Alta disponibilidade com SuSE 10 Enterprise Server SP2

Saiba como implementar um cluster de alta disponibilidade do tipo ativo/ativo em ambiente Linux. Tutorial baseado na distribuição SuSE 10 Enterprise Server SP2.

[ Hits: 52.565 ]

Por: Saraiva Digital em 27/03/2009 | Blog: http://altadisponibilidade.awardspace.com/


Configuração



Daqui pra frente, antes de configurar o que está faltando, é interessante que o cluster secundário (o torresul) já esteja instalado corretamente e com os pacotes instalados até esse ponto, pois a medida em que vamos configurando estamos testando alguns serviços. Se o torresul ainda não tiver pronto, termine de instalá-lo e prossiga a partir desse ponto, enjoy!

Channel Bonding

Vamos terminar de configurar o Channel Bonding (Rede Vinculada). Entre na pasta /etc/sysconfig/network e edite o arquivo ifcfg-bond0.

Adicione as seguintes linhas no final do arquivo, como marcado na figura abaixo:
Linux: Alta Disponibilidade com Suse 10 Enterprise Server SP2
Agora salve e reinicie o serviço de rede com:

# service network restart

e repare que o bond0 já vai subir vinculando a eth1 e eth2 à ele:
Linux: Alta Disponibilidade com Suse 10 Enterprise Server SP2
Para ter certeza que está correto, verifique através do comando "ifconfig" se as interfaces eth1 e eth2 tem o mesmo mac do bond0. Veja:
Linux: Alta Disponibilidade com Suse 10 Enterprise Server SP2
Faça a mesma coisa no servidor torresul, estando os dois servidores configurados, no servidor torrenorte pingue o ip do bond do torresul:

ping 10.27.1.102

e no servidor torresul abra o iptraf e verifique se o ping alterna entre a interface eth0 e eth1, como na figura abaixo:
Linux: Alta Disponibilidade com Suse 10 Enterprise Server SP2
Pronto, agora temos alta disponibilidade e balanceamento de carga, mesmo se uma das interfaces de rede falhar o Bond continua funcionando. Se quiser fazer um teste, mantenha pingando e ainda com o iptraf monitorando, tire o cabo fisicamente da placa de rede eth1 e veja que o ping continua na eth2. Agora faça ao contrário, coloque a eth1 de volta e retire o cabo da eth2, você estará vendo a alta-disponibilidade em ação.

Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. Objetivo / componentes / ambiente
   2. Preparação
   3. Configuração
   4. Preparando o ambiente e configurando DRBD
   6. Configurando Heartbeat
   7. Dicas finais
Outros artigos deste autor
Nenhum artigo encontrado.
Leitura recomendada

Manual de instalação e configuração do Zabbix no Fedora 8

Alterando a imagem do xsplash nos Ubuntu-like

Virtualização para servidores com VirtualBox

Diagnosticando problemas variados em ambientes GNU/Linux (parte 1)

Um pouco sobre otimização

  
Comentários
[1] Comentário enviado por demoncyber em 27/03/2009 - 13:31h

Ótimo artigo, já foi adicionado em favoritos =)

Parabéns!!!



[2] Comentário enviado por doomk em 27/03/2009 - 14:57h

Very Good!

Parabéns saraiva, tutorial muito bem explicado.

[3] Comentário enviado por jefers0n em 27/03/2009 - 19:43h

Muito interessante e bem explicado. Parabéns amigo.

Jeferson.

[4] Comentário enviado por junior em 28/03/2009 - 01:29h

Cara, que ARTIGO hein?!

Muito bem explicado e detalhado, só ficaria mais feliz ainda em ver um assim com Debian.
hehe

Abraço, e sucesso!

[5] Comentário enviado por loverbeck em 06/04/2009 - 19:35h

Beleza de Artigo heim Saraiva!
:)

falow cara abraço... ta na hora da pizza heim !!! hehehe

Fabiano

[6] Comentário enviado por rommelprata em 24/04/2009 - 23:01h

Parabens, eu fiz alguns ajustes para rodar em opensuse 11.1 , existem algumas modificacoes ja que o kernel e mais novo o Hearbeat e Drbd estao na versao 8, algumas ordens e formatacoes devem ser ajustadas, sds.
Rommel

[7] Comentário enviado por okudak em 02/06/2009 - 11:00h

Esse artigo funcionaria em um Servidor de Storage iSCSI... digo... 2 target iSCSI em Cluster?

[8] Comentário enviado por saraivadigital em 02/06/2009 - 13:41h

Opa, nunca testei como iSCSI.

[9] Comentário enviado por okudak em 02/06/2009 - 16:10h

Sim... mas a questão seria, como fazer o Heartbeat startar o serviço de target scsi...
Pois pelo entendi ele que starta o smb e o firebird...
Ele pode iniciar qualquer serviço, ou esses são parametros proprios do heartbeat?

[10] Comentário enviado por saraivadigital em 02/06/2009 - 16:56h

Bem o Teste que vc pode fazer é o seguinte la no haresource por ex: smb e firebird que contem na linha do haresource , o heartbeat processas os scripts que estão em /etc/ha.d/resource.d
ou em /etc/init.d
se o script que inicia o iScsi estiver em alguns desse locais e so colocar no nome do script no haresource.
Beleza!

[11] Comentário enviado por aldoarendt em 25/01/2010 - 22:23h

Em Primeiro Lugar quero te parabenizar pelo tuto, muito bem elavorado e explicado, preciso de uma maozinha estou usando o opensuse 11.1 e me da um erro (Starting DRBD resources: /etc/drbd.conf:9: Parse error: 'protocol | on | disk | net | syncer | startup | handlers' expected,
but got 'incon-degr-cmd' (TK 278)), sera que alguem ai poderia me dar uma maozinha

[12] Comentário enviado por rafaelcosta1984 em 17/12/2010 - 14:00h

Olá Saraiva,

Primeiramente gostaria de te parabenizar pelo excelente artigo. todos os passos estão bem documentados e de fácil leitura.

Eu implementei aqui essa solução mas fiquei com uma dúvida. A autenticação dos meus usuários do samba é feita através de uma base ldap. portanto como faço para que essa base de dados seja replicada também para o servidor que estiver com o serviço desabilitado.

Além disso, como faço para manter os arquivos de configuração do samba sincronizado automaticamente ?

obrigado


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts