A mágica Elive Topaz

Elive é uma distribuição Linux baseada na Debian GNU/Linux e com características gráficas bastante agradáveis, pois se não já bastasse ter como padrão a beleza do gerenciador de janelas Enlightenment, mais conhecido como e17, os seus desenvolvedores capricharam na customização.

[ Hits: 14.076 ]

Por: B.Mendes Prado em 23/04/2010


Introdução



Me sinto honrado pelo primeiro artigo aqui no VOL e, espero a compreensão dos demais membros e porque não dos leitores, por erros que eventualmente ocorram neste artigo.

Elive é uma distribuição Linux baseada na Debian GNU/Linux e com características gráficas bastante agradáveis, pois se não já bastasse ter como padrão a beleza do gerenciador de janelas Enlightenment, mais conhecido como e17, os seus desenvolvedores capricharam na customização, chegando a tal ponto de alguns usuários mais apaixonados vibrarem quando carregam as primeiras imagens da Elive no PC.

Deixando a emoção de lado, é bom citar que os seus desenvolvedores conseguiram atingir o ponto ideal de três coisas importantíssimas para o sucesso de uma distribuição Linux, ou seja, a leveza, a beleza e a quantidade de aplicativos e ferramentas necessárias para a tarefa diária do usuário, tudo isso sem poluir muito o ambiente gráfico.

A distribuição

Para conhecer mais detalhes da Elive acesse a homepage www.elivecd.org. O download da versão estável, ou seja a Topaz, é feito pelo os seguintes endereços:

ISO
http://elive.cmhacks.com/stable/elive_2.0_Topaz_new-kernel_up002.iso

TORRENT
http://linuxtracker.org/download.php?id=7e9687659ebb4ad45e3774622db6a809fc0b6e06&f=elive_2.0_Topaz_new-kernel_up001.torrent

A versão Elive Topaz 2.0 pode ser usada gratuitamente em live-cd. Para instalar no HD o usuário deve prestar uma pequena contribuição a comunidade, divulgando a Elive em sites mundo a fora, mas se o usuário não tiver tempo ou for daqueles um pouco preguiçoso, pode fazer uma doação para seus desenvolvedores de USD 15 que receberá o módulo para completar a instalação. Se o usuário não tiver tempo ou coragem e nem dinheiro, a Elive não vai privar você de conhecê-la, restando a opção de instalar uma outra versão não tão estável quanto a Topaz, como a Zeitgeist.

Módulo da instalação

O processo de gravação da imagem das principais distribuições Linux é bem simples, como também o seu uso como live-cd, por isso não vou me aprofundar e fazer um passo-a passo do assunto, apenas abordar aqui o tratamento do module-install, mas quem ainda tiver dificuldades existe um vasto conteúdo para pesquisa na internet sobre o assunto.

Depois de baixar e gravar a imagem iso, ao iniciar o CD aparece quase que instantaneamente uma tela de escolha do idioma, em seguida escolha a opção "Elive Normal Mode".
Escolha as opções para habilitar suporte ao sistema de arquivos NTFS (Full Enable NTFS with write support), em seguida "Install Elive", clique em aceitar, selecione "ic" quando perguntar a sua resolução, agora a parte que me impressionou, ela reconheceu o driver de vídeo e pergunta se quer instalar a versão mais recente "version nvidia-new", clique em aceitar, no meu caso a versão instalada foi a 185.18.36-2.

A Elive está carregada e pronta para ser usada em live-cd.
Para instalar no HD clique no botão da figura abaixo:
Selecione a opção 2, ou seja, "Modo fácil, apenas com algumas perguntas".
Ajuda extra na instalação pressione OK.
Cita a necessidade da doação e se o usuário não tiver condições existe outras alternativas, pressione "OK".
Na próxima aba o usuário pode escolher um particionador ou a opção de disco já particionado se o mesmo tiver particionado. Em seguida você escolhe a partição que deseja instalar a Elive.
Preste atenção nesta aba, se você já obteve o módulo através de doação ou ajudando na divulgação da Elive, escolha a opção 2. Eu já! Se não escolha "1. Obter o módulo" e você será redirecionado a homepage da Elive para fazê-la.
Com o módulo, o usuário indica a sua localização podendo completar a instalação.

Conclusão

Realmente a Elive é bem trabalhada e mostra ser robusta e estável. O kernel 2.6.30.9-elive-686 se mostra eficaz com aquela gama de hardware mais complexo.

Embora a maneira que seus desenvolvedores arranjaram para conseguir doações gere uma certa polêmica, é bom lembrar que ser livre não significa sempre ser gratuito, mas este é um assunto para ser discutido em uma outra ocasião e, também não tira o seu bom conceito de beleza, leveza e praticidade.

   

Páginas do artigo
   1. Introdução
Outros artigos deste autor
Nenhum artigo encontrado.
Leitura recomendada

Canivete Suíco VRlivrestúdio

Rastrear e recuperar seu PC ou notebook roubado

Tutorial Radio Web Livre = IceCast2 + Ices2 + FFMP3

Criação de DVDs com o videotrans

Instalando o DVD Decrypter no GNU/Linux

  
Comentários
[1] Comentário enviado por albfneto em 24/04/2010 - 00:50h

sim, o elive é uma bela distro. eu testei, e é muito leve, quase minimalista,

aleḿ disso é de excelente qualidade! um grande debian, é da Bélgica.

tem um outro artigo aqui no VOL, sobre uma versão anterior de Elive.

[2] Comentário enviado por Teixeira em 24/04/2010 - 16:16h

Esse sistema que eles arranjaram para distribuição não é lá muito representativo da ideologia do Open Source, embora ninguém os impeça de agir assim.
Legalmente eles não estão errados, mas no entanto seu software "QUASE livre" leva o usuáro a pensar em comércio puro e simples, pois a versão free é apenas um subset.
Outros desenvolvedores no mundo inteiro já conseguiram soluções bem mais elegantes, e comercializam abertamente suas distros completas, deixando livre o download e a instalação em HD.
Mesmo assim há fiéis usuários pagantes.
A distro em questão pode ser muito boa, mas sua forma de oferta ao público é indelicada.
A maioria das pessoas não gosta de declarar-se financeiramente desafortunada para poder ter direito a algumas migalhas de alguma coisa. (Há muito anos atrás, no municípo de Niterói era necessário pagar-se uma Taxa de Expediente para conseguir um "Atestado de Pobreza" para conseguir algumas isenções. Incrivel, porém verdadeiro).

E não me refiro somente ao Brasil.
Lá fora as pessoas preservam sua dignidade mesmo em pequeníssimas coisas.
- Por exemplo, o mercado português não aceita a comercialização de PEDAÇOS de pizza. Foi necessário elaborar um tamanho de uma pequena pizza inteira condizente com o apetite normal de uma pessoa na hora do lanche para que aquele mercado pudesse aceitar a idéia de comer pizza fora de casa. Fracionar, JAMAIS!
- Que ninguém tente exportar para o Japão alguma coisa em embalagens de 4 unidades.
3 ou 5 estarão bem, porém 4 é considerado um número azarento.

Seria preferível eles anunciarem que é uma versão COMERCIAL que custa "X" (US$ 15.00 ?) e que o live CD (cujo dowwload é gratuito) é uma amostra de suas funcionalidades.
EM SEGUIDA, apresentar as demais opções ( divulgação, evangelismo, caitituagem, ou contentar-se com um subset ) para que se possa instalar no HD.

Qualquer desenvolvedor aceita doações. E existem desenvolvedores "aqui bem perto de nós" que apreciariam muito receber aí uns R$ 15,00 ou R$ 20,00 de cada um que tenha instalado aquilo que eles produziram.

E é até estranho ser um produto belga, de um país onde o saudoso rei Balduíno andava ele mesmo de ònibus para ir trabalhar diariamente...


PS: Eles fizeram essa distro em cima da Debian, que tem licença GPL. Então, para poder cobrar, eles modificaram o instalador-padrão, que é proprietario, e que enseja essa cobrança mínima de qunze dólares.
Lendo as FAQ percebe-se que alguém já andou reclamando.
Mas pergunto eu: Se fizeram alguma modificação na Debian, não deveria tal modificação ser entregue ao público através da mesma licença GPL? Ou será que estou enganado?
NasFAQ eles vem com aquela conhecida história de que "free" não significa "gratis". Isso já sabemos. Mas se a Debian é entregue "gratis" or que uma modificação deve ser não-gratis?
Não será isso uma violação dos termos da GPL da Debian?

[3] Comentário enviado por Teixeira em 24/04/2010 - 16:17h

Quanto ao artigo em si, parabenizo ao colega Prado em especial pelo entusiasmo em apresentar essa distro. Precebe-se que ele gostou muito.

[4] Comentário enviado por nicolo em 25/04/2010 - 10:44h

Concordo com o Teixeira. Cobrar por algo reservado não é novidade no mundo open-source, mas esse algo seria melhor se contivesse algo mais substancial que um instalador para uma distro derivada do debian. As grandes da informática estão mantendo uma versão open e uma versão comercial onde reservam algo mais para os clientes que pagam, isso parece mais razoável. A coisa fica ainda mais estranha porque o Debian é a maior distro totalmente open-source e não administrada por empresa.

[5] Comentário enviado por leanderdulac em 25/04/2010 - 14:07h

O grande Carlos Morimoto e o líder do projeto DistroWatch são unânimes em admitir,que a primeira providência para fortalecer o Linux no mercado seria eliminar,coibir e eliminar a maioria das distro.O excesso de distro que aparecem com pompa e circunstância e logo depois desaparecem sem deixar saudade ou deixando os usuários com um mico instalado,deixou de ser um diferencial estratégico na época pré-mercado do Linux.Atualmente,quando temos distro fundamentadas e consolidadas,tais como:Ubuntu,Fedora,Mandriva e OpenSuse;chega ser uma perda de tempo todo esse esforço de se criar,lançar e conquistar corações,mentes e bolsos com distros que não acrescentarão verdadeiramente nada ao ecossistema de GNU/LINUX,aos usuários e ao mercado.
O mercado é que é a entidade que determina o sucesso e/ou fracasso de qualquer coisa.Não se pode negar isso.Porque Morimoto,que foi o precursor da distro mais bem sucedida no Brasil,O Kurumin,abandonou o projeto?Porque sendo ele um visionário,percebeu que o ciclo de vida de inovação para sua distro,já tinha se cumprindo.Com distro baseada em Debian temos centenas,mas qual podemos citar como a mais bem sucedida,somente Ubuntu.Então porque e para quê,demandar tanto esforço e atenção à distro obscuras e sem inovação?Temos que ser pragmáticos,se quisermos que o ideal do OpenSource,seja uma realidade de mercado.Os esforços precisam ser concentrados.Atualmente as grandes distro que citei a pouco,possuem valor de mercado na ordem de bilhões de dolares.O Fedora foi avaliado em U$6 bilhões.O Debian já foi cotado em U$60 bilhões.O Google vale um pouco mais que o dobro.Sendo omnipresente nas buscas e enquanto isso o Linux está instalado em menos de 1% das máquinas no mundo todo.
Portanto,concentrar esforços nas grandes distro é a senha para a conquista não somente ideológica como também de mercado do conceito OpenSource.Sigamos o exemplo de Morimoto,da IBM,da Oracle,da Novell e fortaleçamos as distros master(deb.,rpm)e vamos conquistar mercado.Deixemos esses esforços de criação de distro,para nossos laboratórios de informática,projetos finais e de ciências.

[6] Comentário enviado por eddymarley em 25/04/2010 - 19:15h

Boa noite a todos da comunidade.
Eu sou usuário do Elive Topaz, estou usando o sistema e achei ele bem interessante.
Ele é muito bonito e também funcionou direitinho no meu computador.

1 ponto:

Todas as distribuições que eu utilizei deram problemas com o driver nvidia. Ele funcionou de primeira.

2 ponto:

Pagar $ 15 dolares em forma de doação, foi algo que achei estranho no mundo linux. uso linux desde a época do slakware 3.0, e por ser debian algo que foge totalmente as licenças.

3 ponto:

Achei o ecomorph bem instavel. E não consegui fazer o conky funciona nele.

Acho que ele vale muito a pena só que $ 15 dolares é osso...

[7] Comentário enviado por Teixeira em 25/04/2010 - 22:30h

Além do que precisa-se de um cartão de crédito internacional (ou qualquer dispositivo semelhante) para mandar 15 dólares lá para fora.

Estou neste momento com um PC com uma motherboard fuleira com uma nvidia instalada, e todas as distros que experimentei a reconheceram sem problemas (todas em live-CD).
Estranhamente o OpenSUSE nesse ambiente ficou muito lerdo, apresentando portanto um comportamento completamente anormal, visto que já foi testado antes.

Aqui só ente nós, a turma do VOL, as torcidas do Flamengo e do Coríntians:
Pô. o pessoal da Debian teve TODO o trabalho, e vem uma turminha lá da Bélgica (os "Belgicanos", segundo um famoso jogdor de futebol), modifica um mero nstalador e COBRA por isso?

Tá, que 15 dólares é bem menos que o S.O. da Microsoft. Como dizem os alemães, "va bene!" (*).
Mas ficaria mais simpático que eles cobrassem US$ 150.00 por algo que ELES tivessem desenvolvido.

(*) - Alemães radicados na Itália desde os 6 meses de idade. rsrsrs

[8] Comentário enviado por psychokill3r em 26/04/2010 - 15:19h

bom como foi dito ai em cima ele esta baseado no debian.
e usa um repositório como o seu pai.
adicione deb us.repository.elive-systems.com lenny main elive drivers tests efl ports --> no arquivo /etc/apt/source.list.d/elive.list do seu lenny.
#aptitude update
e instale o que você achar interessante ou tudo se quiser.

[9] Comentário enviado por removido em 27/04/2010 - 00:08h

Ele parece ser muito bacana mais reparei que ele tem uma parte grafica que parece ser pesada, acho que tem que ter um bom hardware para rodar este Sistema Operacional.

[10] Comentário enviado por alyscom em 27/04/2010 - 17:18h

@psychokill3r, eu consigo instalar o ecomorph e manter meu sistema atualizado através desse repositório citado?
Utilizo o ubuntu com o ambiente enlightenment, porem só não tem "ainda" o ecomorph instalado! :p

[edit]: Teria como alguém disponibilizar o wallpaper(o das imagens acima!!) para download ou pelo menos dizer o nome dele para que eu possa tentar encontra-lo??

@ClaudemarMartins, aqui está consumindo cerca de uns 90mb de ram! :)


[]'s


Alyscom

[11] Comentário enviado por removido em 27/04/2010 - 17:48h

B.Mendes, parabéns pelo artigo, conciso e didático.
Aos usuários Debian/Ubuntu que desejarem utilizar o Enlightenment, basta adicionar um dos repositórios abaixo em sua sources.list:

## Debian.
## (GPG Key: sudo wget -q http://packages.enlightenment.org/repo.key -O- | sudo apt-key add - )
#deb http://packages.enlightenment.org/debian lenny main extras
#deb http://packages.enlightenment.org/debian squeeze main extras
#deb http://packages.enlightenment.org/debian sid main extras

## Ubuntu
## (GPG Key: sudo wget -q http://packages.enlightenment.org/repo.key -O- | sudo apt-key add - )
#deb http://packages.enlightenment.org/ubuntu jaunty main extras

[12] Comentário enviado por alyscom em 27/04/2010 - 21:59h

Aew, consegui oque queria! :)
Tá ai os repositórios corretos ↓↓↓
deb http://us.repository.elive-systems.com lenny main elive drivers tests efl ports multimedia games
deb http://us.debian.elive-systems.com lenny main contrib non-free

Só não consegui a gpg-key! :/


[]'s


Alyscom

[13] Comentário enviado por dbahiaz em 29/04/2010 - 00:25h

Gostei do artigo, já testei o ambiente e17, não achei ele muito estável mais é bonito sim.

Agora que me perdoe o Morimoto e o cara ai da Distrowacht, não concordo do mundo "Linux" girar em tornos das "GRANDES", se for pra ser assim, crie outro código fechado, reivente e pronto! As distro que nascerem e morrerem são consequências, ou será que o Debian, Fedora, Slackware, ubuntu etc... já nasceram grandes? Seria a mesma coisa de ter "apenas": Casas Bahia, Magazine Luiza e Ricardo Eletro pra gente comprar.

[14] Comentário enviado por edersonhonorato em 25/10/2010 - 18:04h

Gostei do artigo e da distro.

Pena que tem essa frescura de cobrar por algo que qualquer um pode fazer...
O suporte ao português do Brasil é um lixo(não estou exagerando), e o som de abertura de muito mal gosto, porém:

- É uma interface muito bonita e estilosa;
- Desktop extremamente leve(dizem que roda até num pentium 400 com 128MB de RAM. Sei não...);
- Bons aplicativos instalados com o sistema;

Gosto de distribuições focadas como esta porque poupa tempo instalando um debian puro e ter de ajustar o sistema/interface gráfica. Essa é a graça de distribuições desse tipo.

Mas não vejo motivo nenhum para pagar por isso...

[15] Comentário enviado por woitze em 04/08/2011 - 19:56h

Instalei o Elive no computador da minha esposa e tudo está funcionando bem. O único problema são os softwares desatualizados, pois os repositórios são baseados no Debian Lenny. Agora tenho uma pergunta: se eu pegar a sources.list do Squeeze (com os repositórios do e17) e mandar atualizar o sistema, quais os problemas que posso ter? Sim, eu poderia instalar o Debian, poderia por o Linux Mint Debian, poderia fazer muitas outras coisas, mas minha mulher gosta do Elive e eu não tenho tempo agora para fazer as instalações e configurar tudinho pra ficar parecendo o ELive... Queria só atualizar. Será que dá?

Um abraço!


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts