Configurando Servidor Web Cherokee no Centos 6.3

Neste artigo, venho mostrar a vocês a configuração do servidor Web Cherokee, muito leve e rápido. Conta com um painel de administração que facilita toda a administração do mesmo. Excelente alternativa ao famoso Apache.

[ Hits: 20.931 ]

Por: Flavio Milan em 19/11/2012


Introdução



Falando em servidores Web, logo nos vem à cabeça o Apache, porém, temos outras grandes opções menos utilizadas, mas não menos importantes, como Lighttpd, Nginx e Cherokee. Pensando nisso, venho até vocês mostrar a configuração do Cherokee com MySQL e PHP.

Neste artigo não irei abordar a instalação do Centos, afinal existem vários artigos por aí que ensinam isso. ;D

Cherokee é um servidor Web leve e rápido, trabalha com tecnologias atuais e tem sua administração total em um painel chamado cherokee-admin, trabalha o PHP com FastCGI.

Vamos começar sua configuração.

IP de meu servidor: 192.168.1.101

Antes de iniciar sua configuração, devemos preparar o sistema.

Primeiro, desabilite o SELinux.

Abra o arquivo de configuração do SELinux:

# vim /etc/selinux/config

Altere a linha:
SELINUX=enforcing

Para:

SELINUX=disabled

Salve o documento e saia.

Execute o seguinte comando no terminal:

# setenforce 0

Feito isso, vamos para a configuração do MySQL e instalação do Cherokee.

Instalando o MySQL

Vamos instalar o MySQL. Execute no terminal:

# yum install mysql-server mysql-client

Após a instalação, vamos adicionar o MySQL para inicialização junto com o sistema:

# chkconfig mysqld -levels 235 on

Iniciamos o serviço:

# service mysqld start

Vamos configurar o MySQL:

# mysql_secure_installation

Pedindo a senha de root, simplesmente dê um ENTER, pois ainda não configuramos o usuário root. Será perguntado se deseja criar uma senha de root, digite Y e pressione ENTER.

Digite a senha de root e repita.

Em todas as perguntas, digite a opção Y e dê ENTER até receber a mensagem de que o MySQL foi configurado.

Instalando o Cherokee

Instale primeiramente o repositório EPEL:

# rpm -Uvh http://fedora.uib.no/epel/6/x86_64/epel-release-6-7.noarch.rpm

Instale o Cherokee:

# yum install Cherokee

Adicionamos a inicialização junto com o sistema e iniciamos o service:

# chkconfig cherokee -levels 235 on
# service cherokee start


Abra o navegador e digite o IP da máquina, no meu caso:

http://192.168.1.101

Você deverá ver a seguinte tela:
Caso visualize, está tudo OK. Caso não visualize, o IPtables está bloqueando seu acesso. Limpe as regras do IPtables digitando os seguintes comandos:

# iptables -F
# iptables -X


Agora veremos o grande diferencial do Cherokee, a configuração dele é simples e melhor ainda, conta com um painel de administração que pode ser acessado pelo seguinte comando:

# cherokee-admin -b -t

Você recebe a resposta:
Login:
User: admin
One-time Password: 1Kkcc58atG8DNIM7

Web Interface:
URL: http://localhost:9090/


Acesso o endereço ip + porta 9090:

http://192.168.1.101:9090

Digite o usuário e senha que foi fornecido pelo comando acima, você irá acessar o painel do Cherokee.

    Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Instalação e configuração do PHP
Outros artigos deste autor

Melhorando a segurança de servidores GNU/Linux (Parte 1)

Configuração de Servidor Web no FreeBSD 9

Leitura recomendada

EasyBCD - Corrigindo boot do Ubuntu 12.04 em HD USB no Sony VAIO

Modems no GNU/Linux

DNS no Slackware

MySQL + Apache + PHP + OCI8 + PHPMyAdmin no Ubuntu Server

ROX-Files: Ícones para gerenciadores de janelas que não suportam ícones

  
Comentários
[1] Comentário enviado por premoli em 19/11/2012 - 16:00h

Nota 10 pro artigo e pro cherokee!!

[2] Comentário enviado por flaviomilan em 19/11/2012 - 16:20h


[1] Comentário enviado por premoli em 19/11/2012 - 16:00h:

Nota 10 pro artigo e pro cherokee!!


Muito obrigado, esse é o tipo de apoio que nos motiva a escrever algo.

Simplesmente achei o Cherokee fantastico, você pode alem de tudo instalar aplicativos via painel, por exemplo phpmyadmin e o ruby on rails. Ambos podem ser instalados com poucos clicks, instale ele que eu tenho certeza que você tambem vai gostar.


Abração

[3] Comentário enviado por cromado em 19/11/2012 - 18:32h

Legal, mas para servidor Web é muito mais interessante deixar o SELinux e Firewall ativo. sem falar que dá um ar mais profissional para o artigo.

[4] Comentário enviado por flaviomilan em 19/11/2012 - 18:45h


[3] Comentário enviado por cromado em 19/11/2012 - 18:32h:

Legal, mas para servidor Web é muito mais interessante deixar o SELinux e Firewall ativo. sem falar que dá um ar mais profissional para o artigo.


Com certeza, não era minha inteção publicar sobre a segurança do servidor e sim a instalação de um servidor web, mais caso o pessoal queire eu posso criar um artigo sobre o processo de hardening e configuração do IPTables e SELinux.

Abraço

[5] Comentário enviado por cromado em 19/11/2012 - 19:00h


[4] Comentário enviado por flaviomilan em 19/11/2012 - 18:45h:


[3] Comentário enviado por cromado em 19/11/2012 - 18:32h:

Legal, mas para servidor Web é muito mais interessante deixar o SELinux e Firewall ativo. sem falar que dá um ar mais profissional para o artigo.

Com certeza, não era minha inteção publicar sobre a segurança do servidor e sim a instalação de um servidor web, mais caso o pessoal queire eu posso criar um artigo sobre o processo de hardening e configuração do IPTables e SELinux.

Abraço


A questão nem é segurança, escrever um artigo sobre isto, não é isto, não é tão complexo, são duas linhas super simples que você desativou. tá certo, é sua opção para o artigo. mas que torna o artigo pouco prático entende, se você deixar o SELinux e o Firewall ativo, o cara pode por em produção o que você escrever. mas é apenas uma sugestão entre deixar o artigo profissional ou apenas para estudo.

É isso aí, Congrats pelo artigo.



[6] Comentário enviado por R.S.P Andre em 19/11/2012 - 19:14h

Rapá, eu nem conhecia, mas depois do seu artigo despertei o interesse e instalei no meu servidor doméstico para fins de testes.
Gostei muito dele. a interface de administração é muito útil.
Meu servidor é GNU/Debian

Meus parabéns pelo artigo.


Nota 10.

[7] Comentário enviado por flaviomilan em 19/11/2012 - 19:44h


[5] Comentário enviado por cromado em 19/11/2012 - 19:00h:


[4] Comentário enviado por flaviomilan em 19/11/2012 - 18:45h:


[3] Comentário enviado por cromado em 19/11/2012 - 18:32h:

Legal, mas para servidor Web é muito mais interessante deixar o SELinux e Firewall ativo. sem falar que dá um ar mais profissional para o artigo.

Com certeza, não era minha inteção publicar sobre a segurança do servidor e sim a instalação de um servidor web, mais caso o pessoal queire eu posso criar um artigo sobre o processo de hardening e configuração do IPTables e SELinux.

Abraço

A questão nem é segurança, escrever um artigo sobre isto, não é isto, não é tão complexo, são duas linhas super simples que você desativou. tá certo, é sua opção para o artigo. mas que torna o artigo pouco prático entende, se você deixar o SELinux e o Firewall ativo, o cara pode por em produção o que você escrever. mas é apenas uma sugestão entre deixar o artigo profissional ou apenas para estudo.

É isso aí, Congrats pelo artigo.





Cara você falou uma grande verdade, e se alguém quiser colocar ele em produção, não tinha me atentado a isso, você tem muita razão pois se esse servidor for com essas configurações para produção ele está vulnerável, prestarei atenção nesse ponto nos próximos posts.

Valeu e Abraço

[8] Comentário enviado por flaviomilan em 19/11/2012 - 19:45h


[6] Comentário enviado por R.S.P Andre em 19/11/2012 - 19:14h:

Rapá, eu nem conhecia, mas depois do seu artigo despertei o interesse e instalei no meu servidor doméstico para fins de testes.
Gostei muito dele. a interface de administração é muito útil.
Meu servidor é GNU/Debian

Meus parabéns pelo artigo.


Nota 10.


Muito obrigado amigo, espero estar contribuindo

Estou a sua disposição.

Abraço

[9] Comentário enviado por gelinski em 07/01/2013 - 11:32h

Mas me diz uma coisa, para gerenciamento dos sites, continua na mesma como no Apache? Criação de Virtual Hosts, entre outros? Ou na interface do admin do Cherokee tem isso?

[10] Comentário enviado por flaviomilan em 07/01/2013 - 17:11h


[9] Comentário enviado por gelinski em 07/01/2013 - 11:32h:

Mas me diz uma coisa, para gerenciamento dos sites, continua na mesma como no Apache? Criação de Virtual Hosts, entre outros? Ou na interface do admin do Cherokee tem isso?


Boa tarde amigo,

Não, ele gerencia tudo isso tambem via painel, dentro do painel existe um menu chamado vServer e lá você faz todas essas configurações.


Duvidas estou a disposição.

Abraço

[11] Comentário enviado por removido em 26/05/2013 - 12:25h

muito bom o artigo cara! vou fazer uns testes na minha máquina, continue escrevendo para a comunidade! []'s


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts