Como converter sua partição de ext2 para ext3

Seu Linux foi instalado com o sistema de arquivos ext2 e agora você quer converter sua partição para ext3?
Este belo artigo de Antonio Claudio Sales Pinheiro aborda passo-a-passo este tipo de conversão.

[ Hits: 23.259 ]

Por: Fernando da Silva Santos em 01/08/2003


Introdução



Por Antonio Claudio Sales Pinheiro - [email protected]
* publicação autorizada pelo autor

Hoje o sistema de arquivos padrão na maioria das distribuições Linux ainda é o ext2. Este sistema de arquivos não é muito tolerante a falhas provocadas pelo desligamento incorreto do computador ou desmontagem incorreta do sistema de arquivos, além de ser extremamente lento no processo de verificação da integridade do sistema de arquivos após um dessas ocorrências.

O sistema de arquivos ext3 é uma evolução do ext2 (alguns não vêem dessa forma), na verdade é a adição do conceito de "journal" ao ext2, o que não quer dizer que o ext2 vai deixar de evoluir e sofrer melhoramentos, entretanto o ext3 tem apresentado algumas vantagens em relação ao seu antecessor e por isso tem ganhado muito espaço nas máquinas Linux que estão sendo instaladas ou atualizadas.

A principal vantagem do ext3 em relação ao ext2 é a adição do mecanismo de "journaling" que confere a ela mais robustez no tratamento de erros e maior facilidade e rapidez na recuperação do sistema de arquivos após uma parada inesperada.

Se o sistema de arquivos que você utiliza ainda é o ext2, mas você deseja mudar para o ext3, saiba que isso pode ser facilmente feito e nem mesmo é necessário desmontar o sistema de arquivos para realizar a mudança (não é preciso executar a conversão sobre a partição com o sistema de arquivos desmontado).

O que é preciso para alterar


Você vai precisar de uma versão do Kernel que já implemente o suporte ao sistema de arquivos ext3, que pode ser obtida em ftp://ftp.kernel.org/, como por exemplo a 2.4.18 ou superior.

Você também pode fazer isso utilizando um patch para a série 2.4 do Kernel que pode ser obtido em http://www.zip.com.au/~akpm/linux/ext3/, mas eu particularmente prefiro não fazer esta atualização utilizando o patch e sim uma versão recente do Kernel.

Você também vai precisar ter instalado o utilitário tune2fs que servirá para efetuarmos a conversão do sistema de arquivos, ele provavelmente estará instalado por padrão, mas se não estiver, instale-o utilizando o CD-ROM de sua distribuição Linux.

Opções do Kernel


Ao ser compilado o Kernel, deverão ser selecionadas as opções em:
  • File systems --->
    • "Ext3 journalling file system support"
    • e "JBD (ext3) debugging support"
que serão responsáveis pela habilitação do ext3.

Não vou cobrir aqui o processo de compilação do Kernel, pois existe muito material na internet sobre o assunto e mesmo porque não é o enfoque deste texto.

Colocando a mão na massa


1° - Faça a recompilação do Kernel habilitando o suporte ao sistema de arquivos ext3, escolhendo as opções mencionadas. Se essa fase do processo for um pouco traumática (as primeiras vezes podem ser) devido a erros no processo de compilação, não desanime, é uma excelente oportunidade para você aprender um pouco mais sobre o Linux.

2° - Se a compilação for concluída com sucesso você já pode fazer a conversão das partições para o sistema de arquivos ext3, para isso você vai utilizar o tune2fs da seguinte forma:

# tune2fs -j /dev/hdx

Onde /dev/hdx deverá ser substituído pela partição que está sendo convertida, é claro.

3° - Após ser efetivada a conversão, que é muito simples e rápida, deverá ser modificada a sua tabela de partições para informar ao Linux que as partições agora são ext3. Isso é feito alterando-se o arquivo /etc/fstab da seguinte forma (isto é apenas ilustrativo, vai depender de como você particionou o seu disco):

Provavelmente as partições estarão assim:

/dev/hdx / ext2 defaults 1 1

Deverão ficar desta forma:

/dev/hdx / ext3 defaults 1 1

4° - Você também poderá mudar os intervalos que o sistema de arquivos deverá ser checado pelo fsck desabilitando esta verificação, pois isso não é mais tão importante devido a maior segurança do ext3. Isso pode ser feito da seguinte forma:

# tune2fs -i 0 -c 0 /dev/hdx

5° - Agora é só reiniciar o computador que você estará com seu novo sistema de arquivos funcionando. Utilize o comando dmesg e verifique que nas mensagens de boot aparecerão informações sobre a montagem do sistema de arquivos como ext3, algo do tipo:

..............

EXT3-fs: mounted filesystem with ordered data mode.
VFS: Mounted root (ext3 filesystem) readonly.


..............

Isso é sinal que o seu Kernel está realmente dando suporte ao novo sistema de arquivos que você habilitou na compilação.

Conclusão


Com certeza é muito interessante a conversão do seu sistema de arquivos ext2 para o ext3, pois isso trará uma maior segurança aos seus dados devido ao mecanismo de "journaling" que este possui, garantindo maior capacidade de recomposição do seu sistema de arquivos após uma desmontagem anormal.

Além disso, o próprio processo de recuperação é extremamente rápido, não estando o usuário obrigado a aguardar intermináveis checagens de consistência de sistemas de arquivos, que dependendo do tamanho das partições pode ser realmente muito demorado.

Este pequeno roteiro não tem a menor pretensão de esgotar o assunto, nem tão pouco se aprofundas nos conceitos do que foi exposto aqui. A intenção é apenas nortear quem tem intenção de se aventurar na conversão do seu sistema de arquivos ext2 para ext3, servindo de guia básico para esta finalidade, espero que de alguma forma isto possa ser útil para alguém.

   

Páginas do artigo
   1. Introdução
Outros artigos deste autor

Problemas com o Squid

Configurando o Samba para compartilhamento por autenticação de usuários

Como configurar o Apache com PHP e SSL de um jeito mais seguro e sem complicações

Leitura recomendada

Instalando MariaDB no Debian e Ubuntu

Instalando o Windows depois do Linux

Acessando remotamente máquina Windows dentro de uma VPN através do Ubuntu

Configuração: Servidor de nomes slave com Bind9 no Debian 4.0

Convertendo o HP Pavilion dv2000 ao Ubuntu

  
Comentários
[1] Comentário enviado por brpemerson em 20/08/2006 - 12:29h

Gostei do artigo, directo, e funcional.

Se me permite, uma única recomendação: antes de fazer a conversão, faça BACKUP!
Principalmente se for um servidor de produção.
Do mais, excelente.

[2] Comentário enviado por mbprado em 28/03/2007 - 00:46h

Muito bom.
Simples, objetivo e claro.

[3] Comentário enviado por wesllay em 10/01/2011 - 11:18h

Este comando:
tune2fs -i 0 -c 0 /dev/hdx
Salvou meu dia, tenho um servidor de backup aqui, e estava pedindo a verificação força o que tava demorando um século p/ sair do 0% e graças a este comando o problema foi resolvido. Obrigado

[4] Comentário enviado por fabiovs em 15/02/2013 - 18:33h

Alguem pode me ajudar; gostaria de saber se se eu trocar o formato da partição eu perco os dados do hd?
se alguém puder me ajudar eu ficarei muito grato


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts