Reconstruindo o Gobolinux

1. Reconstruindo o Gobolinux

Ricardo Sabaliauskas
ricken

(usa Slackware)

Enviado em 18/06/2013 - 17:57h

Uma das distribuições que mais admiro é a Gobolinux, pelo fato de apresentar um sistema de arquivos (organização de diretórios) mais simplificado (na minha opnião, é o ideal para um desktop) e com a incrível possibilidade de instalar mais de uma versão de um mesmo programa (uma outra característica muito desejável ao meu ver). Sei que é possível converter uma outra distro qualquer, através do script 'Rootless' e duma instalação de um path no kernel para ocultar os diretórios excedentes, e tenho intenções de fazer isso futuramente. Agora estou começando coletar informações relacionadas a essas intenções e por isso gostaria saber sobre experiências relacionado ao 'Rootless' e a instalação desse patch. Também alguma experiência relacionada a alguma forma de reorganização do sistemas de arquivos (organização do diretório raiz).

http://www.gobolinux.org/index.php?page=doc/articles/gobohide

http://wiki.gobolinux.org/index.php?title=Rootless


  


2. chroot o modulos

Ricardo Sabaliauskas
ricken

(usa Slackware)

Enviado em 28/06/2013 - 12:22h

Se a intençao for rodar várias versões de um programa talvez isso possa ser conseguido com o chroot ou através do uso de módulos (os módulos no estilo de Slax). Alguém já fez isso e poderia colocar seu parecer, se possível.

http://developer.ubuntu.com/packaging/pt-br/html/chroots.html


3. Re: Reconstruindo o Gobolinux

Luís Fernando C. Cavalheiro
lcavalheiro

(usa Slackware)

Enviado em 28/06/2013 - 12:39h

ricken escreveu:

Se a intençao for rodar várias versões de um programa talvez isso possa ser conseguido com o chroot ou através do uso de módulos (os módulos no estilo de Slax). Alguém já fez isso e poderia colocar seu parecer, se possível.

http://developer.ubuntu.com/packaging/pt-br/html/chroots.html


Nem precisa de módulos. Para rodar diferentes versões do mesmo programa você pode:
1) Instalar as diferentes versões em diretórios diferentes e incluir esses diretórios no $PATH;
2) Instalar as diferentes versões com nomes diferentes

Nos dois casos, você precisaria compilar o source e saber alterar certos parâmetros de compilação, tipo o --prefix, e essas coisas. Boa sorte.


4. Re: Reconstruindo o Gobolinux

Ricardo Sabaliauskas
ricken

(usa Slackware)

Enviado em 28/06/2013 - 20:18h

@lcavalheiro,

na verdade isso eu já estou fazendo, ou melhor testando, visto que também penso em compilar tudo do zero, mas obrigadíssimo por ter respondido, essa boa disposição é exemplar. Compilar tudo, com --prefix=$X, é muito personalizável, mas por outro lado demora e pode quebrar a compatibilidade com pacotes pré-compilados --porque suas dependências não estarão no local ao qual eles foram compilados, e seria necessário fazer muitos linkamentos--. Tava pesquisando sobre o enjaulamento através do chroot+debootstrap e acredito que seria fácil fazer um sistema de arquivos paralelo aonde seria possível instalar um pacote de outra distro, ou de outra versão, e satisfazer toda as dependências necessárias. Acho que talvez o maior problema nisso é fazer um usuário normal executar este pacote alienígina, pois isso me parece que seria próprio somente do usuário root. Tá certo, eu sei, fazer isso poderia carregar bibliotecas semelhantes, etc, e compilar traria muito mais performance, mas seria mais para aquelas ocasiões em que você precisa de algo mais instantâneo.

No caso dos módulos semelhantes ao do Slax, quando executado ele fundi a árvore de diretórios do módulo, que pode conter programa e dependências, ao diretório root.

Na verdade todo esse meu interesse por esses sistemas de arquivos diferenciados para conter várias versões de um mesmo programa começou por causa de minha insistência de usar o KDE-3.5.10. Estou usando-o agora, com o Slack 13.37, mas mesmo assim estou curioso sobre o assunto.






Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts