Convertendo novos usuários ao Linux

Uma pequena introdução que pode ser válida na pregação do GNU/Linux a toda criatura.

[ Hits: 10.596 ]

Por: Perfil removido em 14/09/2011


Minha conversão



Bem, parece que falar de futebol, religião, política e sistema operacional é um trem bem complicado... Mas enfim, deixemos os quatro primeiros de fora, pois focaremos a coisa toda no nosso SO preferido, o Linux.

Posso dizer por experiência própria que jamais teria vindo para o mundo Linux se a Microsoft tivesse um produto 100% decente a um preço decente. À época, eu usava um desktop AMD 5x86 133MHz, com 32MB de RAM, HD de 2.1GB, CDROM, floppy, aquela belezura, rodando win95b e depois win98 (tudo pirata, claro).

Pois bem, eu cansei de ver meus trabalhos irem por água abaixo porque o Windows travou, deu tela azul etc e um belo dia, olhando uma banca de revistas, vi uma que tinha um CDROM do Conectiva Red Hat Linux Marumbi 2.0. Olhei praquilo, li a chamada da revista e pensei: uai, se esse trem roda no PC estilo DOS, vamos testar...

Comprei a revista (isso foi em 1998 ou 99), instalei e fiquei encantado. Tudo era esquisito e mágico... Não entendia uma vírgula de nada daquilo tudo. Existia uma tela parecida com o win95 (fvwm95, se não me engano), menus, um tal de xfm que parecia o winfile do win3.11, um terminal estilo DOS... e uma série de comandos novos e estranhos. E termos como compilar kernel, módulos, /dev/, xf86config etc.

Daí para comprar tudo que via que falasse "LINUX" foi um pulo e acabei descobrindo novos horizontes, chamados BeOS, OpenBSD, FreeBSD, QNX, Solaris... Todos muito bons e com muito mais pontos positivos que negativos. Mas optei ficar no Linux, e daí vi que o buraco era mais embaixo para o bem e para o mal.

Do Conectiva inicial, experimentei o Red Hat 5.2 e fiquei encantado com o StarOffice (era horrível para rodar no meu PC velho... e eu era um universitário duro que ganhava uma grana consertando PCs...), daí passei por Debian, Slackware (fiquei muitos anos nesta), SUSE, Conectiva, Mandrake, tomsrtbt, e, por fim, Puppy, DSL, Slax, Vector, Ubuntu, Zenwalk, Kurumin, Knoppix, e outras menos conhecidas, cujos nomes não dou conta de lembrar... Acho que já testei praticamente todas as distros mais famosas e outras nem tanto.

Hoje, estacionei no Ubuntu e tenho o Vector em outra partição. Mas Ubuntu se tornou meu desktop padrão, apesar de eu ter sentido aversão a ele em primeiro momento.

Muita coisa mudou desde que comecei a usar o Linux e ainda bem que para melhor. As coisas estão mais fáceis, mais e mais pessoas estão dispostas (até porque mais gente se converteu ao Linux nesse período) a programar utilitários para simplificar a configuração a ponto de o Linux estar adiante de todos os outros SOs muitos anos (por favor, nada de flames, ok?).

Vou dar como exemplo a configuração de uma impressora HP D1560 no Windows XP. Outro dia, estava na Câmara Municipal de (...) (por questão de ética, não direi o Município) e o pessoal do gabinete do vereador estava penando com a sobredita máquina. Bem, como eu estava lá aguardando a referida autoridade, dispus-me a ajudá-los. Resumo da ópera: foi necessário baixar um pacote de drivers de cerca de 50MB, bem como precisei buscar em um site russo um pacote .cab do Windows 2000 (não me pergunte nada sobre licenças!) pois o tal driver simplesmente não instalava sem o tal .cab...

Em outra ocasião, numa Secretaria de Governo, do mesmo Município, deparei-me com um PC cujo HD estava morto e eram apenas 3 máquinas para cerca de 8 pessoas usarem. E esta estava moribunda. A salvação veio na forma de um cdrom do Kurumin NG, o qual está la ate hoje. Detalhe: nesta secretaria há uma impressora igual à da Câmara; e o Kurumin simplesmente a autoconfigurou. O HD até hoje, para vergonha, não foi instalado, mas o pessoal está trabalhando e muito bem, com o LiveCD no drive.

Esta estória, longa, serve somente para mostrar a versatilidade do Linux diante de outros SOs e adiante falaremos um pouco mais disso.

    Próxima página

Páginas do artigo
   1. Minha conversão
   2. A aproximação
Outros artigos deste autor

Mais formatação especial no OpenOffice

Recuperando senhas de e-mails esquecidas usadas no Claws-Mail

Instalação e configuração do gdesklets no Slackware 10

Microcode - Como atualizar o firmware do processador

Faça backup do MySQL e envie para seu e-mail

Leitura recomendada

Fundamentos do sistema Linux: discos e partições

Desmistificando o Software Livre

Manjaro Linux - Treze motivos para desfrutar da simplicidade

A distribuição Slackware Linux

Ubuntu no Samsung Chromebook com processador ARM

  
Comentários
[1] Comentário enviado por renatotec em 14/09/2011 - 14:11h

Meu único argumento para utilizar Linux é a liberdade! Uso gratuitamente, faço o que eu quero e onde eu quero! E no momento, tirando os jogos, não há nada que um usuário Windows faça que eu não posso fazer no meu Fedora! Mas pra jogos eu tenho o meu Playstation 3...

[2] Comentário enviado por Teixeira em 14/09/2011 - 18:23h

O problema do Moisés é o seguinte:

Se a mágica funcionar o povo fará OOH!...
Mas quando não funciona o povo cobra.
E nessa época o Moisés ainda não era cajado. Era sotêro.
(Acho que três trocadilhos bástão)...


[3] Comentário enviado por wadilson em 14/09/2011 - 18:26h

Valter, ótimo texto, dicas muito legais para quem evangelizar amigos e parentes..

Mas veja, vc começa o texto assim: "...falar de futebol, religião, política e sistema operacional é um trem bem complicado... Mas enfim, deixemos os quatro primeiros de fora, pois focaremos a coisa toda no nosso SO preferido, o Linux. .."

Se deixarmos os QUATRO primeiros de fora, não sobra nenhum! :P
ooops.


Minha esposa e minha filha usam o Ubuntu, acham super fácil fazer tudo com ele, adoram e não querem voltar a usar janelas. Nem foi difícil convencer: simplesmente dei a elas máquinas com o Ubuntu rodando.

Saudações

[4] Comentário enviado por wadilson em 14/09/2011 - 18:28h

Teixeira, vc podia ganhar dinheiro com essa sua 'capacidade'. Impressionante.

[5] Comentário enviado por bawlaw em 14/09/2011 - 18:35h

Eu, até hoje não consegui converter ninguem.
na faculdade e no trabalho, todos são muito dependentes do pacote MSOffice.

[6] Comentário enviado por pcsgoncalves em 14/09/2011 - 18:36h

Sua trajetória com o Linux é muito parecida com a minha. Comecei lá pelos idos de 1999 com o Conectiva, passei pelo Slack e atualmente uso Gentoo. Gostei muito do seu artigo e gostaria de dizer que a maior vantagem pra mim no uso do Linux é justamente usar um sistema que me atende e que não precise gastar uma "grana" com licenças ou ficar de usando software pirata.
Realmente no início era "pedreira", lembro das noites que perdi configurando os softmodens da época... Hoje há distribuições que facilitam muito o processo de instalação, me arriscando a dizer que são mais fáceis do que windows.
Muita gente ainda resiste, seja por falta de informação, seja por preguiça. Mas o mais importante é que atualmente temos opção.

[7] Comentário enviado por tonnytg em 14/09/2011 - 21:25h

pcsgoncalves: Realmente o ubuntu é mto mais fácil que o windows.
Um usuario leigo já não tem dificuldade nenhuma em usar o ubuntu sendo que no próprio windows 7 a muitos labirintos para achar coisas que no ubuntu está na cara com um menu fácil.
Um exemplo disso é conexão 3G que atualmente é só plugar e rir vendo o google abrir.
Fora tbm que não precisa ficar formatar maquina para ver uma coisa fácil rodar, basta rodar o live CD que funfa bacana.

[8] Comentário enviado por removido em 15/09/2011 - 01:55h

Na minha opinião, um ponto importante é mostrar o linux, deixar às pessoas usarem, sem pressioná-las para que usem linux em suas casas.
Não adianta querer obrigar, pois ninguém vai querer usar algo contra a sua própria vontade.
Outro ponto importante na minha opinião quanto a esse assunto é: se queremos que às pessoas usem linux não adianta atacar o outro SO, temos que mostrarmos às vantagens do nosso SO. Temos que sermos um pouco publicitários e fazermos publicidade do nosso SO, que é o Linux, mostrando como ele pode atender às necessidades das pessoas.
São bonitos os efeitos do compiz, mas se é uma pessoa que não se interessa por efeitos especiais, os efeitos especiais não adiantarão nada. Se uma pessoa gosta de simplicidade temos que mostrarmos simplicidade. Para aqueles que gostam de coisas com bastante efeito aí sim mostrar os efeitos.
Temos que sabermos com quem estamos conversando, o que a pessoa espera de um SO, e mostrar realmente algo que a pessoa ao ver venha a realmente querer migrar e utilizar o Linux.
Bom é isso.

[9] Comentário enviado por walescko em 17/09/2011 - 02:20h

para termos mais conversos ao mundo linux, penso que devemos ajudar quem está interessado. Não sou profissional de TI, mal consigo cuidar dos meus dois notebook, um com o debian, a máquina que uso, e outro está com minha mãe, rodando o mint, mas penso que devemos ajudar quem quer ser ajudado.

um amigo meu, tem dois desktop em dual boot, linux mint e win7, e quem cuida das máquinas dele sou eu, uma vez por mês vou lá fazer a limpeza e atualizar o win e o linux. Ele e as filhas usam o win, mas a esposa gostou o linux mint. Até o netbook que ela comprou com win7, um acer aspire one 722, está rodando o linux, mas opensuse, porque ela simplesmente se adaptou melhor.

Sou a favor de deixar a pessoa escolher, da mesma forma que escolhemos a distro que usamos, depois de muito testar várias distribuições.

Efeitos e firulas do compiz e outras coisas são legais, mas cansam, eu tenho o compiz instalado, mas uso mesmo o metacity, porque quero para o que preciso, tanto faz um ou outro. Agora, quando quero exibir, habilito o compiz e mostro o que faz, como sou professor, os alunos ficam de queixo caído.

[10] Comentário enviado por lucaspatis em 07/10/2011 - 11:12h

Já converti várias pessoas o Linux, simplesmente porque gosto de deixar minha distro com um tema bonito e um papel de parede de destaque, aí o pessoal fica observando eu usar, aí eu abro o Firefox dou uma navegada, abro algum texto com o LibreOffice, algum documento PDF, mais tarde jogo algum Game, gosto muito de emulador de jogos e o Linux tem muitos com ótimos títulos, depois algum curioso começa a se interessar pergunta o nome, pede pra usar e logo pergunta se é possível intalar junto com o Windows, falo que sim e explico que a instalação é simples e segura (no caso do Ubuntu), já consegui fazer 5 pessoas migrarem para o Linux.

[11] Comentário enviado por lcnrj em 20/02/2012 - 14:28h

Usuário linux parece testemunha de Jeová, tá sempre tentando converter mais um...sem querer ofender ninguém ok!


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts