Novas cópias do Google Chrome

1. Novas cópias do Google Chrome

Andre (pinduvoz)
pinduvoz

(usa Debian)

Enviado em 21/06/2020 - 01:57h

O novo Microsoft Edge é praticamente idêntico ao Google Chrome, o que leva a crer que ele também usa o código do Chromium, o projeto aberto que muitos linuxers conhecem há muitos anos. O código utilizado poderia até ser o da própria Google, obviamente com autorização dela, mas duvido que seja.

Recentemente conheci o CCleaner Browser, lançado pelo pessoal que produz softwares úteis para o Windows (o "limpador" CCleaner, o desfragmentador Defragler, além de um recuperador de arquivos e um utilitário que analisa o hardware). O CCleaner Browser também veio com "a cara" do Google Chrome/Chromium.

Por conta disso, fica a pergunta:

Será que o projeto Chromium e seu código aberto vão dar origem a uma família de navegadores que vai tomar 100% do mercado, matando os demais?

O que vocês acham?


  


2. Re: Novas cópias do Google Chrome

Arnold
Arnoold

(usa Solus)

Enviado em 21/06/2020 - 05:36h

Sim, todos esses navegadores tem base no Chromium.

O Google Chrome nada mais é que o Chromium com alguns codecs, plugins proprietários e serviços da Google integrados, incluindo telemetria. É similar ao AOSP vs Android [by Google].

De certa forma o Chromium já domina o mercado... Ele é o padrão. Os únicos navegadores de peso (ou melhor, com certa relevância) com outra base são Safari (limitado aos produtos da Apple) e o Firefox. O resto é tão pequeno, que nem faz diferença mencionar, nem aparecem nas pesquisas de mercado. A maioria dos navegadores hoje usam a base Chromium e o motor de layout blink.

Google Chrome, Chromium, Edge, Vivaldi, Opera, Brave, Yandex, Ungoogled Chromium, Iridium Browser, SRWare Iron, Slimjet, Dissenter = Todos baseados no Chromium

Se você for parar pra olhar, o Chromium já domina o mercado de maneira geral. O Google Chrome é o navegador mais usado que tem base nele.

Se olharmos os dados do StatCounter, de forma geral, em todas as plataformas, o navegador mais popular com 63.91% é o Google Chrome. A nível desktop, é de 68.33%. Isso sem contar nos outros navegadores, que usam a mesma base do Google Chrome, com certa relevância no mercado, que são o Edge e Opera, somado com o Chrome, dá 75.15%, sendo 9.4% para o Safari que tem engine própria, 8.91% para o Firefox, 3% para o IE (antigo).

Em relação ao Chromium e seus forks matar os demais, isso não vai acontecer, mas vai diminuir ainda mais, isso sim vai acontecer!

Sempre vai existir aquele navegador menos conhecido com outra engine e outra base. No Linux existem vários assim (muitos deles exclusivos do Linux). O que vai acontecer é que tais navegadores se tornarão sem relevância e nem irão aparecer na quota do mercado se a popularidade do Chromium continuar firme e forte. Propositalmente, a Google, com seu "Google Chrome" faz as páginas abrirem mais rápido em seus serviços, a exemplo do Youtube, de forma proposital e deixa os outros navegadores com outra base mais lentos, como o Firefox. A pouco tempo entrei num site gringo aí de notícias, que infelizmente não lembro o nome que mostrou uma janela dizendo, algo assim: "Largue o Firefox e use um navegador moderno e aí a logo para download do Chrome do lado. Nosso site funciona melhor com as """novas tecnologias""" e o navegador Google Chrome é o recomendado". Esse tipo de coisa me deixa um pouco incomodado, é como se usar outro navegador, com outra base, fosse sinônimo de "ir contra a modernização" ou ser "datado, preso ao passado". Certeza que a Google financia esse tipo de coisa.

Eu aqui faço parte dos quase 9% usando o Firefox e estou muito feliz. Acho muito ruim a monopolização do Google em diversas áreas.


3. Re: Novas cópias do Google Chrome

Mauricio Ferrari
mauricio123

(usa Slackware)

Enviado em 21/06/2020 - 13:39h


eu uso o google chrome e creio que a maioria dos usuários usem. muitos navegadores usando a mesma base, torna os navegadores compativeis entre si, o que faz os usuarios optarem por diversas alternativas de navegadores, mas cada um com seus diferenciais.

___________________________________
Conhecimento não se Leva para o Túmulo.


4. Re: Novas cópias do Google Chrome

Clodoaldo Santos
clodoaldops

(usa Linux Mint)

Enviado em 21/06/2020 - 14:50h

-eu comecei usar Google Chrome devido Netflix e não parei mais
-mas na maioria das vezes uso Firefox



5. Re: Novas cópias do Google Chrome

Arnold
Arnoold

(usa Solus)

Enviado em 21/06/2020 - 15:17h

clodoaldops escreveu:

-eu comecei usar Google Chrome devido Netflix e não parei mais
-mas na maioria das vezes uso Firefox

Uma pena que no Linux o Chrome não tem suporte a aceleração de hardware, Firefox também possuí suporte a DRM, logo não é exclusividade do Chrome o Netflix funcionar.


6. Re: Novas cópias do Google Chrome

Andre (pinduvoz)
pinduvoz

(usa Debian)

Enviado em 21/06/2020 - 19:48h


Arnoold escreveu:
Uma pena que no Linux o Chrome não tem suporte a aceleração de hardware, Firefox também possuí suporte a DRM, logo não é exclusividade do Chrome o Netflix funcionar.


Tem certeza?

Veja a imagem:






7. Re: Novas cópias do Google Chrome

Mauricio Ferrari
mauricio123

(usa Slackware)

Enviado em 21/06/2020 - 22:24h


pinduvoz escreveu:


Arnoold escreveu:
Uma pena que no Linux o Chrome não tem suporte a aceleração de hardware, Firefox também possuí suporte a DRM, logo não é exclusividade do Chrome o Netflix funcionar.


Tem certeza?



Sim. tem mesmo. E a menos que a placa não tenha suporte a aceleração de hardware, o que é um artigo de luxo hoje em dia, essa opção manda muito no navegador. Tanto que ela já vem ativada.

___________________________________
Conhecimento não se Leva para o Túmulo.


8. Re: Novas cópias do Google Chrome

Arnold
Arnoold

(usa Solus)

Enviado em 22/06/2020 - 07:53h

pinduvoz escreveu:


Arnoold escreveu:
Uma pena que no Linux o Chrome não tem suporte a aceleração de hardware, Firefox também possuí suporte a DRM, logo não é exclusividade do Chrome o Netflix funcionar.


Tem certeza?

Veja a imagem:


A opção existe, mas ela não funciona ativando-a. Só está lá como enfeite. Até existe um patch, mas não é oficial.
https://www.linuxbuzz.com.br/2018/10/google-nao-tem-planos-para-ativar-aceleracao-por-hardware-do-ch...



9. Re: Novas cópias do Google Chrome

Mauricio Ferrari
mauricio123

(usa Slackware)

Enviado em 22/06/2020 - 21:27h


Arnoold escreveu:

pinduvoz escreveu:


Arnoold escreveu:
Uma pena que no Linux o Chrome não tem suporte a aceleração de hardware, Firefox também possuí suporte a DRM, logo não é exclusividade do Chrome o Netflix funcionar.


Tem certeza?

Veja a imagem:


A opção existe, mas ela não funciona ativando-a. Só está lá como enfeite. Até existe um patch, mas não é oficial.
https://www.linuxbuzz.com.br/2018/10/google-nao-tem-planos-para-ativar-aceleracao-por-hardware-do-ch...


Não acredito. Eles colocaram uma opção para enganar o usuário e faze-lo pensar que a aceleração é suportada. Até acho que a opção existe por causa desse patch não oficial. Será que a versão para windows a história muda?

___________________________________
Conhecimento não se Leva para o Túmulo.


10. Re: Novas cópias do Google Chrome

niquelnausea
niquelnausea

(usa Arch Linux)

Enviado em 22/06/2020 - 22:14h

edge para windows esta crescendo e com motivo, desempenho. acredito que no linux acontecerá algo parecido.
por preferencia uso o firefox, mas já é inegável que atualmente o firefox é o que o opera foi no passado, uma alternativa. não me agrada esse domínio do chromium.


11. Re: Novas cópias do Google Chrome

Paulo Jr
Pebis

(usa Debian)

Enviado em 22/06/2020 - 23:01h

Arnoold escreveu:

pinduvoz escreveu:


Arnoold escreveu:
Uma pena que no Linux o Chrome não tem suporte a aceleração de hardware, Firefox também possuí suporte a DRM, logo não é exclusividade do Chrome o Netflix funcionar.


Tem certeza?

Veja a imagem:


A opção existe, mas ela não funciona ativando-a. Só está lá como enfeite. Até existe um patch, mas não é oficial.
https://www.linuxbuzz.com.br/2018/10/google-nao-tem-planos-para-ativar-aceleracao-por-hardware-do-ch...


Acho que funciona, hein! Estou com problema na placa de vídeo, ela queimou o controlador do cooler então ela aquece bastante mesmo eu tendo ligado o cooler direto. Se eu mantiver a aceleração de hardware ativa minha placa frita, até o ponto de desligar (110 graus). Desativando a aceleração a temperatura baixa consideravelmente, de 35 a 40 graus.


12. Re: Novas cópias do Google Chrome

Arnold
Arnoold

(usa Solus)

Enviado em 22/06/2020 - 23:07h

mauricio123 escreveu:
Não acredito. Eles colocaram uma opção para enganar o usuário e faze-lo pensar que a aceleração é suportada. Até acho que a opção existe por causa desse patch não oficial. Será que a versão para windows a história muda?

Sim, sim, no Windows e macOS funciona de boa. Eles não quiseram mesmo é implementar essa função no Linux. Então mesmo que você ative, é inútil.
Explicação:

O "flag" falso
O Chrome (e o Chromium, seu equivalente de código aberto) incluem uma opção oculta (conhecida como "flag") que supostamente permite que você "substitua a lista de renderização de software", ou seja, permite habilitar à força a decodificação de vídeo por hardware. Com isso, se você visitar chrome://gpu , e o flag estiver ativado, verá um texto com a seguinte legenda: "Video Decode: Hardware accelerated".

Mas não é bem assim. Acontece que, apesar do que o navegador diz, o flag não habilita a decodificação de vídeo acelerada por hardware. Se você ainda não acredita, assista a vídeos em HD do YouTube ou Vimeo no Chrome em sua distribuição Linux enquanto você monitora o uso da CPU por meio do aplicativo Monitor do Sistema.




01 02 03



Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts