
http://en.wikipedia.org/wiki/Rainbow_table

[14] Comentário enviado por elgio em 30/01/2009 - 11:00h

A propósito: o teu site http://www.pedroaugusto.eti.br está fora!
O que houve?

[15] Comentário enviado por pogo em 02/02/2009 - 09:33h

opa elgio,

o site eu acabei tirando do ar pq não tinha mais tempo de manter... como pagava pela hospedagem, acabava dando prejuízo!

fico feliz que tenha gostado dos textos! =)

[]'s

Pedro.

[16] Comentário enviado por chapafogu1nho em 02/07/2010 - 17:20h

Cara, eu não entendi a parada de juntar os arquivos com o unshadow.

eu digitei #./unshadow /etc/passwd /etc/shadow e imprimiu na tela..

tentei jogar pra uma arquivo txt #./unshadow /etc/passwd /etc/shadow > saida.txt

mas quando eu rodo o john no arquivo txt fala que nao tem hashes :P

ai se eu digitar #./unshadow /etc/passwd /etc/shadow

e depois #./john unshadow

aparece esta mensagem: ./john unshadow
Loaded 1 password hash (PIX MD5 [pix-md5 SSE2])
guesses: 0 time: 0:00:13:57 (3) c/s: 3804K trying: 36tly121 - 36tly128

......

É isso mesmo? ou eu num entendi nada ? ;P

[17] Comentário enviado por trev0r em 15/10/2015 - 13:53h

lembrando que o john abre senhas não somente de sistemas DES e de arquivos ZIP, RAR, e outros algoritmos de compressão ;)
Trev0r F00d


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts