Guia do Desktop Redondo - Fedora 7

Artigo voltado aos recém chegados, O guia do desktop redondo para Fedora 7 mostra passo a passo a configuração e instalação dos principais aplicativos e devices para um desktop Linux rodando Fedora. Esse artigo é profundamente inspirado no fantástico "The perfect Desktop", do Falko, além do fabuloso "Linux Systems Administration" de Gregory R. Kriehn.

[ Hits: 34.170 ]

Por: Fernando Henrique em 02/10/2007


Introdução



Fedora Core 7 já está velhinho, estamos perto do lançamento do Fedora 8, mas mesmo assim a distribuição ainda vale a pena.

Objetivo

Esse guia não visa mostrar a superioridade do fedora sobre as outras distribuições, mas assim uma referência para quem tem curiosidade em trocar de distribuição (ou SO) mas não sente segurança.

Contexto histórico

Como toda boa distribuição Linux, o Fedora tem suas limitações (não acredite em distribuições aclamada perfeitas ou universais), essas limitações justificam a baixa popularidade da distribuição nos tempos atuais.

Em 94 surgiu o Red Hat Linux, a primeira distribuição Linux para não hackers, com uma instalação gráfica e automatizada, logo caiu no gosto de todos os 4 dos 5 usuários Linux na época :). Brincadeiras a parte, Red Hat foi muito popular no seu tempo, tanto que ao se referir ao Linux, revistas especializadas o colocavam como única opção. Com o tempo empresas passaram a ver o Linux com bons olhos, e a Red Hat como toda boa empresa especializou seu Linux para as workstations corporativas. A Red Hat sempre viveu da venda de serviços e suporte, e com essa grana bancou o desenvolvimento do kernel, GNOME, entre várias outras aplicações livres (alias, banca muita gente até hoje).

O problema nessa relação entre a empresa Red Hat e os desenvolvedores é que eles foram pagos para desenvolver sob o ponto de vista do produto que era entregue as empresas que contratavam a Red Hat. Isso significou que apesar do Kernel do Linux ganhar suporte a mais de 256 processadores e 64 GB de RAM, ele ainda não era capaz de tratar aplicações típicas de um desktop com o devido carinho (baixa latência por exemplo).

O tempo foi passando e várias distribuições derivadas do Red Hat ganharam o desktop doméstico (Mandrake, conectiva...), com uma inicialização menos burocrática, painéis de controle simplificados, e um sistema como um todo mais leve marcaram o início da decadência do Red Hat no desktop.

O usuário doméstico nunca foi o foco da Red Hat, e além de não ajudar em nada nos ganhos financeiros da empresa ainda podiam se tornar fonte de ações judiciais. Outro ponto negativo de suportar usuários domésticos ,é a constante demanda por novas versões da distribuição o que não acontece normalmente em empresas. As empresas preferem um ciclo de vida mais longo para seus sistemas operacionais. Só pra se ter uma idéia, o ciclo de vida médio do Red Hat era de 6 meses enquanto o do Debian girava em torno de 18 meses. Para uma empresa a substituição do SO de todo o parque a cada 6 meses gera um custo que eles não estão dispostos a pagar.

Baseado em todos os problemas que o usuário doméstico trazia aos seus negócios em 2003 a Red Hat abandonou os usuários domésticos do Red Hat passando a suportar oficialmente apenas o Red Hat Enterprise Linux. Para cuidar dos órfãos do Red Hat, a empresa criou uma espécie de fundação e banca sua infra estrutura, e essa fundação é quem coordena o desenvolvimento do fedora junto à comunidade.

Ou seja, o fedora é base para o desenvolvimento do Red Hat Enterprise Linux, alguns dizem que ele é seu beta. Ignore esses faladores com rancor no coração, o Fedora é estável, e ao mesmo tempo inclui em sua distribuição as versões mais recentes dos aplicativos. Enquanto normalmente nas distribuições os aplicativos só são upgradeados a cada ciclo, o fedora o faz entre um lançamento e outro. Ou seja, com o passar do tempo sua distribuição sempre estará atualizada com o que há de mais novo, no final do ciclo de vida de uma versão ela será muito parecida com a nova.

Pontos negativos e positivos da distro

Essa característica de ser uma distribuição atual, mas mesmo estável é o que faz com que o fedora ainda tenha alguns poucos usuários, como eu. Já o que afasta os novos usuários é a falta de uma boa campanha marketing, como a que a Novell-SuSE fez em 2004 mandando DVDs de instalação gratuitamente aos interessados ou mesmo como a do *buntu e sua ativa comunidade. Outro ponto negativo do fedora é a sua herança de desktop corporativo que entopem a sua instalação com serviços de rede pesados e inconvenientes que uma máquina doméstica jamais vai usar, o *buntu faz justamente o contrário, tirando tudo que não interessa ao desktop.

Seu sistema de pacotes rpm, na minha opinião, é o melhor do mercado, ele é super flexível permitindo a tradução das infos dos pacotes em inúmeras línguas, e a criação de pacotes multi-distribuições, srpms que permitem a refatoração do pacote com o mínimo de esforço etc... Outro ponto forte do fedora é o yum, um gerenciador de pacotes que corrige as dependências automaticamente, gerencia muito bem ambientes multi-arquitetura (apps 32 e 64 bits lado a lado sem chroots), entre outros recursos bem legais.

Um ponto controverso é o SElinux, que são modificações feitas no sistema para aumentar (e muito) a segurança máquina. Ele impõe restrições de acesso que nem mesmo o root pode burlar, o que é um inconveniente enorme as vezes, por isso vamos sempre ficar com o SElinux desligado durante esse artigo.

    Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Softwares necessários para um desktop redondo
   3. Notas sobre a instalação do sistema
   4. Atualizando o sistema e configurando repositórios
   5. Instalando alguns programas
   6. Concluindo
Outros artigos deste autor

Como fazer uma distribuição Linux (parte 1)

Como fazer uma distribuição Linux (parte 2)

Leitura recomendada

Instalando o driver de placas Nvidia no Fedora 11 Leonidas

Limitando banda com o CBQ

Certificação Eletrônica no Linux para PJe - Relato de minha experiência como advogado

Xen: Criando dom0 e domU no Fedora

Reduzindo problemas de atualizações no Debian, Ubuntu e derivados

  
Comentários
[1] Comentário enviado por pasisa em 02/10/2007 - 16:51h

Excelente artigo, Parabéns!

O Fedora é uma excelente distribuição. É seguro, estável, bem atualizado e organizado. A comunidade em torno desta distribuição trabalha seriamente para aperfeiçoá-lo a cada dia. O usuário Desktop e Server não se arrependerá em testar e usuá-lo.

[2] Comentário enviado por andersontm em 03/10/2007 - 14:02h

Uma dúvida, de todas as vezes que eu tentei instalar o Fedora 6 e 7, não consegui, acho que é por causa do meu HD sata, tentei num computador com placa ASUS e chip SiS, e num notebook HP/Compaq com chip nVIDIA, de todas que tentei essa foi a única que não consegui instalar, a não ser quando coloquei um HD IDE, aí consegui instalar o Fedora 6 no computador, se tiver alguma dica será bem vinda, enquanto espero sair o OpenSuse 10.3 eu deixaria ele numa partição que estou guardando para o OpenSuse!
Abs

[3] Comentário enviado por xsl4v3 em 03/10/2007 - 14:29h

Pode ser alguma pegadinha na BIOS, da uma fuçada

[4] Comentário enviado por removido em 04/10/2007 - 05:06h

Amigo,

Excelente artigo, você objetivo e direto na introdução ao mundo Red Hat e Fedora.

Atenciosamente,

Slackmaster ([email protected])

http://dangercode.blogspot.com

[5] Comentário enviado por smoisesr em 04/10/2007 - 19:57h

Ótimo artigo!

[]'s

[6] Comentário enviado por andre_asn em 09/12/2007 - 14:05h

Otimo artigo mas deu um problema quando tento intalar o real playr a pagina fica em branco nada aparece para eu baixar o programa

[7] Comentário enviado por xsl4v3 em 10/12/2007 - 11:59h

Parece ser um problema do site da Real, assim que eu encontrar um link válido posto aqui.

[8] Comentário enviado por andrezc em 30/01/2010 - 22:38h

Parabéns pelo artigo, ficou com uma explicação bem técnica sobre o Fedora.


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts