Trabalhando com JSON no terminal? O jq salva você!

Publicado por Leonardo Berbert Gomes em 10/07/2020

[ Hits: 841 ]

Blog: https://www.linkedin.com/in/leoberbert

 


Trabalhando com JSON no terminal? O jq salva você!



Para quem utiliza JSON, sabe que visualizar ele no terminal é algo bem cansativo. Nesta dica vamos aprender como tornar nossa vida mais fácil com o "jq".

Primeiramente será necessário realizar o download da versão para o nosso sistema operacional:
Em seguida vamos transferir o arquivo "jq-linux64" para nossa máquina, e em seguida vamos alterar o nome dele para ficar mais simples:

mv jq-linux64 jq

Abaixo temos um exemplo de um arquivo com JSON em uma única linha, neste caso trata-se de um json pequeno para exemplificarmos o uso, mas poderá ser utilizado para qualquer tamanho que ele trabalhará da mesma forma.

cat teste.resp
{ "name":"John", "age":30, "car":null }

Agora iremos realizar a leitura do arquivo de uma forma melhor, para isso utilizaremos o comando abaixo:

cat teste.resp | ./jq -r
{
  "name": "John",
  "age": 30,
  "car": null
}

Obs.: os dados apresentados acima já possuem um schema de cores que nos ajuda na visualização.

E quais são as demais opções em que posso utilizar esse cara? Basta acessar o "help" conforme mostrado abaixo:

./jq --help
jq - commandline JSON processor [version 1.6]

Usage:  ./jq [options] <jq filter> [file...]
        ./jq [options] --args <jq filter> [strings...]
        ./jq [options] --jsonargs <jq filter> [JSON_TEXTS...]

jq is a tool for processing JSON inputs, applying the given filter to
its JSON text inputs and producing the filter's results as JSON on
standard output.

The simplest filter is ., which copies jq's input to its output
unmodified (except for formatting, but note that IEEE754 is used
for number representation internally, with all that that implies).

For more advanced filters see the jq(1) manpage ("man jq")
and/or https://stedolan.github.io/jq

Example:

        $ echo '{"foo": 0}' | jq .
        {
                "foo": 0
        }

Some of the options include:
  -c               compact instead of pretty-printed output;
  -n               use `null` as the single input value;
  -e               set the exit status code based on the output;
  -s               read (slurp) all inputs into an array; apply filter to it;
  -r               output raw strings, not JSON texts;
  -R               read raw strings, not JSON texts;
  -C               colorize JSON;
  -M               monochrome (don't colorize JSON);
  -S               sort keys of objects on output;
  --tab            use tabs for indentation;
  --arg a v        set variable $a to value <v>;
  --argjson a v    set variable $a to JSON value <v>;
  --slurpfile a f  set variable $a to an array of JSON texts read from <f>;
  --rawfile a f    set variable $a to a string consisting of the contents of <f>;
  --args           remaining arguments are string arguments, not files;
  --jsonargs       remaining arguments are JSON arguments, not files;
  --               terminates argument processing;


Espero que essa dica seja útil.

[]'s leoberbert

Outras dicas deste autor

Extraindo informações do Oracle Database com logstash

Poderosa - Cliente SSH para Windows

K3D - Desenvolvimento Local com Kubernetes

Acessando Gmail pelo celular

Instalando VirtualBox + Vagrant no openSUSE Leap 15.2

Leitura recomendada

Como instalar temas no XFCE

Ubuntu remasterizado pelo Hamacker

Saiba a última versão estável do kernel na inicialização do Linux

Ovos de páscoa

Atualizar o Grub 2 (update-grub) no Fedora 16

  

Comentários
[1] Comentário enviado por mauricio123 em 10/07/2020 - 13:33h


pra mim pode ser util. boa dica.

___________________________________
Conhecimento não se Leva para o Túmulo.



Contribuir com comentário