Entendendo validações e operações aritméticas com Javascript

Nesse tutorial abordo alguns temas da linguagem Javascript, tais como: variáveis, operadores, caixas de diálogo, comando de impressão, funções, eventos e conversão de tipos.

[ Hits: 22.794 ]

Por: jose claudio em 04/08/2010


Entendendo Javascript



Segundo Miguel Angel Alves (http://www.criarweb.com/artigos/156.php):

"Javascript é uma linguagem de programação utilizada para criar pequenos programinhas encarregados de realizar ações dentro do âmbito de uma página web. Com Javascript podemos criar efeitos especiais nas páginas e definir interatividades com o usuário. O navegador do cliente é o encarregado de interpretar as instruções Javascript e executá-las para realizar estes efeitos e interatividades, de modo que o maior recurso, e talvez o único, com que conta esta linguagem é o próprio navegador."


Complementando o que o Miguel disse, considero ser aconselhável utilizar Javascript somente em campos ou ações que não comprometam a aplicação. Quando tratamos de campos mais especiais, como dados bancários, CPF e outros, aconselho tratar também na linguagem de programação, para evitar que o espertinho desabilite o Javascript do navegador e burle o seu sistema.

Funcionalidade do Javascript:
  • Linguagem integrada ao navegador.
  • Usa o chamado "modelo de execução controlado por eventos", ou seja, o código Javascript só é executado quando o evento ao qual está associado é acionado, mas em alguns casos, podemos inserir o código sem a associação a eventos e o mesmo é executado conforme o navegador interpreta a página.
  • Processamento do lado cliente, no navegador.
  • É uma linguagem interpretada, diferente de outras linguagens que fazem o processo de compilação antes de executar o programa, como por exemplo a linguagem Java.

Existe uma grande diferença entre Java e Javascript.

Javascript:
  • Interpretada;
  • Variáveis não declaradas;
  • Não é orientada a objetos, embora possamos "simular" algo neste sentido;
  • Utilizada em páginas Web;
  • Grava apenas arquivos de cookies e consegue ler arquivos no formato XML.

Java:
  • Compilada
  • Variáveis declaradas
  • 100% orientada a objetos
  • Pode ser utilizada em: aplicativos desktop, aplicativos distribuídos (que envolve conexões em rede), aplicativos mobile, aplicativos web, aplicativos para TV, entre outros...
  • Criação e/ou manipulação: arquivos, banco de dados.

O que podemos fazer com Javascript deve ser sua pergunta.
  • Podemos adicionar interatividade ao HTML
  • Fazer algumas animações
  • Validar formulários antes do envio
  • Manipular arquivos XML
  • Identificar o navegador e com isso executar determinados scripts
  • Criação de menus com submenus

Essas são algumas das várias opções que tornam as páginas desenvolvidas em HTML mais interativas, dinâmicas.

Vamos entender como inserir um código Javascript na página ou em um arquivo externo com extensão JS. Podemos inserir nossos códigos Javascript das seguintes formas:
  • Dentro do corpo da página <body>....</body>
  • Dentro do cabeçalho <head>....</head>
  • Dentro de um marcador html
  • Em um arquivo separado do html, este arquivo deve ter a extensão .js

Javascript dentro do body e head:

Se fizermos uma comparação com CSS, esse modo de inserir Javascript em uma página seria o modo incorporado.

Dentro do body ou do head, utilizamos a tag <script>. Ex.:

<html>
<head>
<title>Exemplo JavaScript</title>
<script language="javascript">
alert("Eu estou no cabeçalho.");
</script>
</head>

<body>
<script language="javascript">
document.write("Eu estou no corpo do documento.");
</script>
</body>
</html>

Javascript em uma tag:

Quando inserimos um código Javascript em uma tag, este é associado a um evento, os eventos serão vistos mais adiante, por enquanto faremos um exemplo simples com o evento onclick que é acionado quando o usuário clica no elemento.

Ex.:

<html>
<head>
<title>Exemplo JavaScript</title>
</head>
<body>

<input type="button" value="Clique aqui" onclick="window.status='Teste de javascript...'">
</body>
</html>

Arquivo Javascript:

Assim como em CSS, também podemos criar um arquivo separado do html com nossos códigos em Javascript, esse arquivo deve ser salvo com a extensão .js e é chamado no cabeçalho da página com a tag <script>. Ex.:

<html>
<head>
<title>Exemplo JavaScript</title>
<script language="javascript" src="ex1.js"></script>
</head>
<body>

Abaixo um exemplo de arquivo JS, lembrando que o arquivo JS deve estar no mesmo diretório que o arquivo do arquivo que chama o JS.

ex1.js:

alert("Estou em um arquivo .js");

    Próxima página

Páginas do artigo
   1. Entendendo Javascript
   2. Variáveis e operadores
   3. Caixas de diálogo e comando de impressão
   4. Funções, eventos e conversão de tipos
Outros artigos deste autor
Nenhum artigo encontrado.
Leitura recomendada

Extensões imperdíveis para quem usa o Git (e o GitHub) no Brackets

AJAX - Parte 1

CSS - Manual de Estilo (parte 2)

Introdução ao Jython

JavaScript - Programação orientada a objetos

  
Comentários
[1] Comentário enviado por psfdeveloper em 25/08/2010 - 12:44h

Caro José,

eu programo há bastante tempo em Javascript e vi a evolução recente da linguagem, de uma ferramenta para pequenos programas web, para uma linguagem completa de programação utilizada em grandes projetos (Como o navegador Firefox, implementado em javascript e C++ sobre uma API imensa baseada no Gecko e em uma linguagem de interface gráfica chamada XUL (ver https://developer.mozilla.org/en-US/).

O Google levou o Javascript para um novo patamar, ao programar aplicativos como o GMail e o Google Docs em HTML e Javascript. Esses sistemas são longe de serem pequenos ou simples scripts.

O Javascript pode ser utilizado para fazer aplicativos stand-alone (usando o XULRunner, o SpiderMonkey/TraceMonkey ou o Rhino, o Javascript desenvolvido sobre a plataforma Java).

Mas nada disso tira o mérito de sua explicação, principalmente quanto à comparação com a linguagem Java, cuja proposta é completamente diferente.

A única coisa que eu possa, realmente, discordar é que Javascript "simule" programação orientada a Objetos. Uma linguagem Orientada a Objetos não é apenas uma que tenha uma palavra reservada "class", como o Java ou o C++, mas uma que possua ferramentas necessárias para a programação orientada a objetos. Quando você diz que o Javascript não é orientada a objetos, é porque o Javascript é uma linguagem que não força utilização de determinado paradigma de programação.

Javascript é considerada Orientada a Objetos em sentido estrito e suporta totalmente o OOP através do conceito de "protótipos", como pode ser visto no link http://en.wikipedia.org/wiki/Prototype-based . Além disso, Javascript possui poderosas capacidades dinâmicas que podem classificá-la como uma linguagem funcional, par a par com o Lisp.

Infelizmente, os maiores usuários de JavaScript são designers que possuem conhecimento restrito de programação adequado ao trabalho deles, que é fazer design, não programar. Acho que a internet seria muito melhor se mais programadores se aproximassem do JavaScript ou se mais Designers se tornassem programadores efetivamente.

Parabéns pelo seu artigo.


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts