A história do ogg na web

Esta é uma tradução do texto (em inglês) publicado no blog ginger's thoughts, que informa sobre a história do ogg na web.

[ Hits: 11.237 ]

Por: Vinícius dos Santos Oliveira em 29/06/2009 | Blog: https://vinipsmaker.github.io/


A história do ogg na web



Abaixo a tradução do texto original, disponível em the history of ogg on the web:

No ano de 2000, enquanto trabalhava na CSIRO como um cientista pesquisador, tive a ideia que vídeo (e áudio) poderia ser conteúdo hyperlinked[1] como qualquer conteúdo em páginas web. Conrad Parker e eu desenvolvemos de "Continuous Media Web"[2] e chamamos a tecnologia que foi necessária desenvolver de "Annodex" para "comunicação anotada e sumarizada".

Não há muitas pessoas agora que sabem que isso é que realmente foi o início do ogg na web. Até então o Ogg Vorbis e o encubado Ogg Theora foram vistos somente como uma alternativa para o mp3 e MEPG-2.

Dentro de alguns anos desenvolvemos uma linguagem de marcação para vídeo chamada de CMML, que poderia fornecer as anotações, pontos de âncora, hyperlinks para vídeos, possibilidade de procurar e sumarizar vídeos, hyperlinks para uma seção de vídeos, entre outros.

Nós assim desenvolvemos a especificação temporária dos URIs [...].

E finalmente desenvolvemos extensões para as frameworks ogg da Xiph, que permitiram o uso da CMML e mais codecs, geralmente, multi-tracks. Os arquivos resultantes foram chamados originalmente de arquivos Annodex, mas a colaboração com a Xuph aumentou, as especificações foram simplificadas e incluídas nativamente no Ogg e agora são conhecidos como "Ogg Skeleton".

À parte das especificações, também desenvolvemos um monte de softwares para fazer a visão tornar-se realidade. Conrad, em particular, desenvolveu muitas bibliotecas que ajudaram a desenvolver muitos softwares em cima dos codecs Xiph, entre as quais estão liboggz e libfishsound.

Bibliotecas foram desenvolvidas para lidar com CMML embutindo CMML em Ogg. Módulos Apache foram desenvolvidos para lidar com seções segmentadas e entregá-las como resposta a um pedido URI temporário. E finalmente desenvolvemos uma extensão para o Firefox que permite visualizar vídeos Ogg Theora/Vorbis dentro do navegador.

Com o tempo um monte de softwares extras foram desenvolvidos, entre eles: PHP, Perl, bindins Python para Annodex, filtros DirectShow para ter suporte a Ogg Theora/Vorbis no Windows, um controlador ActiveX para o Windows, uma ferramenta para criação de CMML no Windows, software de validação do formato Ogg, suporte a Ogg Theora/Vorbis em celulares e uma wiki de vídeos Ogg Theora chamada cmmlwiki.

Vários estudantes e membros do time Annodex da CSIRO ajudaram a desenvolver estes, incluindo Andre Pang (que agora trabalha para a Pixar), Zen Kavanagh (que agora trabalha para a Microsoft) e Colin Ward (que agora trabalha para a Symbian). A maior parte dos softwares foi lançada como software open-source pela CSIRO e é disponível nos repositórios Annodex e Xiph.

Tecnologia Annodex tornou-se gradualmente parte da tecnologia Xiph, assim como membros do time também tornaram-se gradualmente parte da comunidade Xiph e agora é mais difícil separar pessoas Annodex das pessoas Xiph.

Com o tempo, outros projetos foram colocados entre a tecnologia Annodex. Os primeiros foram pesquisadores [...]. Outros cientistas do universo multimídia também fizeram experimentos com a Annodex. O primeiro site contendo uma larga coleção contendo vídeos Ogg Theora com anotações foi OpenRoadTrip, por Scott Shawcroft e Brandon Hines em 2006. Brevemente depois, Michael Dale e Aphid do Metavid iniciaram a realmente usar o conjunto de tecnologias Annodex e a contribuir com a tecnologia. Michael foi também um grande apoiador para ajudar a Wikimedia e Archive.org mudarem para Ogg Theora.

Em 2006 o time da CSIRO decidiu que era necessário desenvolver uma biblioteca e multi-plataforma para decodificar e reproduzir Ogg que permitiria o desenvolvimento fácil de aplicativos necessitam de um controle profundo do conteúdo de áudio e vídeo de Ogg. Shane Stephens foi o desenvolvedor chave disso. Foi neste tempo que Chris Double do Firefox usou a biblioteca para incluir suporte nativo no Firefox. CSIRO parou de trabalhar no Annodex, Shane deixou o projeto para trabalhar para a Google on Wave, e nós eventualmente encontramos Viktor Gal como novo mantedor para liboggplay. Nós também encontramos Cristian Adam como novo mantedor para os filtros do DirectShow.

Agora que o suporte básico a Ogg Theora/Vorbis para o elemento "video" do HTML5 está sendo disponibilizado em todos os principais navegadores (bem, tão breve quanto possível um controle ActiveX estará implementado para o IE), podemos finalmente desenvolver uma visão maior. Isto é o porquê eu sou um convidado expert em W3C media fragments working group e porquê eu estou trabalhando com a Mozilla organizando a acessibilidade para vídeo.

Acessibilidade é uma parte inerente de fazer o vídeo buscável. Então, se nós podemos encontrar um meio de estender as anotações com hyperlinks, poderemos fazer também a Web dos vídeos e fazer novas experiências completamente através de discussões através de e-mails com vídeos (Shane poderia incluir totalmente no Google Wave!). E pense sobre todos os aplicativos incríveis que vem a sua mente que eu não pude nem mesmo pensar ainda.

Passei essa semana na Open Video Conference em New York[3] e foi incrível em torno de 800 ou mais pessoas entenderem o valor do open vídeo e a necessidade de tecnologias abertas de vídeo para permitir liberdade de inovação e compartilhamento. Posso sentir que a bola está se movendo - a visão desenvolvida em torno de 10 anos está começando a tomar forma. Algumas vezes, em muito muito raros momentos, você pode sentir que a história foi apenas feita. A Open Video Conference foi exatamente um destes momentos. Coisas mudaram. Para sempre. Para o melhor. Eu estou atordoado.

Minhas (VinIPSmaker) notas:
  1. Quem conhece HTML sabe o que isso significa.
  2. Seria algo como "Comunicação contínua com a Web".
  3. Eu não sou um daqueles idiotas que traduz John como João ou José.

    Próxima página

Páginas do artigo
   1. A história do ogg na web
   2. Conclusão
Outros artigos deste autor

GNU Emacs, o primeiro GNU

Próximas Tecnologias do Sistema GNU/Linux

Tratamento de exceções na linguagem C

História da informática: Um pouco de datas e especificações

Mupen64plus, o melhor emulador de Nintendo 64 disponível para GNU/Linux

Leitura recomendada

Ganhe uma camiseta do Viva o Linux ajudando o Viva o Android

Soluções: open source ou proprietária? Salada mista!

VPN com Openswan e Iptables (fazendo NAT)

Organizando as idéias

Servidor NIS+NFS: Aprenda a montar o seu

  
Comentários
[1] Comentário enviado por gesousa em 29/06/2009 - 16:20h

vinipsmaker

"Agora que o suporte básico a Ogg Theora/Vorbis para o elemento "video" do HTML5 está sendo disponibilizado em todos os principais navegadores (bem, tão breve quanto possível um controle ActiveX estará implementado para o IE)"

Só para ilustrar um pouco o poder do que vc falou....

http://www.youtube.com/watch?v=3tLBLVtIk3A&eurl=http%3A%2F%2Fwww.techcrunch.com%2F2009%2F06%2F09%2Fd...

P.S: Video preview apresentado as funçoes html5 + ogg theora no Firefox 3.5, feito pelo Mike Beltzner, diretor do Firefox.

fonte:

Outros artigos interessantes sobre ogg theora.

DailyMotion - Serviço para utilizar o Ogg Theora
http://openvideo.dailymotion.com/
http://blog.dailymotion.com/2009/05/27/watch-videowithout-flash/


[2] Comentário enviado por pink em 29/06/2009 - 19:32h

Gostei da contribuição, não sabia sobre a origem do ogg e sua história, interessante ver que tudo teve esforço de alguém onde proporciona soluções a muitas pessoas.
Sempre admirei artigos traduzidos, claro que é bom escrever artigos, mas também é muito importante traduzí-los afinal temos que atingir o maior números de usuários possíveis, pois não são todos que tem inglês fluente, contribuição como essa é muito bem vinda.
Fique com Deus.
[]'s

[3] Comentário enviado por andre.vmatos em 29/06/2009 - 20:10h

Muito bom o artigo, realmente. Toda vida gostei do Ogg e de seus irmãos, e de suas propostas. Minha biblioteca de músicas já é, a tempos, toda em Ogg Vorbis, ainda mais porque prezo muito a qualidade de áudio, e, ripando minhas músicas em Ogg de alta qualidade, fica impecável, e com um ótimo tamanho (vai ripar um mp3 em 320kbps pra vc ver se guenta uma biblioteca toda assim).

Att, André Vitor de Lima Matos
http://www.google.com/profiles/andre.vmatos

[4] Comentário enviado por gesousa em 29/06/2009 - 21:56h

LOL edição geral dos comentários pelo visto....... será que esta linha vai sumir ¬.¬

Bom apenas voltei para deixar aqui mais um link ... hehehehe

acabei de ver o ultimo projeto do The Pirate Bay... O The Video Bay...

http://thevideobay.org/

LOL além de utilizar o theora + html5 ainda é sem censura ....


[5] Comentário enviado por fabio em 30/06/2009 - 00:03h

Opa gesousa, não é censura, longe disso. Tivemos um problema que deveria ser resolvido internamente e não foi. Daí depois do esclarecimento do caso e posicionamento de ambas as partes retiramos o que não pertencia ao artigo, pois o foco aqui é o Ogg :)

[6] Comentário enviado por vinipsmaker em 30/06/2009 - 10:51h

Concordo com a decisão de ter apagado os comentários. Talvez eu tenha aprendido a lição =). Desculpem-me por qualquer problema.


Já que muitos estão interessados em links aqui está uma pequena lista:

* https://dream.dev.java.net/ - open DRM, porém já está inativo a alguns meses
* http://www.programaslivres.net/2009/01/30/mozilla-doa-100000-dolares-para-o-desenvolvimento-do-codec...
* http://www.forumpcs.com.br/noticia.php?b=254888 - Talvez a próxima mídia use o ogg por padrão
* http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2003/08/260618.shtml - Parece que isto que é censura, baixei o vídeo, mas nem assisti, pois o áudio é horrível.
* http://www.forumpcs.com.br/noticia.php?b=255762 - Parece que tem gente que prefere falar do que trabalhar
* http://camendesign.com/code/video_for_everybody - vídeo em ogg SE o navegador suportar, caso contrário tenta outros (flash, outros plugins, download) até achar um que o navegador suporte
* http://people.mozilla.com/~prouget/demos/DynamicContentInjection/play.xhtml - É interessante se você tiver o Firefox 3.5
* http://web.mit.edu/xiphmont/Public/theora/demo.html - Tem uma pequena lista de problemas do Theora
* http://web.mit.edu/xiphmont/Public/theora/demo2.html - Continuação do link anterior

[7] Comentário enviado por joaomc em 30/06/2009 - 17:53h

Eu tenho lido muitas pessoas comentando que o Theora é basicamente um formato obsoleto com limitações que não podem ser solucionadas, que a qualidade do Theora é muito inferior a de outros formatos e que o tamanho dos arquivos resultantes é sensivelmente maior. Isso é verdade?

[8] Comentário enviado por vinipsmaker em 30/06/2009 - 20:35h

O Theora foi herdado do codec VP3, da On2 Technologies. O Theora foi evoluído a partir de um codec criado por outra empresa.
A Xiph.org não tinha tempo suficiente para criar um novo codec de vídeo, então aceitou a doação On2.

O Theora era competitivo na época. Sua baixa qualidade é resultante da implementação (os programas básicos que dão o suporte ao codec) e da especificação (isso só é possível mudar criando um novo codec).
A Xiph.org evoluiu bastante o codec antes de lançar a versão 1.0. Só é possível aperfeiçoar a qualidade do Theora na implementação e é o que está sendo feito agora.
O Theora tem qualidade inferior, mas não muito inferior, e depois do lançamento da versão 1.1 ele se tornará competitivo de novo. Note que a culpa disso não é só da Xiph, mas grande parte da culpa é da On2.

Veja o progresso que está sendo feito (duas imagens comparativas):
http://web.mit.edu/xiphmont/Public/theora/demo7.html


EDIT:
Perceba que o codec de áudio vorbis, criado pela Xiph, é o melhor de todos os codecs de áudio. Então, talvez o Theora2, quando lançado, será o melhor codec de vídeo também.

[9] Comentário enviado por vinipsmaker em 08/07/2009 - 11:16h

Mais uma nota:
O Theora tem uma qualidade muito boa em taxas de bitrate baixas quando comparado com outros codecs. Então aqueles vídeos do youtube ficariam melhor usando o Theora.



Um outro teste de html5 (nesse exemplo você pode girar e redimensionar os vídeos):
http://www.double.co.nz/video_test/video.svg


E mais alguns (estes podem ajudar webmasters a aprender a usar o novo elemento html video e mostrar a usuários que há vários modos de usar a nova tecnologia html5):
http://people.opera.com/howcome/2007/video/controls.html
http://people.opera.com/howcome/2007/video/simple.html
http://people.opera.com/howcome/2007/video/opacity.html

[10] Comentário enviado por vinipsmaker em 22/08/2009 - 13:52h

Última nota: Monty é o cara!
Ele conseguiu uma implementação da especificação velha e obsoleta baseada no VP3 que tem uma incrível qualidade.
http://web.mit.edu/xiphmont/Public/theora/demo8.html


http://people.xiph.org/~greg/video/ytcompare/comparison.html (essa aqui eu ia postar antes, mas só agora consegui reencontrar o link) <> At low bitrates Theora is very good


Depois a BBC vai ter que contratar o Monty para deixar a qualidade do Dirac (que apesar de ter uma especificação quase dos sonhos, não foi bem aproveitada pelo codificador) monstruosa. O Ogg é d+, principalmente graças a Monty.


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts