OcoMon 2.0RC6 no OpenSUSE 11.2 com PHP5 + MySQL5 + Apache2 com correção de acentuação

Instalação da ferramenta OcoMon no OpenSUSE 11.2 com MySQL5, PHP5 e Apache2 utilizando o YaST. Para correção dos problemas com acentuação foi utilizada a linha de comando mexendo em três arquivos: um do Ocomon, um do MySQL e outro do PHP5.

[ Hits: 21.388 ]

Por: Perfil removido em 17/06/2010


Introdução

Antes de instalar o OcoMon devemos atualizar o SUSE, instalar o Apache2, o PHP5 e depois o MySQL.

Recomendo usar o YaST para essas atualizações/instalações, as quais não vou me deter aqui. Mas se você é iniciante, recomendo marcar todas as opções para download no Apache2, PHP5 e MySQL. Isso deverá demorar, mas será melhor.

Após as instalações, fazer o download na página oficial do OcoMon. Na seção downloads, baixar a última versão: 2.0RC6 (ZIP ou TGZ), descompactar dentro da pasta /srv/www/htdocs (pasta do Apache2 no openSUSE 11.2) e renomear a pasta 'ocomon_2.0-RC6' para somente 'ocomon'.

Baixar o patch da mesma versão 2.0-RC6 (ZIP ou TGZ). Descompactar o patch, entrar na pasta 'ocomon_2.0-RC6-patch-01', entrar na pasta 'includes' e copiar o arquivo 'versao.php' e colar na pasta 'includes' do ocomon (em /srv/www/htdocs), substituindo o arquivo de mesmo nome que está ali.

Entrar na pasta 'ocomon' do patch, depois na pasta 'geral' e copiar o arquivo 'encerramento.php' e colar na pasta 'geral' da pasta 'ocomon' em /srv/www/htdocs.

Habilite os serviços do Apache2 e do MySQL entrando no YaST em System (Sistema) > System Services (Runlevel) - Serviços do sistema (nível de execução).

Daí você seleciona o serviço 'apache2' e clica em 'Enable' (Habilitar) e depois faz a mesma coisa com o 'mysql'. Depois 'OK' e 'OK' e 'OK' (Sim).

Ainda no YaST, vá em 'Security and users' (Segurança e usuários) > Firewall > Allowed Services (Serviços permitidos) e em 'Service to Allow' (Serviço a permitir) você seleciona HTTP Server (HTTP) e adiciona, depois HTTPS Server (HTTPS) e adiciona também. Depois clica em 'Next' (Próximo) e depois em 'Finish' (Concluir). Isso fará com que o Ocomon seja visto na rede.

Como aqui eu tenho uma máquina só para o Ocomon na rede interna e três outros servidores que fazem o controle externo, deixei os serviços habilitados para a 'Rede Externa' no Firewall da máquina do Ocomon. Se a sua máquina com o Ocomon será acessada pela Internet, recomendo configurar melhor o Firewall por questões de segurança.

Agora abra o terminal e vamos importar o script diretamente pelo MySQL (linha de comando):

# mysql -u root -p < /srv/www/htdocs/ocomon/install/2.0RC6/DB_OCOMON_2.0RC6_FULL.SQL

Se pedir senha, simplesmente tecle 'Enter'. Esse comando irá criar um banco de dados chamado 'ocomon_rc6'.

Ainda no terminal vamos acertar os arquivos de configuração:

# cd /srv/www/htdocs/ocomon/includes
# cp config.inc.php-dist config.inc.php


Abra o arquivo:

# vim config.inc.php

Na linha 10, coloque o usuário do seu DB (eu usei 'root'):

define ( "SQL_USER", "root");

A linha 13 deixei assim:

define ( "SQL_PASSWD", ""); //Se for acessar pela internet, coloque senha.

A linha 37 deixei assim:

define ( "LANGUAGE", "../../includes/languages/pt_BR.php");

Salve e saia do arquivo.

Entre na pasta 'ocomon' (em /srv/www/htdocs) e exclua a pasta 'install'.

Abra o navegador e digite:

http://ip_do_servidor/ocomon

Usuário: admin
Senha: admin

As páginas provavelmente estarão com caracteres estranhos no lugar do 'ç' e das acentuações. Isso se deve porquê o MySQL é criado por padrão com 'encoding' utf8.

No meu caso, como o Ocomon tem um servidor só para ele, resolvi mudar três arquivos: um do Ocomon, outro do MySQL e outro do PHP5. Se você tem outras aplicações rodando no seu servidor web, recomendo deixar o MySQL com utf8 e passar as aplicações que são 'latin1' ou 'ISO-8859-1' para utf8.

Vamos lá! Abra o terminal e comande:

# cd /srv/www/htdocs/ocomon/includes/classes
# vim conecta.class.php


Acrescente um cabeçalho na primeira linha, com o seguinte (acima de '<?php'):

<head>
<meta http-equiv="Content-Type" content="text/html; charset=ISO-8859-1>
</head>

Procure a linha 57:

$this->db=mysql_select_db(SQL_DB,$this->con);

e logo após acrescente essas duas linhas:

mysql_query("SET NAMES latin1");
mysql_query("SET CHARACTER_SET latin1");

Salve e saia do arquivo.

Agora vamos alterar o arquivo de configuração do MySQL, mas antes vamos verificar qual codificação está setada. No terminal digite:

# mysql
mysql> status

Procure as linhas abaixo que deverão estar assim:

Server characterset:    latin1
Db     characterset:    latin1
Client characterset:    latin1
Conn.  characterset:    latin1

Caso estejam diferentes devemos fazer o seguinte:

mysql> quit
# cd /etc
# vim my.cnf


Após as linhas 39, 143, 149 e 164 desse arquivo acrescente a seguinte linha:

default-character-set=latin1

Salve e saia. Reinicie o MySQL:

# rcmysql restart

Verifique de novo:

# mysql
mysql> status

Nas quatros linhas acima citadas deverá estar setado como: latin1

Para o PHP5, faça o seguinte no terminal:

# cd /etc/php5/apache2
# vim php.ini


Procure a linha 772 e descomente ela deletando o ';'. O bloco deverá ficar assim:

; PHP's default character set is set to empty.
; http://php.net/default-charset
default_charset = "iso-8859-1" ;se não tiver esta linha é só digitá-la.

Salve e saia. Reinicie o Apache2 e o MySQL:

# rcapache2 graceful
# rcmysql restart


Abra o navegador, entre no Ocomon e tudo deverá estar correto.

   

Páginas do artigo
   1. Introdução
Outros artigos deste autor

Formatação de linhas e colunas da planilha do OpenOffice

Instalando discador "vppp" para terminais leves

Que tal conhecer mais o Linux pondo a mão na massa? Conheça o Woo Hoo, projeto para uma nova distro

Novidades do Kernel 2.6.35

Criando uma aplicação que mostra os processos em execução

Leitura recomendada

Introdução ao MySQL

Gerenciando banco de dados com MySQL (parte 2)

Configurando Apache + MySQL + PHP no Slackware

Administrando bancos MySQL com phpMyAdmin

MySQL Workbench no Slackware 14.0

Comentários
[1] Comentário enviado por Lisandro em 17/06/2010 - 09:54h

Ah! Agora lendo a págian do Ocomon pude saber do que se tratava...

[2] Comentário enviado por hideoux em 18/06/2010 - 21:00h

pois é...

vão nos chamar de preguiçosos...
mas um artigo que não explica do que se trata o o software...

[3] Comentário enviado por paulorvojr em 18/06/2010 - 21:54h

Bom artigo! parabens !!! bela contribuição para aqueles que aindanão o conhecem ou precisam de uma solução boa

ja uso o ocomon a 4 anos, desde as versões 1.0 rc1 rsrsrs

porém, corrigir acentuação não é um problema, e sim os charset das tabelas, isso se corrige apenas quando se importa as querys, .sql colocando ao inves de utf8 para latin1, ou outros.

em alguns linux meio "brasileiros" nem o padrão utf8 é usado, ja cai logo pra swedish_c1 ou latin 1.

quem desejar testar, sejam bem vindos:

http://www.helpdesk.paulojr.info

Bom a pedidos, segue abaixo o que é o ocomon(breve) e as principais funcionalidades.

O Ocomon surgiu em Março de 2002 como projeto pessoal do programador Franque Custódio, tendo como características iniciais o cadastro, acompanhamento, controle e consulta de ocorrências de suporte e tendo como primeiro usuário o Centro Universitário La Salle (UNILASALLE).

Hoje é possível responder questões como:

* volume de chamados por período;
* tempo médio de resposta e solução para os chamados;
* percentual de chamados atendidos e resolvidos dentro do SLA;
* tempo dos chamados decomposto em cada status de atendimento;
* usuários mais ativos;
* principais problemas;
* reincidência de chamados por equipamento;
* estado real do parque de equipamentos;
* como e onde estão distribuídos os equipamentos;
* vencimento das garantias dos equipamentos;
além de uma série outras questões pertinentes à gerência pró-ativa do setor de suporte.

Principais funções do módulo de ocorrências:

* abertura de chamados de suporte por área de competência;
* vínculo do chamado com a etiqueta de patrimônio do equipamento;
* busca rápida de informações referentes ao equipamento (configuração, localização, histórico de chamados, garantia..) no momento da abertura do chamado;
* envio automático de e-mail para as áreas de competência;
* acompanhamento do andamento do processo de atendimento das ocorrências;
* encerramento das ocorrências;
* controle de horas válidas;
* definições de níveis de prioridades para os setores da empresa;
* gerenciamento de tempo de resposta baseado nas definições de prioridades dos setores;
* gerenciamento de tempo de solução baseado nas definições de categorias de problemas;
* controle de dependências para o andamento do chamado;
* base de conhecimento;
* consultas personalizadas;
* relatórios gerenciais;
* controle de SLAs;


[4] Comentário enviado por removido em 21/06/2010 - 16:46h

Realmente, faltou uma breve introdução sobre o OcoMon em si.
Mas o paulorvojr colocou aí em cima a introdução do próprio OcoMon. Obrigado.
E obrigado também ao vivaolunix por ter dado uma melhorada no 'layout' do artigo.

[5] Comentário enviado por flaviof em 18/08/2010 - 11:29h

Perfeito o tutorial da acentuação.
Adicionei isso e funcionou legal.

Salvou o dia!! :)

[6] Comentário enviado por removido em 18/08/2010 - 22:08h

É bom saber que ajudou.
Obrigado.


Contribuir com comentário