Um olhar sobre o Portage Tools - Parte II

Na primeira parte deste artigo vimos alguns conceitos sobre as ferramentas que o Portage utiliza para trabalhar. Apresentei superficialmente o emerge e suas próprias ferramentas: ebuilds, atoms, set e tbz2. Pois bem, é hora de continuarmos nossa jornada por dentro do Portage Tools, através de seus arquivos de configuração.

[ Hits: 5.812 ]

Por: Luiz Santos em 24/03/2016 | Blog: https://www.vivaolinux.com.br/~luiztux


Portage - o coração do Gentoo



O Portage é escrito, parte em Python, parte em Bash Script. Isto quer dizer que para que o Portage e suas ferramentas possam trabalhar, é necessário termos algum interpretador do Python e do Bash no sistema. Assim como a maioria dos pacotes/softwares, não apenas do Gentoo, mas de todas as distros, o Portage também possui dependências necessárias. São apenas duas, porém, são definidas como Hard Dependency pois são de vital importância para o funcionamento desta ferramenta. Estas duas dependências são o Python e o Bash. As versões estáveis destes já vem no tarball do Portage para facilitar nossa vida.

Assim como todos os outros pacotes do Gentoo, o Portage também possui o seu próprio ebuild. Vamos dar uma olhada no conteúdo:

Fonte: packages.gentoo.org
Aqui podemos verificar a versão do EAPI (explicação nas próximas páginas sobre EAPI), compatibilidade entre as versões do Python, arquiteturas suportadas, USE flags etc.

Vejamos as versões estáveis do Python, no Gentoo:

Fonte: packages.gentoo.org
Das versões do Python listadas acima, temos o seguinte status:
  • Current stable - 2.7 e 3.4: ambas as versões do Python, estáveis atualmente, tem suporte para todas as implementações e são liberadas para todos os usuários por default.
  • Supported - 3.3: esta versão é suportada atualmente porém não está entre as versões para ser utilizada nas variáveis PYTHON_TARGETS e PYTHON_SINGLE_TARGETS. Além da versão 3.3 do Python, atualmente há suporte (supported) para a versão 3.5 também.

Apenas as versões 2.7 e 3.4 estão habilitadas por default para as variáveis PYTHON_TARGETS e PYTHON_SINGLE_TARGETS. Sendo que a versão 2.7 do Python é a menor requerida.

Além do código fonte e do ebuild, o Portage consiste em um aglomerado de arquivos que formam o todo, que ajudam a gerenciar o sistema, pacotes, compilações, dependências, preferências dos usuários etc. Incluso na configuração de cada arquivo, há variáveis de ambiente, constantes, diversas otimizações, entre tantas outras possibilidades.

A árvore de diretórios do Portage é definida da seguinte forma:
  • Categoria, como por exemplo: app-portage, www-client;
  • Categoria metadata, por exemplo: app-admin/metadata.xml
  • Diretórios de pacotes, por exemplo: sys-apps/busybox
  • Pacotes metadata, por exemplo: sys-apps/busybox/metadata.xml
  • Pacotes Manifest, por exemplo: sys-apps/busybox/Manifest
  • Ebuilds, por exemplo: app-eselect/eselect-ctags/eselect-awk-0.2.ebuild
  • Diretórios de arquivos de pacotes, ex: app-editors/vim/files
  • Pequenos pactches e outros arquivos, ex: app-editors/vim/files/vim-completion
  • Diretórios Eclasses, ex: eclass/
  • Diretórios de licensas, ex: licenses/
  • Diretórios de perfis, ex: profiles/
  • Vários arquivos de configuração e controle, ex: categories, info_pkgs, info_vars, package.mask, use.desc
  • Diretório de atualizações, ex: profiles/updates/
  • Arquivos de atualizações, ex: profiles/updates/1Q-2016
  • Perfil principal em cascata
  • Diretório de scripts, ex: scripts/
  • Diretório de Distfiles, ex: distfiles/
  • Diretório de pacotes, ex: packages/

Cada arquivo que veremos a seguir, constrói um ponto do Portage, mescla configurações etc. Vamos dar uma olhada nestes arquivos e em suas configurações.

Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Portage - o coração do Gentoo
   3. /usr/portage/profile
   4. Arquivos do diretório /usr/portage/profile
   5. Arquivos do diretório /usr/portage/profile - continuação
   6. /etc/portage/
   7. /etc/portage/ - continuação
   8. Finalizando
Outros artigos deste autor

Um olhar sobre o Portage-tools - Parte I

Um olhar sobre o Portage-Tools - Parte III

Leitura recomendada

Os dados indecifráveis e o software livre

Conhecendo o Slpkg (gerenciador de pacotes para Slackware)

Grub animado no Ubuntu? BURG nele!

VirtualBox no Arch Linux

Funcionamento da memória virtual

  
Comentários
[1] Comentário enviado por removido em 25/03/2016 - 01:28h

Dissecando o Portage.
Simples e direto.
Parabéns.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
http://24.media.tumblr.com/tumblr_m62bwpSi291qdlh1io1_250.gif

# apt-get purge systemd (não é prá digitar isso!)

Encryption works. Properly implemented strong crypto systems are one of the few things that you can rely on. Unfortunately, endpoint security is so terrifically weak that NSA can frequently find ways around it. — Edward Snowden

[2] Comentário enviado por spylinux em 26/03/2016 - 01:52h

Ótima sequência de artigos sobre o portage...mas ficou uma dúvida.
É citado "O Gentoo é um sistema rolling release robusto".

Mas por padrão, o Gentoo não é rolling release, correto? Pode-se transformá-lo em RR, assim como o Funtoo por padrão é rolling release, mas pode-se transformá-lo em Stable. Estou errado nesta informação?

Abraço
[]'s spylinux
Comunidade Manjaro Geek -www.manjaro-geek.org

[3] Comentário enviado por luiztux em 26/03/2016 - 16:31h


[2] Comentário enviado por spylinux em 26/03/2016 - 01:52h

Ótima sequência de artigos sobre o portage...mas ficou uma dúvida.
É citado "O Gentoo é um sistema rolling release robusto".

Mas por padrão, o Gentoo não é rolling release, correto? Pode-se transformá-lo em RR, assim como o Funtoo por padrão é rolling release, mas pode-se transformá-lo em Stable. Estou errado nesta informação?

Abraço
[]'s spylinux
Comunidade Manjaro Geek -www.manjaro-geek.org


Opa, e aí meu caro.

Primeiramente obrigado pelo apoio.

O Gentoo é, por padrão, uma distro Rolling Release, assim como seus derivados. Tanto é que não existe versão para o Gentoo, pois não existe um lançamento, assim como ocorre nas distros que não são Rolling Release. O fato, e isto é muito bom, é que todos os softwares são liberados após extensivos testes. Veja, o Gentoo serve pra qualquer coisa. Você pode instalá-lo num pager, se quiser. Por este e tantos outros motivos, os devs mantém esta preocupação em liberar apenas softwares que foram extensivamente testados. Sendo assim, por consequência, os mesmos são extremamente estáveis. Talvez aí haja esta pequena dúvida. O Gentoo é super estável, mas Rolling Release por padrão. Ok?

Grande abraço.

[4] Comentário enviado por luiztux em 26/03/2016 - 16:31h


[1] Comentário enviado por listeiro_037 em 25/03/2016 - 01:28h

Dissecando o Portage.
Simples e direto.
Parabéns.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
http://24.media.tumblr.com/tumblr_m62bwpSi291qdlh1io1_250.gif

# apt-get purge systemd (não é prá digitar isso!)

Encryption works. Properly implemented strong crypto systems are one of the few things that you can rely on. Unfortunately, endpoint security is so terrifically weak that NSA can frequently find ways around it. — Edward Snowden


Valeu meu caro..obrigado pelo apoio!

[5] Comentário enviado por GlauberAnjos em 02/04/2016 - 01:09h

Mais uma vez, meus parabéns pelo artigo, é de muito ajuda.

[6] Comentário enviado por albfneto em 06/04/2016 - 18:51h

Fantástica a segunda parte também. Muito bom tá isso! Favoritado!
lendo seus artigos, o leigo em gentoo e o iniciante podem ver...
eu sempre digo.... Portage "fala" com vc! Ele te diz o que está errado e o que fazer...
eu adoro Portage, é uma Obra-Prima de programação!

Muito legal do Gentoo é que ele fica duro como pedra, ou mole como geléia... grande com KDE, ou só con Flux, ou sem nada, pelado etc... Totalmente personalizável...
embora Rolling, se vc quiser, vc não atualiza, mantém versões antigas de coisas.... protege, desprotege... tira e coloca dependências etc...
se quiser, até coloca pacote muito instável, é só desmascarar...
Com gentoo, realmente, o Root pode tudo... tudo mesmo!

Porisso que gosto de Gentoo e Distros baseadas nele... é um tipo MUITO diferente de Linux...
¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
Albfneto,
Ribeirão Preto, S.P., Brasil.
Usuário Linux, Linux Counter: #479903.
Distros Favoritas: [i] Sabayon, Gentoo, OpenSUSE, Mageia e OpenMandriva[/i].


Contribuir com comentário